Vivas à Biblioteca Inaldete Pinheiro

A primeira vez que estive com Inaldete Pinheiro foi em algum lugar da juventude no Rio ou em Brasília. Eu que descobrira o Baobá e falava sobre ele em alguma roda informal de conversa, tive por lá a escuta atenta de Inaldete. De pronto, ela me ofereceu uma muda de Baobá. Aceitei e para sempre guardei o presente, embora nunca tenha ido busca-lo.

Enviado por Cidinha da Silva para o Portal Geledés 

Duas décadas mais tarde um amor do Recife nos reaproximou e como não tinha mais a terra para plantar o Baobá, não resgatei a grande árvore, mas conheci a Biblioteca Inaldete Pinheiro que mora parede e meia com a dona do acervo. Pude testemunhar sua alegria e zelo por cada uma das obras, fotografias e revistas, por cada um dos jornais, cartazes e outros documentos.

Inaldete Pinheiro no Recife, Mundinha Araújo em São Luís, compõem o grupo daquelas mulheres fantásticas, fundamentais na formação de diferentes gerações de ativistas e intelectuais negros, mas pouco presentes em coleções e obras de referência, pelo motivo simplório de não estarem articuladas ao sul maravilha e seus poderes de manter invisíveis ou projetar pessoas. Pouca gente sabe, por exemplo, que um texto de Mundinha Araújo, Doutora Honoris Causa pela Universidade Estadual do Maranhão, compõe o primeiro bloco de livros publicados pela Mazza Edições no início da década de 1980.

Poucos de nós sabemos também que Inaldete Pinheiro, depois de Ruth Guimarães, falecida aos 93 anos com mais de 40 livros publicados, é, provavelmente, a segunda escritora negra a publicar literatura para crianças no Brasil. Só a falta de circulação pelo sul maravilha justifica o desconhecimento da obra de Inaldete Pinheiro por parte de pesquisadoras e pesquisadores de literatura negra, bem como de programas e núcleos dedicados a essa mesma produção literária em diversas universidades brasileiras, o que não justifica, mas explica sua ausência da antologia Literatura e Afrodescendência (UFMG, 2010) que reuniu cem dos mais importantes autores e autoras de literatura negra no Brasil.

Um contemporâneo e conterrâneo de Inaldete Pinheiro, Lepê Correia, lá está. Mas Lepê, como a maioria de nós, circula, se mostra, põe os livros na cacunda e roda o mundo. É na circulação que se conhece um pesquisador aqui, outro ali e a obra da gente é estudada e ganha destaque.

É justo dizer que várias pessoas chamaram a atenção do grupo organizador da Antologia para a existência de Inaldete Pinheiro e então, o erro foi parcialmente corrigido com a inclusão de sua obra em dois volumes recentes publicados pela Pallas: Literatura Afro-brasileira – 100 Autores do século XVIII ao XXI e Literatura Afro-brasileira – Abordagens na sala de aula, organizados pela mesma equipe.

Por tudo isso, vivas e loas à Biblioteca Inaldete Pinheiro, resultado de 35 anos de militância política contra o racismo, de investimento na própria formação para formar outras pessoas, de participação horizontalizada em grupos de estudos e de tomada de atitudes e decisão, de construção de um caminho de liberdade que exaustivamente exaltou dois nomes, Carolina Maria de Jesus e Solano Trindade.

Disponibilizar ao público o acervo de Inaldete Pinheiro é contar parte da história recente do Brasil, pelos olhos, pelas escolhas literárias, teóricas, culturais e políticas de uma guerreira, na melhor acepção do termo. Lutar o bom combate é marca de Inaldete Pinheiro e a biblioteca que leva seu nome seguirá a mesma trilha.

Saiba mais – 

Literatura negra – INALDETE PINHEIRO

 

+ sobre o tema

8 de março: Mulheres com nível superior ganham ainda menos do que os homens, diz IBGE

Completar o nível superior não garante às mulheres a...

Por que nós, mulheres, estamos sempre pedindo desculpas? 

Nos últimos dias andei pensando muito no significado da...

Tipificação do crime de feminicídio está na pauta do Senado

A pauta de votações no Plenário do Senado, para...

para lembrar

Aos 50, Naomi Campbell é velha demais para ser mãe, mas não para ser pai

Naomi Campbell, 50 anos, se tornou mãe nesta semana....

Os brasileiros na Rússia: o assédio sem fronteiras

Em sua nova coluna, Débora Diniz comenta o caso...

10 histórias de mulheres revolucionárias que você não aprendeu na escola

Algumas armadas com rifles, outras armadas com a caneta: 10...

Circuncisão feminina, o pesadelo das meninas na Indonésia

Condenada pela ONU, mutilação genital feminina é praticada há...
spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=