A “tia do cafezinho” e as invisibilidades diárias do povo negro

De acordo com o jurista Silvio Almeida, autor da obra “O que é Racismo Estrutural”geralmente quando pensamos o que é racismo imaginamos uma violência direta praticada contra uma pessoa negra, impedir que alguém em decorrência da sua cor entre em algum lugar ou seja seguida no shopping. No entanto o racismo se constitui uma normalidade racionalizada produzindo ações conscientes e inconscientes. O racismo está na superestrutura como parte da engrenagem do sistema capitalista influenciando diretamente todas as relações humanas e reproduzimos a todo momento um conjunto de padrões que nem conscientizamos se tratar de racismo como o uso dos termos “denegrir”, “lista negra”, “mulata”… O racismo produz uma série de comportamentos com vistas a retirar a humanidade de pessoas negras, (de forma consciente ou não) ao trata-las de maneiras coisificadas, sem identidade, sem um nome, “a tia do café” “o negão da fila, “aquele negão da borracharia” “que cabelo assim assado, posso pegar?” E seguindo privada de sua humanidade, a população negra se torna alvo fácil para as políticas genocidas e de encarceramento em massa; “quem é aquele que está sendo ali preso? ” É NINGUÉM!”

Segundo Lélia González, Antropóloga, Feminista, Brasileira, negros e negras tem que ter nome e sobrenome senão o racismo dá o nome que quiser. Se faz necessário perceber nas relações de empresa, por exemplo, que “a tia do cafezinho”, geralmente é uma mulher negra, tem um nome, um sobrenome, uma história e uma família. Que nas confraternizações, ela seja chamada para sair nas fotos. Que ela esteja desde já nos murais de aniversariantes da casa. Além do “bom dia”, pergunte a ela como tem passado e quais são os seus sonhos! Atitudes tais contribuem para práticas antiracistas que não é apenas uma hastag.


+ sobre o tema

Sueli Carneiro reforça na ONU ideia de Programa de Desenvolvimento Econômico e Social para afrodescendentes

Sueli Carneiro, coordenadora e fundadora de Geledés, participou virtualmente...

“Há ameaça contínua à população afrodescendente decorrente de um projeto de extermínio”

Representantes de Geledés-Instituto da Mulher Negra participaram entre a...

Mais de 5 mil municípios realizam eleições para conselhos tutelares neste domingo

Eleitores dos mais de 5,5 mil municípios brasileiros e...

para lembrar

Catálogo lançado na Flip questiona invisibilidade negra feminina

Obra reúne dados sobre produção intelectual de 181 mulheres....

Na quarentena refletindo sobre nossa invisibilidade feminina

Recentemente ouvi de um amigo intelectual, a frase: “escrever...

Você consegue ver humanidade em uma pessoa negra?

Não é de hoje; da conjuntura atual; tão pouco...

Mulheres em situação de rua vivenciam invisibilidade social

No estado de São Paulo, conforme a paisagem vai...
spot_imgspot_img

Mulheres em situação de rua vivenciam invisibilidade social

No estado de São Paulo, conforme a paisagem vai mudando, vão se alterando também os contornos da dinâmica em torno da população em situação...

Você consegue ver humanidade em uma pessoa negra?

Não é de hoje; da conjuntura atual; tão pouco da contemporaneidade que vivemos a gênesis da invisibilização dos corpos negros. Esta prática inicia-se no...

Na quarentena refletindo sobre nossa invisibilidade feminina

Recentemente ouvi de um amigo intelectual, a frase: “escrever na primeira pessoa não é para qualquer um”, isso referente a um texto que escrevi...
-+=