Violência Obstétrica: Ela existe ou é mais uma ‘invenção de feministas’?

O tampão foi esquecido. Thamara não poderia ter saído do hospital com um tampão no corpo.

Por Debora Diniz, do HuffPost Brasil

Os médicos não gostam da expressão “Violência Obstétrica”. A consideram ofensiva; já outros rejeitam qualquer acusação de que médicos possam violentar mulheres. Uns tantos dizem ser a palavra uma invenção de feministas.

 
REPRODUÇÃO/FACEBOOK

Poucas histórias nos mostram com tanta dor os sentidos de ser uma vítima de violência obstétrica no Brasil quanto a agonia vivida por Thamara Macêdo, uma mulher recém-parida em Teresina.

Thamara passou por uma cesariana, e já no quinto dia depois do parto começou a sentir dores, febre, e o que descrevia como um cheiro diferente no corpo. A dor só aumentava.

Não sei detalhes de como viveu as dores do corpo e o cuidado do recém-nascido entre o dia do parto e o 20o dia, quando não mais suportando as dores resolveu procurar um médico diferente do que fez o parto. Encontrou um tampão na vagina. Para leigas, vale explicar: tampão é um pedaço de pano encaixado na vagina para estancar o sangue.

O tampão foi esquecido. Thamara não poderia ter saído do hospital com um tampão no corpo. Ela sequer foi avisada que havia um pano na vagina, não lhe informaram quando deveria retornar para a visita de resguardo.

Alguns preferem chamar isso de erro médico, outros de negligência. Uns tantos dizem que é assim mesmo a assistência em saúde pública no Brasil.

A verdade é que nada disso é invenção de feminista. Há nome certo para os maus-tratos sofridos por Thamara: violência obstétrica, um tipo específico de negligência médica que só tem mulheres recém-paridas ou em trabalho de parto como vítimas.

 

+ sobre o tema

Luana Génot: estar em um relacionamento inter-racial não é sinônimo de que o racismo acabou

Temos colocado a discussão sobre o racismo estrutural em...

Um Brasil para todos

O documento Plano Plurianual elaborado pelo governo coloca em...

Contra homofobia, Beyoncé faz bandeira LGBT humana no palco; assista

Sempre surpreendendo, a cantora Beyoncé fez uma bandeira LGBT...

para lembrar

Políticos são alvo de protestos na Parada Gay de SP

Este ano, o tema da Parada Gay de SP...

Se trabalho doméstico fosse remunerado, mulheres ganhariam mais que homens, aponta estudo

A coluna do jornalista Ancelmo Goes publicou uma notícia...

A filosofia e a ciência também legitimam a desigualdade de gênero

A teoria afirma que entre todos os elementos que...
spot_imgspot_img

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...

Como poluição faz meninas menstruarem precocemente

Novas pesquisas mostram que meninas nos EUA estão tendo sua primeira menstruação mais cedo. A exposição ao ar tóxico é parcialmente responsável. Há várias décadas, cientistas ao redor do...

Leci Brandão recebe justa homenagem

A deputada estadual pelo PC do B, cantora e compositora Leci Brandão recebe nesta quarta (5) o Colar de Honra ao Mérito Legislativo do...
-+=