Livro que aborda carreira e pioneirismo da atriz Ruth de Souza será lançado no Rio

Livro aborda a trajetória e as memórias da atriz Ruth de Souza, cujas conquistas abriram as portas para muitos artistas negros no cenário artístico nacional

Do Sopa Cultural

Com mais de 70 anos de carreira, Ruth de Souza é um dos ícones da dramaturgia nacional. Mais do que isso: a trajetória marcante da atriz abriu portas para os artistas negros no cenário artístico brasileiro. E um pouco dessa história pode ser conferida no livro Uma Estrela Negra no Teatro Brasileiro: Relações Raciais e de Gênero nas Memórias de Ruth de Souza, de autoria de Julio Claudio da Silva, Doutor em História Social e professor adjunto da Universidade do Estado do Amazonas. A obra, publicada pela UEA Edições, será lançada na Livraria Cultura – Cine Vitória, no Rio de Janeiro, no dia 25 de setembro.

Hoje com 94 anos, a carioca Ruth Pinto de Souza iniciou a carreira nos palcos. E foi na Cia Experimental do Negro que transformou o sonho de menina de ser atriz em realidade. Em 1945 foi a primeira atriz negra a se apresentar no palco nobre do Theatro Municipal do Rio de janeiro, com o espetáculo O Imperador Jones. Depois ganhou uma bolsa e passou um ano estudando e se aprimorando na Universidade de Harvard  e na Academia Nacional de Teatro Americano, nos Estados Unidos. Daí para a frente, não parou mais: foram mais de 40 novelas, 33 filmes e dezenas de peças. Foi a primeira protagonista negra da Tv Brasileira, em A Cabana do Pai Tomás (1969). Também foi a primeira brasileira a concorrer ao Leão de Ouro, no Festival de Veneza, por sua atuação no filme Sinhá Moça (1953).

capa

Foi justamente esse pioneirismo, no aspecto da luta contra o racismo, que chamou a atenção do professor Julio Cláudio, que fez deste aspecto da trajetória de Ruth de Souza, o ponto principal de sua tese de doutorado.  “Dentro do propósito das universidades, de identificar a contribuição do negro na formação cultural do Brasil, e dentro do contexto da cultura do racismo , o livro enfoca esse teatro que surgiu para denunciar o racismo e abrir espaço para o artista negro. E Ruth de Souza tem importância ímpar nessa história”, conta o professor.

O livro não é uma biografia. Mantém o foco entre os anos de 1945 a 1952, período em que a atriz ingressa no Teatro Experimental do Negro até seu retorno dos EUA. Em sua primeira parte, a obra aborda a memória pública Ruth de Souza, analisando entrevistas que a atriz concedeu , inclusive para o MIS (Museu da Imagem e do Som) e para a produção da biografia Ruth de Souza: A Estrela Negra . Em sua segunda parte, aborda o acervo que a própria Ruth de Souza colecionou ao longo da carreira. São recortes com reportagens, críticas ao grupo em que atuou, matérias a respeito das produções  das quais participou, prêmios, etc. “É um registro dessa memória de uma pessoa púbica do ponto de vista do cenário cultural e também evidencia a forma com a qual a própria  Ruth foi construindo a sua memória, o que chamamos a ‘construção de si’”, diz Julio Claudio.

Julio-Claudio-2

O autor de Uma Estrela Negra no Teatro Brasileiro: Relações Raciais e de Gênero nas Memórias de Ruth de Souz destaca ainda que, além do mérito profissional nas conquistas de Ruth de Souza, não há como dissociar toda a história da artista das questões raciais e de gênero: uma grande atriz negra e mulher.  Componentes que tornam ainda mais especial a trajetória dessa grande dama da dramaturgia nacional.

+ sobre o tema

Como enfrentar o sangue dos dias

Conectar as periferias que reivindicam o lugar de centro...

Brasileira que foi empregada quando criança lidera empresa social em Londres

Mariana Schreiber O trabalho de Rosa Gonçalves como empregada doméstica...

VIDA DE REI

Pelé vai lançar um livro contando sua história, em...

para lembrar

Beatriz Nascimento, atlântica

Sem perder a atualidade, a poetisa e intelectual continua...

‘Sou uma matriz. E isso não é ruim’, diz Djavan, que lança disco

'Rua dos amores' é primeiro CD de inéditas do...

A primeira juíza mulher da NBA e sua história de resistência

“Eu sabia que todo mundo estava esperando que eu...

Pela primeira vez Boeing 737 é pilotado apenas por mulheres

A história da aviação ganhou um novo capítulo na...
spot_imgspot_img

Ela me largou

Dia de feira. Feita a pesquisa simbólica de preços, compraria nas bancas costumeiras. Escolhi as raríssimas que tinham mulheres negras trabalhando, depois as de...

“Dispositivo de Racialidade”: O trabalho imensurável de Sueli Carneiro

Sueli Carneiro é um nome que deveria dispensar apresentações. Filósofa e ativista do movimento negro — tendo cofundado o Geledés – Instituto da Mulher Negra,...

Regina King faz desabafo sobre morte do filho: “A ausência física é tão grande”

Regina King tem lidado com as coisas “minuto a minuto” após a morte de seu filho. A atriz de 53 anos perdeu Ian Alexander Jr., de...
-+=