25 de julho: Bamidelê completa 10 de fundação e celebra o Dia da Mulher Negra

Hoje 25 de julho, a Bamidelê – Organização de Mulheres Negras na Paraíba, completa 10 anos de existência, e para celebrar a data, vai promover na quarta-feira (27), o seminário “Luta antiracista e antisexista na Paraíba –realizações, avanços e perspectivas”, que contará com a participação de Solange Rocha, coordenadora executiva da Bamidelê e da ativista negra, Jurema Werneck, do grupo Criola, do Rio de Janeiro e da Articulação Nacional de Mulheres Negras.

A atividade será realizada a partir das 13h30, no Solar do Conselheiro, na rua Duque de Caxias, Centro e segue até a noite com apresentações culturais das Cirandeiras de Caiana dos Criolos, Coral Voz Ativa e grupo de samba Batuque de Saia. O 25 de julho é uma data histórica para as mulheres negras. Foi nesta data, em 1992, durante o I Encontro de Mulheres Afro-Latino Americana e do Caribe, na cidade de Santo Domingo, na República Dominicana que foi instituído o 25 de julho como o Dia da Mulher Negra Latino Americana e Caribenha. Em 2009, o Senado Brasileiro aprovou o projeto de Lei 23/09, estabelecendo o dia 25 de julho como o Dia de Teresa de Benguela – em homenagem a esta líder quilombola brasileira, e da Mulher Negra no Brasil. As comemorações da Bamidelê ao 25 de julho terão início com a exposição “Visões Negras – simbologias, histórias e trajetórias”, que conta toda a história das mulheres negras, no Brasil e no mundo, e das ações realizadas pela Bamidelê na Paraíba. A exposição será aberta pela atual diretora da Bamidelê, Efu Nyaki, e ficará no Casarão 34, na praça Dom Adauto, para visitas de quarta (27) a sexta (29) de julho, no horário das 14h às 17h.

Nestes 10 anos, a Bamidelê – Organização de Mulheres Negras na Paraíba tem atuado em campos importantes para a formulação e consolidação de políticas públicas para a população negra, em especial, para as mulheres. Saúde, educação, sexualidade, política de cotas nas universidades e o combate ao racismo e ao sexismo tem sido bandeiras de luta constantes da Bamidelê para a construção de uma sociedade igualitária e justa para todas/os. Em Caiana dos Criolos, comunidade composta por cerca de 150 famílias, remanescentes de quilombolas, no município de Alagoa Grande (PB), a Bamidelê contribuiu para fortalecimento e organização das mulheres negras do local, que fundaram a Organização de Mulheres Negras de Caiana dos Criolos. SERVIÇO:

O QUE? CELEBRAÇÃO DO ANIVERSÁRIO DA BAMIDELÊ – ORGANIZAÇÃO DE MULHERES NEGRAS NA PARAÍBA E DO DIA DA MULHER NEGRA LATINO AMERICANA E DO CARIBE

QUANDO? 27 A 29 DE JULHO

ONDE? SOLAR DO CONSELHEIRO – DUQUE DE CAXIAS, CENTRO E CASARÃO 34, PRAÇA DOM ADAUTO.

CONTATOS PARA ENTREVISTA: TERLÚCIA SILVA – 8817-2648/ ALESSANDRA ALENCAR – 8878-2100/ LUANA NATIELE – 8630-7337

FONTE: APIPB

+ sobre o tema

Como resguardar as meninas da violência sexual dentro de casa?

Familiares que deveriam cuidar da integridade física e moral...

Bruna da Silva Valim é primeira negra a representar SC no Miss Universo Brasil

Bruna da Silva Valim, candidata de Otacílio Costa, foi...

A Mulher Negra Guerreira está morta…

Há poucas horas, enquanto lutava com a realidade de...

Elizandra Souza celebra 20 anos de carreira em livro bilíngue que conta a própria trajetória

Comemorando os 20 anos de carreira, a escritora Elizandra...

para lembrar

Dona Zica Assis responde ao artigo: “Respeite nosso cabelo crespo”

Carta de Zica Assis - Beleza Natural   Oi Ana Carolina, Meu...

Descolonizar a língua e radicalizar a margem

Uma resenha sobre “Um Exu em Nova York” de...

Rita Bosaho é a primeira mulher negra eleita deputada em Espanha

O resultado das recentes eleições é histórico também porque...

Evento gratuito voltado à literatura afro-brasileira é realizado em Porto Alegre

12ª Festipoa Literária começa nesta segunda-feira (29) e segue...
spot_imgspot_img

“Dispositivo de Racialidade”: O trabalho imensurável de Sueli Carneiro

Sueli Carneiro é um nome que deveria dispensar apresentações. Filósofa e ativista do movimento negro — tendo cofundado o Geledés – Instituto da Mulher Negra,...

Comida mofada e banana de presente: diretora de escola denuncia caso de racismo após colegas pedirem saída dela sem justificativa em MG

Gladys Roberta Silva Evangelista alega ter sido vítima de racismo na escola municipal onde atua como diretora, em Uberaba. Segundo a servidora, ela está...

Uma mulher negra pode desistir?

Quando recebi o convite para escrever esta coluna em alusão ao Dia Internacional da Mulher, me veio à mente a série de reportagens "Eu Desisto",...
-+=