Você conhece Antonieta de Barros?

Provavelmente caro leitor você nunca deve ter ouvido falar dessa importante figura catarinense e nacional. Antonieta nasceu em Florianópolis no começo do século XX um período marcado por um intenso racismo e exclusão. Por isso Antonieta teve que enfrentar um triplo preconceito, por ser mulher, por ser negra e ainda por ser pobre. Essas barreiras não impediram de Antonieta se formar na Escola Normal Catarinense em 1921, em Português e Literatura. Mais Antonieta foi além e um ano após sua formatura fundou “Curso Particular Antonieta de Barros”, que tinha como objetivo alfabetizar a população carente, pois Antonieta entendia que o analfabetismo impedia “gente de ser gente”. Nos seus textos para o Jornal “A semana” periódico fundado e dirigido por ela, é possível ver a sua grandeza intelectual como pode ser visto neste trecho: “As criaturas (…) necessitam para viver, no sentido humano da palavra, de cultura. (…) Sem cultura não se consegue a independência moral, apanágio de todos que são genuinamente livres, senhores da sua consciência, conhecedores do seu valor, integralizados na sua individualidade”. A palavra cultura estava relacionada com a educação para Antonieta.

Enviado por Rafael Jose Nogueira via Guest Post para o Portal Geledés 

No ano de 1934, se destaca na defesa do direito ao voto das mulheres. É eleita pelo Partido Liberal Catarinense como a primeira deputada estadual negra do país e de Santa Catarina e a primeira deputada mulher do nosso estado. Antonieta tinha clareza que a invisibilidade da mulher no campo político não era natural, mas sim fruto de questões culturais como o machismo presente na sociedade. Portanto Antonieta mulher, negra e pobre veio para romper com vários estereótipos existentes na época. E principalmente destruir a “ordem natural” das coisas. Sempre questionadora ao discutir sobre a constitucionalidade do voto feminino em seus textos questiona: “Que seremos nós, as mulheres? Irracionais ou domesticadas? É isto que está agonizante e querem reviver […]. Inferior aos próprios irracionais, doméstica e domesticada, se contentará, eternamente em constituir a mais sacrificada metade do gênero humano?”. Durante sua campanha eleitoral em 1934 o jornal “Correio de amanhã” coloca Antonieta como o símbolo das lutas das mulheres catarinenses: “Eleitora. Tens em Antonieta de Barros a nossa candidata, o símbolo das mulheres catarinenses, queiram ou não os aristocratas de ontem”. Antonieta vivendo em uma sociedade machista, racista e burguesa que não via as mulheres como sujeitas de sua História foi além junto com outras mulheres destacadas dando inicio a uma mudança que abriu caminho para a mulher brasileira ser protagonista de sua vida e ter mais voz nacionalmente.

Leia Também :

Antonieta de Barros: protagonista de uma mudança

Seppir divulga lista de habilitados no Prêmio Antonieta de Barros

+ sobre o tema

A cor do pecado: no século xix, a sensualidade da mulher negra

______________________   Resumo Esta pesquisa tem por objetivo principal analisar a presença...

Bruna da Silva Valim é primeira negra a representar SC no Miss Universo Brasil

Bruna da Silva Valim, candidata de Otacílio Costa, foi...

A Mulher Negra Guerreira está morta…

Há poucas horas, enquanto lutava com a realidade de...

Elizandra Souza celebra 20 anos de carreira em livro bilíngue que conta a própria trajetória

Comemorando os 20 anos de carreira, a escritora Elizandra...

para lembrar

Carta aberta a uma mãe

Carta aberta de uma mãe que não sabe o...

Descolonizar a língua e radicalizar a margem

Uma resenha sobre “Um Exu em Nova York” de...

“Kbela”, filme sobre a relação da mulher negra com o cabelo crespo, foi eleito melhor do MOV

O curta-metragem carioca Kbela, da diretora Yasmin Thayná (PUC-Rio),...

Evento gratuito voltado à literatura afro-brasileira é realizado em Porto Alegre

12ª Festipoa Literária começa nesta segunda-feira (29) e segue...
spot_imgspot_img

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...

“O Itamaraty me deu uma bofetada”, diz embaixadora Isabel Heyvaert

Com 47 anos dedicados à carreira diplomática, a embaixadora Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert não esconde a frustração. Ministra de segunda classe, ela se...
-+=