40% das vítimas de violência contra a mulher são evangélicas

Os dados de violência contra a mulher são alarmantes, e o principal problema é a omissão dos líderes e pastores.

no Blasting News

Uma bomba foi divulgada essa semana pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Segundo uma pesquisa realizada pela Universidade de São Paulo, 40% das mulheres que declararam ter sofrido #Violência física ou verbal de maridos foram de evangélicas.

O assunto foi parar na televisão e debatido no programa da Rede Super,esta semana. Foram convidados o advogado Antônio Cintra Schimdt e o pastor Renato Matildes. Os dados da pesquisa foram colhidos por relatos a Organizações Não-Governamentais (ONGs), que ajudam mulheres vítimas de agressões.

“Não esperávamos encontrar, na pesquisa, 40% das atendidas se declarando evangélicas”, diz parte do documento divulgado pela Rede Super.

A grande supressa está no contexto das agressões, muitas vítimas se sentem coagidas por seus líderes espirituais e pastores, por isso não denunciam seus maridos.

“A oração combate à violência do agressor. Os maridos são fracos e não entendem a ‘investida do demônio’, denunciar o marido leva a #Mulher a se sentir culpada, a achar que está traindo a Deus a igreja e aos pastores”, diz o documento da Universidade.

“Os números são extremamente preocupantes, muitos líderes mandam as mulheres voltarem para casa e eles vão continuar orando para Deus fazer a obra na vida do marido” diz o Pastor Renato.

Segundo o advogado Matildes, os pastores são importantes nos casos de violência contra a mulher e devem orientar e estimular a denúncia, mas, infelizmente, é mais fácil mandar embora e dizer que vai orar e Deus vai agir.

O pastor disse que a ação do Espirito Santos é valiosa para resolver os problemas, mas, às vezes, é necessário tomar providências para garantir a segurança da mulher agredida.

“É um escândalo para a igreja dados tão alarmantes como esses”, disse um convidado do programa.

No Brasil, a lei Maria da Penha visa garantir a segurança das mulheres e punir os agressores. A lei fala sobre muitos tipos de violência: Psicológica, sexual, patrimonial e física.

A ONU considera a lei Maria da Penha uma das leis mais importantes de proteção às mulheres do mundo.

+ sobre o tema

Eles não estão doentes, e nós não estamos loucas

Ontem, uma menina foi estuprada por 30 homens no...

Bolsonaro vira réu por falar que Maria do Rosário não merece ser estuprada

Deputado disse que ela é 'feia'; ele responderá por...

Nota de repúdio: Basta de violencia contra a mulher

Nós do Centro de Defesa e Convivência da Mulher...

Tribunal de Justiça de SP lança programa para homens envolvidos em violência doméstica

Reflexivo e educativo, grupo pretende fazer com que homens...

para lembrar

Na época do Brasil colonial, lei permitia que marido assassinasse a própria mulher

Jorge Amado abre o clássico Gabriela, Cravo e Canela...

Congresso cria órgão para combater violência contra as mulheres

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), protocolou nesta...

Cesárea forçada no Rio Grande do Sul gera discussão sobre direito das mulheres

Grupos denunciaram caso na Comissão de Direitos Humanos e...
spot_imgspot_img

Projeto permite que mulheres chequem antecedentes criminais de parceiros

Um projeto de lei que tramita na Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF) quer permitir que mulheres tenham acesso aos antecedentes criminais de seus parceiros. O texto,...

‘Não’ é ‘Não’, inclusive na igreja

No dia 29 de dezembro, o presidente Lula sancionou a lei do protocolo "Não é Não" (lei 14.786/2023), que combate violência e assédio sexual contra mulheres...

Lula sanciona lei que protege mulheres de violência em bares e shows

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva sancionou a lei que cria o protocolo Não é Não, mecanismo de combate ao constrangimento e à...
-+=