8 de março – Dia Internacional da Mulher. Lésbicas e bissexuais celebram a data, porém denunciam a lesbofobia brasileira

Durante anos, mulheres de todo mundo lutaram por direitos fundamentais, que foram conquistados a duras penas, por mulheres que ousaram a se rebelar contra o machismo e o patriarcalismo de outrora, que teima, constante e sorrateiramente, retornar para a atualidade. No caso de mulheres homoafetivas, a situação é ainda pior. A homossexualidade ainda é um entrave no cotidiano do país, pouco aceita e respeitada por grande parte da população. 

Segundo a pesquisa A Mulher Brasileira nos Espaços Público e Privado, da Fundação Perseu Abramo (2001), a cada 15 segundos, uma mulher é espancada. Em quase todos os casos de violência, mais da metade das mulheres não pede ajuda, somente em casos considerados mais graves como ameaças com armas de fogo e espancamento com marcas, cortes ou fraturas.

“Lamentavelmente ainda vivemos em uma sociedade machista e patriarcal onde são negados diariamente direitos e garantias básicas às mulheres. Se tratando em mulheres homoafetivas esse quadro de injustiça se agrava em decorrência da homofobia, pois no Brasil há uma ausência de leis específicas que reconheçam os seus direitos, e ou, que criminalizem praticas homofóbicas, configurando, assim, um cenário de incertezas jurídicas e sociais”, explica Yone Lindgren, coordenadora geral d a Movimento D’ELLAS – instituição baseada no Rio de Janeiro e voltada para a promoção de ações e projetos destinados a garantir a cidadania e o respeitos e lésbicas e mulheres bissexuais.

Lesbofobia. O que é isso?

Essa expressão é uma extensão do termo homofobia com especificidade para as mulheres lésbicas. O preconceito contra lésbicas é como se fosse uma junção de machismo com homofobia; e se a discriminada for negra, ainda lhe é somado o racismo. Pensando nisso, o Movimento D’ELLAS criou a campanha “Tem Mulheres na Parada!!! – Pela Abolição da Violência Contra as Mulheres Homoafetivas”.

“A iniciativa surgiu em 2004 no Rio de Janeiro pela efetiva consciência da invisibilidade especifica das mulheres homoafetivas nas Paradas “GUEIS” e se fortalece para existir durante o ano todo por conta de violências outras e cotidianas. Tendo seu inicio oficial em 24 de fevereiro – Dia da conquista do voto feminino no Brasil – e findando em 10 de dezembro – Dia Internacional dos Direitos Humanos”, explica a também vice-presidente lésbica da ABGLT, Yone Lindgren.

A campanha “Tem Mulheres na Parada!!!” visa à erradicação da violência contra as mulheres homoafetivas em todo território nacional tendo como forma de atuação o “Pacto Nacional pelo Enfrentamento à Violência Contra a Mulher”. Além disso, visa formar novas agentes multiplicadoras da Lei 11.340 – Lei Maria da Penha, que ainda é desconhecida entre a maioria das mulheres homoafetivas, devido à heteronormatividade que ainda se instaura na sociedade.

Fonte: Universidade Livre Feminista

+ sobre o tema

Presa na ditadura foi mais torturada por ser homossexual

Ex-escriturária passou oito anos sem sair de casa e...

Tradução do conto “Você na América”, de Chimamanda Ngozi Adichie

O blog traz abaixo a tradução do conto “Você...

Semana da Visibilidade Trans apresenta alerta à saúde LGBT

Semana da Visibilidade Trans apresenta alerta à saúde LGBT. A...

para lembrar

Brasil tem mais de mil serviços especializados em atendimento à mulher

Rede de atendimento funciona em todo o País e...

9 coisas que você faz que perpetuam a cultura do estupro

Não adianta falarmos só do estupro, crime, tipificado no...

O que conta o livro infantil censurado na Turquia por ser considerado ‘obsceno’

'Histórias de Ninar para Garotas Rebeldes' narra trajetória de...
spot_imgspot_img

IBGE: mulheres assalariadas recebem 17% menos que os homens

Dados divulgados nesta quinta-feira (20/06) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revelam que a disparidade salarial entre os gêneros no Brasil se mantém em...

Casa Sueli Carneiro abre as portas ao público e apresenta o III Festival Casa Sueli Carneiro, pela primeira vez em formato presencial

RETIRE SEU INGRESSO A Casa Sueli Carneiro, fundada em dezembro de 2020 e atuando em formato on-line desde abril de 2021, é uma entidade criada...

Aborto legal: falhas na rede de apoio penalizam meninas e mulheres

As desigualdades sociais no Brasil podem explicar a razão para que meninas e mulheres busquem apoio para o aborto legal também após 22 semanas...
-+=