Nós queremos é falar sobre poder!

“No momento em que o excluído assume a própria fala e se põe como sujeito, a reação de quem ouve só pode se dar nos níveis acima caracterizados. O modo mais sutilmente paternalista é exatamente aquele que atribui o caráter de “discurso emocional” à verdade contundente da denúncia presente na fala do excluído. Para nós, é importante ressaltar que emoção, subjetividade e outras atribuições dadas ao nosso discurso não implicam numa renúncia à razão, mas, ao contrário, num modo de torná-la mais concreta, mais humana e menos abstrata e/ou metafísica. Trata-se, no nosso caso, de uma outra razão.” (Lélia Gonzalez, 1979)

Foto: Gabriel Brito/Correio da Cidadania

Por Beatriz Lourenço do Nascimento Do Negro Belchior

#AgoraÉQueSãoElas

Começo citando Lélia não apenas pela homenagem, mas porque entendo que nesse pequeno trecho de sua obra, ela fortalece – mais uma vez – a importância de ocupar esse espaço, ou melhor, de ocupar todos os espaços. O quanto é importante falar, escancarar, tomar voz. Não me lanço à loucura de dizer aqui que só negros devem falar sobre racismo, porque eu não acredito nisso. Mas reforço a importância de tomarmos o protagonismo da nossa história, para dessa forma transformá-la.

Nós queremos é o poder, queremos aquilo que é nosso, exigimos de volta tudo o que nos tiram sistematicamente.

E já que em tempos como esse em que vivemos é tão importante demarcar, aproveito para dizer que não acredito em nenhuma outra possibilidade para nós, o povo negro, que não a transformação radical da sociedade. Reconheço os avanços que conquistamos, mas tenho certo que a nossa disputa deve ser pelo poder, por tomarmos o rumo de nosso futuro pelas nossas mãos. Não nos contentaremos com uma campanha global “somos todos alguma coisa”, e embora saibamos a importância de denunciar esses casos de racismo, queremos mesmo é um mundo em que não haja espaço para uma emissora que faz piada estereotipada do nosso povo, e que se enfileira junto com aqueles que sempre nos quiseram longe daqui.

Stencil-mulheres

Não nos contentaremos com a pouca representatividade, porque o que nos devem é muito mais que isso. Nós queremos é o poder, queremos aquilo que é nosso, exigimos de volta tudo o que nos tiram sistematicamente.

É importante falar de poder porque é só com a tomada de poder que nos livraremos das estatísticas de morte de nossas mulheres por abortos inseguros, de morte da nossa juventude, dos índices de desemprego e baixa escolaridade.

E poder só se disputa organizado.

Tomados pela dureza de nossa vida, mas também pela certeza de que é nosso papel essa tal transformação.

1912278_717022038363353_4864709941818003298_n

É tempo de semear a nossa luta, de compreender o tamanho de nossos inimigos e identificar os nossos aliados. Certamente, aqueles que estão comprometidos com a vida do nosso povo entenderão que não se trata de um discurso de emoção, mas sim, da maior característica do capitalismo brasileiro: seu racismo estrutural, e que sendo assim, não há forma de combater esse modelo de exploração sem o combate visceral ao racismo brasileiro.

E é nessa perspectiva que reafirmo: Sou mulher negra, não luto em vão, contra o racismo e pela REVOLUÇÃO.

Este Blog não é um espaço tradicional de “grande mídia”, tampouco este editor é alguém “com voz de alto alcance público”, ainda assim fiz questão de aderir à belíssima iniciativa da campanha #AgoraÉQueSãoElas, afinal, se a vida está ficando cada vez mais difícil para as mulheres devido os riscos de retrocessos e retirada de direitos adquiridos, é sempre bom lembrar que o sobrepeso recairá nas costas das mulheres negras, pra variar. Pois essa semana, e sempre, esse espaço é delas. Das pretas.

Douglas Belchior

+ sobre o tema

Deputadas federais e senadoras relatam casos de assédio sexual

Inspirada pela campanha #PrimeiroAssédio, Marie Claire convidou congressistas e...

Judith Butler é agredida ao embarcar no aeroporto de Congonhas

Agressora também proferiu insultos racistas contra a atriz e...

13 anos como doméstica, 4 sem receber. A escravidão no quarto de empregada

A atriz Cyda Baú, bisneta de escravos, saiu de...

para lembrar

Dois terços das mulheres assassinadas com armas de fogo são negras

São negras 68,3% das mulheres assassinadas com armas de...

Direitos da mulher: A resistência no combate às trevas deve ser feita nos Estados

A cidadania das brasileiras ainda é frágil, sobretudo quanto...

Filme de Nigel Cole relembra protesto de mulheres por igualdade

Um filme que relembra como um grupo de operárias...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=