Violência contra mulher explode e número de mortes cresce 266%

Servidores e estudantes participam de manifesto contra a violência doméstica. (Foto: Renan Nucci)

O homicídio da adolescente Fernanda Marques da Silva, 17 anos, morta pelo namorado no final da tarde de domingo (23),  no Jardim Campo Verde, foi o 11º primeiro do tipo somente neste ano, em Campo Grande. De 2012 para cá, o número de assassinatos de mulheres cresceu 266%, subindo de três para 11 casos, sendo que 2014 ainda nem acabou – em 2013 foram seis ocorrências.

por Renan Nuccin no Campo Grande News

violencia contra mulher 2

Segundo a delegada Rosely Aparecida Molina, titular da 1ª Deam (Delegacia de Atendimento à Mulher), no último mês de janeiro foram cinco casos na Capital. A delegada alerta que em todos eles havia histórico de agressão não denunciado. Outro fator responsável por desencadear esta onda de violência é o machismo, ainda muito presente na sociedade.

“A cultura do machismo contribui, pois muitas pessoas ainda acreditam que a mulher é propriedade do homem, e por isso, deve ser submissa às suas vontades. Por outro lado, lembro que é importante denunciar o quanto antes, para que o caso não tenha um fim tráfico como os deste ano, quando só descobrimos as agressões depois que as vítimas estavam mortas”, explica.

Molina alega que a delegacia especializada está atenta a este cenário, promovendo trabalhos de rotina como investigações, campanhas de conscientização de direitos e incentivo à denúncia. De janeiro até ontem (24), foram lavrados 5.296 boletins de ocorrência de violência doméstica, com 427 pessoas presas. Em setembro, 19 homens foram parar na cadeia durante uma operação realizada pela Deam, acusados de descumprimento de medidas protetivas.

Titular da Semmu, Liz Derzi de Matos, afirma que a mulher precisa estar bem informada e conhecer seus direitos. (Foto: Renan Nucci)
Titular da Semmu, Liz Derzi de Matos, afirma que a mulher precisa estar bem informada e conhecer seus direitos. (Foto: Renan Nucci)

Conscientização – Nesta terça-feira (25), servidores municipais de diversas secretarias, órgãos públicos e estudantes participaram da “Blitz Pela Paz”, em alusão ao Dia Internacional da Não Violência contra a Mulher, promovida pela Semmu (Secretaria Municipal de Políticas Públicas para as Mulheres).

Munidos de panfletos informativos, faixas, cartazes e balões, os manifestantes se reuniram no cruzamento da Avenida Afonso Pena com a Rua Pedro Celestino, no Centro, com o intuito de orientar condutores e pedestres a respeito da gravidade das agressões contra as mulheres, bem como os direitos (Lei Maria da Penha) que as vítimas de violência têm.

“O objetivo é informar e alertar a comunidade para este grave problema. Sabemos que muitas mulheres, por medo ou por falta de conhecimento, deixam de denunciar as agressões. Queremos que isso acabe”, disse Liz Derzi de Matos, titular da Semmu, lembrando do programa “Todo Dia é Dia da Mulher”, que tem por finalidade “resgatar” vítimas em situação vulnerável. “Percorremos bairros levando conhecimento e capacitação para às mulheres, tornando-as independentes financeiramente e emocionalmente”, explicou.

Dados alarmantes – 77% das mulheres em situação de violência sofrem agressões semanal ou diariamente, conforme revelaram os dados dos atendimentos realizados de janeiro a junho de 2014 pela Central de Atendimento à Mulher – Ligue 180, da Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República.

De 84 países pesquisados, o Brasil aparece em 7º lugar nas taxas de morte de mulheres vítimas de violência doméstica (Data Senado 2013). Cerca de 700 brasileiras continuam sendo alvo das mais diversas formas de agressão (Data Senado 2013).

+ sobre o tema

Papo Franco Com Nath Finanças

https://youtu.be/YVmtl0sNSxE Com muita alegria, compartilhamos com vocês o primeiro episódio...

Conheça a história de Shirley Chisholm, primeira mulher a ingressar na política americana

Tentativas de assassinato e preconceito marcaram a carreira da...

Livro de Judith Butler revisita Antígona

Em ‘O clamor de Antígona — Parentesco entre a...

para lembrar

Jovem é agredida por seguranças na boate Club Yacth no centro de São Paulo

Segundo relato publicado no Facebook por uma amiga, Fernanda Donnini apanhou...

Denise Correia: “Corre sangue bom na veia dessa nêga”

A cantora e atriz paranaense Denize Correia conta sobre...

O que aconteceu com o primeiro casal gay a se revelar no Exército brasileiro

Em junho de 2008, ÉPOCA contou a história do...

Grupos religiosos anunciam boicote a atores que protagonizaram vídeo em defesa do aborto

Um vídeo protagonizado por alguns atores para defender o direito da...
spot_imgspot_img

CNJ pede explicações a juízas sobre decisões que negaram aborto legal

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) decidiu nesta sexta-feira (12) intimar duas magistradas do Tribunal de Justiça de Goiás (TJGO) a prestarem esclarecimentos sobre...

Instituto Mãe Hilda anuncia o lançamento do livro sobre a vida de matriarca do Ilê Aiyê

O livro sobre a vida da Ialorixá Hilda Jitolu, matriarca do primeiro bloco afro do Brasil, o Ilê Aiyê, e fundadora do terreiro Acé...

Centenário de Tia Tita é marcado pela ancestralidade e louvado no quilombo

Tenho certeza que muitos aqui não conhecem dona Maria Gregória Ventura, também conhecida por Tia Tita. Não culpo ninguém por isso. Tia Tita é...
-+=