Ação de saúde e show cultural integram programação alusiva ao Dia da Mulher Negra e Caribenha

A Prefeitura de Macapá, em parceria com a Coordenação Nacional de Entidades Negras (Conem), promoverá programação alusiva ao Dia Internacional da Mulher Negra e Caribenha, comemorado em 25 de julho. A finalidade é fortalecer o trabalho das organizações de promoção da igualdade racial e de gênero. No período de 8 a 22 de agosto, acontecerá ação de saúde, show cultural de Marabaixo e a 1ª Marcha contra o Racismo, a Discriminação e a Intolerância Religiosa.

POR 

Segundo a coordenadora municipal de Políticas Públicas para as Mulheres, Celisa Melo, este dia é para ampliar parcerias com movimentos sociais, dar visibilidade à luta, às ações, promoção, valorização e debate sobre a identidade da mulher negra brasileira. “Teremos uma programação que termina com uma marcha que busca a quebra de correntes da intolerância e da desigualdade”.

Para a coordenadora nacional de Entidades Negras (Conen), Raimundinha Ramos, a marcha é mais uma garantia para que as mulheres possam se resguardar quanto à violência. “Temos que ter igualdade, tanto racial quanto de gênero. Queremos respeito contra a intolerância de religiões, pois somos mulheres. Essa marcha é um grito da mulher negra no país, contra tudo isso”.

A programação é aberta para toda comunidade, bem como aos movimentos sociais do município e região. A presidente do Instituto Municipal de Políticas Públicas de Igualdade Racial (Improir), Cirlene Maciel, afirma que sejam garantidos os direitos invioláveis da população negra e das comunidades, e ressalta que o evento inicia no dia 8 de agosto com ação de saúde, e termina com a 1ª Marcha contra o Racismo, a Discriminação e a Intolerância Religiosa, no dia 22 de agosto, com saída da Praça do Barão e chegada à União dos Negros do Amapá, quando o público será recebido com uma grande festa de Marabaixo.

Histórico

O Dia da Mulher Afro-Latino-Americana e Caribenha foi criado em 25 de julho de 1992, durante o I Encontro de Mulheres Afro-Latino-Americanas e Afro-caribenhas, em Santo Domingos, República Dominicana. Estipulou-se que este dia seria o marco internacional da luta e da resistência da mulher negra. Desde então, sociedade civil e governo têm atuado para consolidar e dar visibilidade a esta data, tendo em conta a condição de opressão de gênero e racial/étnica em que vivem estas mulheres, explícita em muitas situações cotidianas.

Alyne Kaiser/Asscom PMM

Fotos:  Chico Terra

+ sobre o tema

A cor do pecado: no século xix, a sensualidade da mulher negra

______________________   Resumo Esta pesquisa tem por objetivo principal analisar a presença...

Bruna da Silva Valim é primeira negra a representar SC no Miss Universo Brasil

Bruna da Silva Valim, candidata de Otacílio Costa, foi...

A Mulher Negra Guerreira está morta…

Há poucas horas, enquanto lutava com a realidade de...

Elizandra Souza celebra 20 anos de carreira em livro bilíngue que conta a própria trajetória

Comemorando os 20 anos de carreira, a escritora Elizandra...

para lembrar

Fusão ministerial é “apagão histórico”, afirmam juristas e especialistas

O Instituto Patrícia Galvão ouviu juristas, especialistas, pesquisadores e...

O racismo não tem nada de belo

Se você ainda acredita que somos todos iguais em...

Programa Justiça Sem Muros do ITTC lança campanha sobre visibilidade ao encarceramento feminino

Inspirado na arte de Laura Guimarães, o programa Justiça Sem...
spot_imgspot_img

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...

“O Itamaraty me deu uma bofetada”, diz embaixadora Isabel Heyvaert

Com 47 anos dedicados à carreira diplomática, a embaixadora Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert não esconde a frustração. Ministra de segunda classe, ela se...
-+=