sexta-feira, maio 27, 2022
InícioÁfrica e sua diásporaAfro-brasileiros e suas lutasA miséria em Alagoas e a gargalhada do poder econômico.

A miséria em Alagoas e a gargalhada do poder econômico.

Por: Arísia Barros

Os milhares de esfomeados que habitam os territórios da miséria alagoana têm pressa.

A pressa da dignidade roubada tornando-nos dessemelhantes e desiguais.

Alagoas pede mais do que piedade e filantropia. Exige a construção da cidadania a partir do livre trânsito dos direitos sociais. Equidade!

Educação não é uma chave única, entretanto abre porteiras de possibilidades, intrumentaliza pessoas para ir além. Educação cria consciências: eu quero e eu posso!

O conhecimento liberta!

Quanto custa a liberdade do povo na República dos Marechais?

O povo do estado nordestino grafado no mapa político do Brasil, pela invisibilidade de ações afirmativas e continuadas tem a pressa da cidadania, sem o forçado levantamento de bandeiras, por “vinte conto”.

Os milhares de miseráveis despolitizados das enchentes que experimentam um calor cotidiano e rotineiro de 55% graus centígrados, embaixo de barracas-moradias assistem a mais um novo programa para resolver a miséria secular alimentada pela desigualdade plantada desde a passagem dos colonizadores.

A alagoniedade tem a pressa de romper com a intolerância institucionalizada que produz o escravismo contemporâneo do sangue jorrado nas ruelas da favelização humana.

A miséria em Alagoas é como uma hemorragia intermitente que mais do que tampão, exige a intervenção de políticas públicas consistentes para acabar com o jogo do perde e ganha, sem o foco em 2012.

A indigência dos muitos pobres, descendentes de Palmares, carece bem mais do que a política midiática do faz-de-conta e cabe ao povo despertar abruptamente da cômoda letargia de que “está tudo bem”.

Enquanto isso o homem branco, com grande poder econômico e dono do território explode em fartas gargalhadas como demonstração da dominação colonialista.

O povo atado as grilhões da impossibilidade espera.

Apesar da pressa!

Até quando?

Como bem o disse o filósofo francês Joseph-Marie Maistre, em 1753:”Cada povo tem o governo que merece”.

 

Fonte: CadaMinuto

Artigos Relacionados
-+=