Violência contra a mulher vira tema de samba-enredo da Mangueira

Escola destaca mulheres no enredo e faz adesão às campanhas “O Valente não é Violento” e “Pequim+20 – Empoderar as Mulheres. Empoderar a Humanidade. Imagine!”, com ações em projetos sociais e culturais no período 2014-2015

Artigo da ONU Mulheres

Samba-enredo da Mangueira

Em 2015, a Estação Primeira de Mangueira levará para a Marquês de Sapucaí os direitos das mulheres e a luta delas pela igualdade de gênero. No próximo sábado (11/10), no Rio de Janeiro, a escola de samba carioca anunciará a nova parceira para o carnaval 2015: a ONU Mulheres Brasil.

mangueira
2015 é o Ano das Mulheres na Mangueira

Em feijoada em homenagem à agência das Nações Unidas, a escola de samba assumirá o reforço à campanha “O Valente Não é Violento”, da ONU, voltada a homens e meninos. Com ações para educadores e formadores de sua comunidade, a Mangueira pretende incentivar o apoio masculino à igualdade de gênero e ao enfrentamento à violência contra mulheres e meninas.

“Ao eleger 2015 como o Ano das Mulheres na Mangueira, a escola se engaja na rede em defesa dos direitos das mulheres. A partir dessa parceria, reforçaremos o trabalho da Mangueira em favor da igualdade de gênero no dia a dia de milhares de pessoas que estão envolvidas nos projetos sociais e na comunidade como um todo. Estamos muito animadas com o compromisso da escola em contar a história das mulheres da Mangueira e do Brasil na passarela do samba para milhões de pessoas”, diz Nadine Gasman, representante da ONU Mulheres Brasil.

Com enredo voltado às mulheres, o carnaval 2015 da Mangueira é uma das atividades do calendário de celebração Pequim+20, que busca apoio global ao cumprimento da Plataforma e do Plano de Ação de Pequim. Liderada pela ONU Mulheres, a campanha internacional Pequim +20 tem como lema “Empoderar as Mulheres. Empoderar a Humanidade. Imagine!” chegará ao espaço do samba. “Pequim+20 é uma mobilização internacional para avançar na garantia e no acesso dos direitos de mulheres e meninas. Na sua proposta para o carnaval 2015, a Mangueira quer propor um futuro sem discriminações de gênero. A mensagem da igualdade de gênero e do empoderamento das mulheres tem de alcançar mentes e corações por diferentes linguagens e o samba é uma delas”, completa Nadine.

Valorização das mulheres – O Ano das Mulheres na Mangueira se iniciou em setembro de 2014 e seguirá até setembro de 2015 com ações junto a projetos sociais, tais como Vila Olímpica, Segundo Tempo da Educação e escola técnica.

A Mangueira é uma das mais tradicionais escolas de samba do Rio de Janeiro e foi fundada em 28 de abril de 1928. Foi a primeira escola a incluir mulheres na ala de compositores.

Para o carnaval 2015, a escola desenvolverá o enredo “Agora chegou a vez vou cantar, mulher brasileira em primeiro lugar”. Na Marquês de Sapucaí, mulheres do dia a dia, artistas e figuras históricas, entre elas: Teresa de Benghela, Dandara, Tia Ciata, Xica da Silva, Mãe Menininha Gantois, Chiquinha Gonzaga, Clara Nunes, Dalva de Oliveira, Elis Regina, Princesa Isabel, Imperatriz Leopoldina, Maria Quitéria e Maria Bonita.

Mobilização global – Em maio passado, a ONU Mulheres lançou a campanha Pequim+20 “Empoderar as Mulheres. Empoderar a Humanidade. Imagine!” com um ano de atividades em todo o mundo para mobilizar governos, cidadãos e cidadãs para imaginar um mundo em que a igualdade de gênero seja uma realidade e se unir a um debate mundial sobre o empoderamento das mulheres com a finalidade de empoderar a humanidade.

Em março de 2015, avanços e lacunas da Declaração e da Plataforma de Pequim serão discutidas na Comissão sobre a Situação da Mulher (CSW), culminando com um evento de alto nível na Assembleia Geral da ONU, em setembro. Será um posicionamento importante sobre a agenda pós-2015, propondo um modelo de desenvolvimento para o futuro em que a garantia dos direitos das mulheres, a autonomia e a igualdade de gênero fazem parte dos grandes debates e acordos mundiais.

+ sobre o tema

5 mulheres falam sobre a vida depois do aborto

“A discussão sobre o aborto nos Estados Unidos é...

Simone Manuel: Primeira campeã negra é amiga de Simone Biles e diz que significa muito

Simone Manuel fez história na piscina do Estádio Aquático...

Leci Brandão: ‘Orgulho de ver tanta representatividade na avenida’

A cantora Leci Brandão, 77, celebrou o retorno do...

para lembrar

STJ anula decisão sobre estupro de menores de 12 anos

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) suspendeu decisão que...

Feminicídio: “Crime passional”: não é amor, é poder – Por Nádia Lapa

Segundo dados da Organização Mundial de Saúde e do Mapa...

Mulheres em tempos de pandemia: os agravantes de desigualdades, os catalisadores de mudanças

A chegada do coronavírus tem trazido uma transformação completa...

Violência de gênero e transexualidade

Antes de tudo, inicio minha fala identificando meu local...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

Lançamento do livro “A importância de uma lei integral de proteção às mulheres em situação de violência de gênero”

O caminho para a criação de uma lei geral que reconheça e responda a todas as formas de violência de gênero contra as mulheres...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...
-+=