Vendas da Nike disparam a reboque de campanha em que Kaepernick é o rosto

Vendas da marca dispararam 31% depois do lançamento do vídeo da nova campanha em que Colin Kaepernick é a figura principal. Críticas do jogador da NFL à violência policial e ao racismo mereceram condenação por parte de Donald Trump, no entanto, a campanha da Nike parece mesmo ser um sucesso.

Por Pedro Bastos Reis Do Noticias ao Minuto

© Reuters

Aestrela de futebol americano Colin Kaepernick tornou-se o rosto da nova campanha da Nike, uma decisão que gerou alguma polémica e levou alguns adeptos da marca, sobretudo os que são próximos ideologicamente do presidente Donald Trump, a queimar produtos da Nike. No entanto, as vendas da marca dispararam.

Colin Kaepernick foi escolhido para a campanha ‘Believe in something. Even if it means sacrificing everything. Just do it’ (acredita em algo, mesmo que isso signifique sacrificar tudo. Fá-lo simplesmente). O atleta da NFL, que está sem equipa pela segunda temporada consecutiva, gerou grande discussão depois de se ter ajoelhado diversas vezes durante o hino dos Estados Unidos, em protesto contra a violência policial, muitas vezes motivada pelo racismo.

A decisão da Nike em escolher Kaepernick para a nova campanha, cuja primeira versão foi divulgada na passada segunda-feira, Dia do Trabalhador nos Estados Unidos, foi contestada por alguns setores da sociedade americana, mas muito elogiada por outros. E os primeiros números das vendas da marca dão razão aos últimos.

“As vendas da Nike dispararam 31% de domingo a terça-feira, passando pelo Dia do Trabalhador, ultrapassando o crescimento de 17% registado no período homólogo de 2017”, revelou a empresa de investigação e de estudos de mercado Edison Trends, citada pelo The Guardian.

Para a Edison Trends, a Nike deverá estar contente por a sua campanha estar a resultar, tendo gerado um confronto direto com Donald Trump e com os valores que este representa.

Quando foi revelado o nome de Colin Kaepernick, recorde-se, o presidente norte-americano falou numa “mensagem terrível” da marca. Muitos apoiantes de Trump recusaram usar produtos da Nike e queimaram mesmo peças de roupa ou ténis na marca, no entanto, os números parecem falar por si e a escolha do jogador que protesta contra o racismo e a violência policial revelou-se um sucesso.

+ sobre o tema

Adolescente denuncia mulher por agressão e injúria racial em Rio Preto

Um adolescente de 13 anos denunciou ter sofrido injúria...

Estudo mostra o impacto do fator racial materno no desenvolvimento infantil

O ganho de peso e o crescimento dos filhos está diretamente relacionado ao fator etnorracial...

Documentário aborda o apagamento da negritude de Chiquinha Gonzaga

A trajetória de Chiquinha Gonzaga (1847-1935) é analisada sob...

Brasil tem mais de um milhão de casos de dengue este ano

Desde o início do ano, o Brasil registrou 1.017.278...

para lembrar

Rodada contra Racismo

Neste final de semana, a Confederação Brasileira de Futebol...

Olivier Rousteing: ‘A moda é racista’

Único negro à frente de uma grife de luxo,...

Tribunal de Londres processa zagueiro John Terry por racismo

LONDRES, Reino Unido — O capitão da seleção inglesa...

Procon-SP notifica shopping após mãe denunciar racismo

O Procon-SP notificou ontem o Bourbon Shopping São Paulo...
spot_imgspot_img

Quanto custa a dignidade humana de vítimas em casos de racismo?

Quanto custa a dignidade de uma pessoa? E se essa pessoa for uma mulher jovem? E se for uma mulher idosa com 85 anos...

Unicamp abre grupo de trabalho para criar serviço de acolher e tratar sobre denúncias de racismo

A Unicamp abriu um grupo de trabalho que será responsável por criar um serviço para acolher e fazer tratativas institucionais sobre denúncias de racismo. A equipe...

Peraí, meu rei! Antirracismo também tem limite.

Vídeos de um comediante branco que fortalecem o desvalor humano e o achincalhamento da dignidade de pessoas historicamente discriminadas, violentadas e mortas, foram suspensos...
-+=