À espera da extinção da escravidão

Brasil ocupa a 11ª posição global em número de pessoas em estado de escravidão contemporânea

Dia 13 de maio de 2024 completam-se 136 anos da assinatura da Lei 3.353/1888 pela então princesa imperial regente. Para além do abandono dos negros à própria sorte, desde que a Lei Áurea declarou “extincta a escravidão no Brazil”, dificuldades de todo o tipo foram criadas para que os ex-escravizados e seus descendentes se integrassem à sociedade.

O Brasil ocupa a 11ª posição global em número de pessoas em estado de ‘escravidão’ contemporânea num ranking de 160 nações (Índice de Escravidão Global 2023). O número estimado de seres em situação de escravização contemporânea é superior a um milhão de humanos no último país das Américas a “extinguir” legalmente a escravidão.

Grupo de resgatados do trabalho análogo à escravidão em vinícola em Bento Gonçalves (RS) – Karen Lima – 4.jun.23/Folhapress

Caso alguém tenha dúvida sobre o perfil do escravizado contemporâneo no Brasil, trata-se, majoritariamente, de homens negros e analfabetos funcionais. A maioria das mulheres resgatadas nessas condições também é negra.

Ano passado, o Ministério do Trabalho e Emprego resgatou 3.238 pessoas em condições análogas à escravidão em 650 estabelecimentos rurais e urbanos. Isso dá uma média de cinco “escravizados modernos” por estabelecimento inspecionado.

Desde a criação dos grupos de fiscalização móvel do ministério, em 1995, mais de 63,4 mil trabalhadores foram encontrados em situação análoga à escravização. A lida no campo lidera em número de flagrantes de trabalho escravo.

Não por acaso, os cultivos de café e de cana-de açúcar, vejam só, são as atividades com maior número de trabalhadores libertados de condições análogas à escravidão por estas terras. A lista de resgates é encabeçada por ações nos estados de Goiás, Minas Gerais e São Paulo.

Em abril, na atualização semestral, a “Lista Suja” do governo federal bateu recorde de inclusão ao adicionar 248 novos nomes de empregadores (pessoas físicas e jurídicas) que submeteram trabalhadores a condições análogas à escravidão.

Infelizmente, o trabalho escravo ainda é uma realidade.

+ sobre o tema

Cacau Protássio, a Zezé de Avenida Brasil é vítima de racismo

Faz tempo que Avenida Brasil se tornou o paraíso...

Permita que eu escureça, não esclareça

Permita que eu fale, não as minhas cicatrizes Permita que...

13 de maio: 127 anos após o fim da escravidão, racismo divide a sociedade

Negros relatam seus dramas e mostram que o problema...

para lembrar

Sentença-relâmpago na Bahia absolve policiais por mortes do Cabula

Numa decisão com rapidez inusual para os padrões da...

Cagliari é multado por gritos de torcedores racistas contra Eto’o

ROMA - O Cagliari foi multado nesta terça-feira...

Jovens negros têm mais risco de morte violenta

Dados do Rio Grande do Sul seguem tendência nacional;...

Carlos Moore desconstrói senso comum sobre o racismo

Carlos Moore, um dos mais importantes intelectuais negros da...
spot_imgspot_img

Uma supernova

No dia em que minha irmã nasceu, a Nasa fotografou uma supernova no universo. Quando minha irmã nasceu, foi uma das maiores alegrias da minha...

Número de crianças e adolescentes mortos pela polícia cresce 58% sob governo Tarcísio, apontam dados da SSP

O número de crianças e adolescentes mortos pela polícia aumentou 58% entre 2022 e 2023 — primeiro ano do governo de Tarcísio de Freitas (Republicanos) —,...

A ‘inteligência artificial’ e o racismo

Usar o que se convencionou chamar de "inteligência artificial" (pois não é inteligente) para realizar tarefas diárias é cada vez mais comum. Existem ferramentas que, em...
-+=