5 razões para acompanhar Leci Brandão de perto

A cantora completa neste mês 40 anos de carreira. Se com suas músicas Leci arrasta multidões, com a sua política, a também deputada estadual, trilha caminhos inexplorados na Assembleia Legislativa estado de São Paulo também dignos de aplausos

Por Juliana Gonçalves Do Ceert

Abaixo 5 razões que mostram por que a deputada Leci Brandão está fazendo a diferença na “Casa do Povo”.

Quilombo da diversidade

É dessa maneira que o gabinete da deputada é conhecido na Assembleia Legislativa. Leci explica: “Isso surgiu nesse segundo mandato porque recebemos aqui pessoas diversas que trazem suas reivindicações e ideias, observando isso, conclui que legitimamente somos um quilombo da diversidade dentro dessa Casa. O gabinete busca soluções, embora seja legislativo, tem determinação e consciência que podemos apresentar boas alternativas aos problemas que chegam até nós”.

“A gente pode”

 

A deputada é a única mulher negra entre 94 parlamentares atuais. Esse fato ganha ainda mais peso em momentos como os de hoje, onde há muito retrocesso e forte onda reacionária. “O legado que quero deixar da minha passagem pela Assembleia é justamente o “a gente pode”, a gente tem que ter esperança que outras mulheres negras poderão também ocupar esse espaço”.

Fim da violência obstétrica e promoção do parto humanizado

Neste ano, dois projetos foram apresentados pela deputada que fortalecem esforços pelo fim da violência obstétrica – que atingem mais severamente negras e pobres – e promoção do parto humanizado. Os dois foram aprovados na Comissão de Constituição e Justiça e agora estão na Comissão de Saúde. O PL  436 / 2015 dispõe sobre a obrigatoriedade de universalização da aplicação das normas de saúde atinentes ao parto e nascimento no Estado de São Paulo e determina que o descumprimento dessas leis seja passível de sanções. O PL 437/2015 institui o Pacto Estadual Social para Humanização da Assistência ao Parto e Nascimento em todos os estabelecimentos de saúde do Estado de São Paulo. Em 2013, foi apresentado o PL 250/2013, que dispõe que maternidades, casas de parto e estabelecimentos hospitalares congêneres, da rede pública e privada do Estado de São Paulo ficam obrigados a permitir a presença de doulas durante todo o período de trabalho de parto, parto e pós-parto imediato, sempre que solicitadas pela parturiente. Esse projeto já passou em todas as comissões da Casa e está na ordem do dia para ser votado.

Porta aberta e ouvidos atentos

 

Os projetos sobre parto humanizado, combate a violência obstétrica e a presença de doulas, surgiram por meio de demandas da sociedade civil. “As questões relacionadas aos direitos reprodutivos e à saúde da mulher são lutas do movimento de mulheres e apoiamos imediatamente”, contou Leci. O projeto o trabalho das doulas chegou através de um contato via redes sociais.

Umbanda, funk e hip hop

A maioria das demandas levadas à Assembleia pelo gabinete de Leci são desconhecidas para a maioria dos outros deputados. A proposta de criação do Dia da Umbanda, que surge como ação afirmativa em um contexto de combate à intolerância religiosa, foi recebida com estranheza e está parado. O mesmo ocorreu com o Dia do Funk e a proposta de oficializar a Semana do Hip Hop. “O universo popular, negro e periférico é bem distante da maioria dos parlamentas. Temos que sensibilizar os parlamentares para entender que o povo da quebrada também tem seus direitos e que nós também representamos essas pessoas

Em tempo: Leci canta em defesa das minorias, do povo negro, das mulheres e dos trabalhadores. Nos últimos anos, todos os discos de Leci contêm ao menos uma faixa falando sobre a cultura afro-brasileira de forma direta, transparente e apaixonada. A cantora comemora neste mês seus 40 anos de carreira artística e seus 71 anos de idade. Ubuntu, rainha!

+ sobre o tema

Senado vota projeto que estende Lei Maria da Penha a namorados

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado...

Mecânica para mulheres: Detran oferece curso gratuito

Estão abertas as inscrições para o Curso de Mecânica...

Rio tem em 2022 maior número de feminicídios em seis anos

O estado do Rio de Janeiro registrou 110 feminicídios...

Julho das Pretas 2022. Qual projeto de nação das mulheres negras?

Estamos em julho, conhecido pela militância política como Julho...

para lembrar

Mulher dirige ônibus e caminhão, sim senhor!

A escritora Cidinha da Silva comenta a portaria que garante...

Mulheres ganharão tanto quanto homens, mas só daqui a 136 anos

Levantamento mostra disparidade salarial entre gêneros nos EUA No O...

10 frases que parecem inofensivas, mas são muito gordofóbicas

Às vezes, na maior das boas intenções, as pessoas...
spot_imgspot_img

Casa Sueli Carneiro abre as portas ao público e apresenta o III Festival Casa Sueli Carneiro, pela primeira vez em formato presencial

RETIRE SEU INGRESSO A Casa Sueli Carneiro, fundada em dezembro de 2020 e atuando em formato on-line desde abril de 2021, é uma entidade criada...

Aborto legal: falhas na rede de apoio penalizam meninas e mulheres

As desigualdades sociais no Brasil podem explicar a razão para que meninas e mulheres busquem apoio para o aborto legal também após 22 semanas...

Referência do feminismo negro, Patricia Hill Collins vem ao Brasil para conferência, curso e lançamento de livro

Referência do feminismo negro, a socióloga estadunidense Patricia Hill Collins participa, nesta quarta-feira (19), de um evento em Salvador, na Universidade do Estado da Bahia (Uneb)....
-+=