Wilson usa jazz para quebrar regras

Por: THIAGO NEY

Cantora norte-americana de jazz está em São Paulo para se apresentar em um show para convidados

Um disco com músicas focadas em arranjos de guitarra. Assim deve soar o próximo álbum da norte-americana Cassandra Wilson, previsto para sair até a metade deste ano.

Talvez a mais versátil intérprete jazzista de sua geração, Wilson, 54 anos, está em São Paulo para fazer um único show (apenas para convidados), hoje à noite, em uma festa de comemoração dos dez anos do jornal “Valor Econômico”.

A apresentação paulistana é uma pitada de como será o disco da cantora. “Eu reuni um bom grupo de músicos que já haviam tocado comigo, principalmente na época de “New Moon Daughter” [disco de 1995]”, contou ela à Folha.

São dois guitarristas, baixista, baterista e gaitista. “Ainda não sei direito que canções vou apresentar, mas serão faixas baseadas em guitarra.”
Sobre o álbum futuro, ela não adianta muito: “Ainda não está totalmente pronto, estou finalizando algumas canções, então prefiro não falar sobre como ele será. Mas está com um clima de disco ao vivo”.
Nascida em Jackson, no Estado do Mississippi, ela desliza sua voz do jazz tradicional ao blues, passando pelo pop. No ano passado, lançou a compilação “Closer to You”, em que reinterpreta músicas como “Love Is Blindness” (U2), “Lay Lady Lay” (Bob Dylan) e “Time After Time” (Cyndi Lauper).

É algo que gostaria de repetir no futuro? “Sim, adoro pinçar canções pop e dar a elas um tratamento um pouco diferente.”

Quebrar regras
Sempre classificada como “cantora de jazz”, Cassandra Wilson defende que a paisagem desenhada por sua música é mais ampla: “Gosto de dizer que o jazz é minha disciplina. O jazz é um meio de enxergar a música. Essa disciplina pode ser uma ferramenta para criar uma variedade de performance e uma variedade de gêneros.”
Nessa linha de raciocínio encaixam-se álbuns como “Thunderbird” (2006) e “Blue Light ‘til Dawn” (1993).

“Os grandes mestres do jazz sempre quebraram regras. Sempre tiveram novas visões sobre música. É importante estudar a história da música, entender a linguagem, o repertório do jazz tradicional. Mas é importante também estender esses limites, tentar levar ao futuro. O jazz não é estático, é dinâmico, está se desenvolvendo, cheio de vida.”

 

 

Fonte: Folha de S.Paulo

+ sobre o tema

Prefeitura de São José dos Campos retira obra sobre mulheres cientistas das escolas

A prefeitura de São José dos Campos (SP) recolheu...

A direita parlamentar parece ter perdido sua bússola moral

Com o objetivo de adular a extrema direita e...

Saiba quem são os deputados que propuseram o PL da Gravidez Infantil  

A Câmara dos Deputados aprovou, nesta quarta-feira (12), a...

para lembrar

Cotas, Prá que ti quero? A Política Social de Cotas Raciais

José Ricardo d'Almeida A polêmica das cotas raciais está...

Republicanos querem demissão de líder democrata por “comentário racista” contra Obama

O Partido republicano reclama a demissão do senador democrata...

Aliança dá a Dilma tempo na TV 48% maior que o de Serra

Por: RANIER BRAGON, MARIA CLARA CABRAL   Se confirmadas...

PSDB delegam acordos regionais a “soldados” locais

Numa tentativa de evitar erros estratégicos das duas últimas...

Com PL do aborto, instituições temem mais casos de gravidez em meninas

Entre 1º de janeiro e 13 de maio deste ano, foram feitas 7.887 denúncias de estupro de vulnerável ao serviço Disque Direitos Humanos (Disque...

‘Criança não é mãe’: manifestantes em todo o Brasil protestam contra PL da Gravidez Infantil

Diversas cidades do país receberam na noite desta quinta-feira (13) atos de movimentos feministas contra o projeto de lei que equipara aborto a homicídio,...

É sórdido condenar vítima de estupro por aborto

É sórdido e apequena a política o Projeto de Lei que ameaça condenar por homicídio meninas, jovens e mulheres que interromperem gestações, ainda que...
-+=