Nós queremos é falar sobre poder!

“No momento em que o excluído assume a própria fala e se põe como sujeito, a reação de quem ouve só pode se dar nos níveis acima caracterizados. O modo mais sutilmente paternalista é exatamente aquele que atribui o caráter de “discurso emocional” à verdade contundente da denúncia presente na fala do excluído. Para nós, é importante ressaltar que emoção, subjetividade e outras atribuições dadas ao nosso discurso não implicam numa renúncia à razão, mas, ao contrário, num modo de torná-la mais concreta, mais humana e menos abstrata e/ou metafísica. Trata-se, no nosso caso, de uma outra razão.” (Lélia Gonzalez, 1979)

Foto: Gabriel Brito/Correio da Cidadania

Por Beatriz Lourenço do Nascimento Do Negro Belchior

#AgoraÉQueSãoElas

Começo citando Lélia não apenas pela homenagem, mas porque entendo que nesse pequeno trecho de sua obra, ela fortalece – mais uma vez – a importância de ocupar esse espaço, ou melhor, de ocupar todos os espaços. O quanto é importante falar, escancarar, tomar voz. Não me lanço à loucura de dizer aqui que só negros devem falar sobre racismo, porque eu não acredito nisso. Mas reforço a importância de tomarmos o protagonismo da nossa história, para dessa forma transformá-la.

Nós queremos é o poder, queremos aquilo que é nosso, exigimos de volta tudo o que nos tiram sistematicamente.

E já que em tempos como esse em que vivemos é tão importante demarcar, aproveito para dizer que não acredito em nenhuma outra possibilidade para nós, o povo negro, que não a transformação radical da sociedade. Reconheço os avanços que conquistamos, mas tenho certo que a nossa disputa deve ser pelo poder, por tomarmos o rumo de nosso futuro pelas nossas mãos. Não nos contentaremos com uma campanha global “somos todos alguma coisa”, e embora saibamos a importância de denunciar esses casos de racismo, queremos mesmo é um mundo em que não haja espaço para uma emissora que faz piada estereotipada do nosso povo, e que se enfileira junto com aqueles que sempre nos quiseram longe daqui.

Stencil-mulheres

Não nos contentaremos com a pouca representatividade, porque o que nos devem é muito mais que isso. Nós queremos é o poder, queremos aquilo que é nosso, exigimos de volta tudo o que nos tiram sistematicamente.

É importante falar de poder porque é só com a tomada de poder que nos livraremos das estatísticas de morte de nossas mulheres por abortos inseguros, de morte da nossa juventude, dos índices de desemprego e baixa escolaridade.

E poder só se disputa organizado.

Tomados pela dureza de nossa vida, mas também pela certeza de que é nosso papel essa tal transformação.

1912278_717022038363353_4864709941818003298_n

É tempo de semear a nossa luta, de compreender o tamanho de nossos inimigos e identificar os nossos aliados. Certamente, aqueles que estão comprometidos com a vida do nosso povo entenderão que não se trata de um discurso de emoção, mas sim, da maior característica do capitalismo brasileiro: seu racismo estrutural, e que sendo assim, não há forma de combater esse modelo de exploração sem o combate visceral ao racismo brasileiro.

E é nessa perspectiva que reafirmo: Sou mulher negra, não luto em vão, contra o racismo e pela REVOLUÇÃO.

Este Blog não é um espaço tradicional de “grande mídia”, tampouco este editor é alguém “com voz de alto alcance público”, ainda assim fiz questão de aderir à belíssima iniciativa da campanha #AgoraÉQueSãoElas, afinal, se a vida está ficando cada vez mais difícil para as mulheres devido os riscos de retrocessos e retirada de direitos adquiridos, é sempre bom lembrar que o sobrepeso recairá nas costas das mulheres negras, pra variar. Pois essa semana, e sempre, esse espaço é delas. Das pretas.

Douglas Belchior

+ sobre o tema

Teoria que não se diz teoria

A separação entre teoria e prática é um histórico...

Quilombola capixaba lança primeiro clube de leitura antirracista do Brasil

Com entrega mensal de livros a associados, Pretaria BlackBooks...

‘Perdemos cada vez mais meninas e jovens’, diz pesquisadora

Jackeline Romio participou da Nairóbi Summit e aponta os...

Sou mulher. Suburbana. Mas ainda tô na vantagem: sou branca

Ontem ouvi algo que me cativou a escrever sobre...

para lembrar

27 ideias de tatuagens feministas

Que tal eternizar na pele seus ideais de luta...

O motivo pelo qual Viola Davis tem apenas uma foto de sua infância guardada

Viola Davis é a vencedora o Oscar de Melhor...

Vereadores de SP aprovam lei que permite presença de doulas em hospitais e maternidades da cidade

Vereadores de São Paulo aprovaram na última quarta-feira (7)...

Ato na USP cobra ação de diretor sobre ‘ranking sexual’ em Piracicaba

Grupo se reuniu em frente à diretoria da universidade...
spot_imgspot_img

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...

“O Itamaraty me deu uma bofetada”, diz embaixadora Isabel Heyvaert

Com 47 anos dedicados à carreira diplomática, a embaixadora Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert não esconde a frustração. Ministra de segunda classe, ela se...
-+=