Ações afirmativas, como a igualdade racial, são assunto de audiência de comitiva sul-africana com a SEPPIR

 

 

A secretária Angela Nascimento apresentou as principais diretrizes políticas que sustentam as ações voltadas para igualdade racial e combate ao racismo institucional no Brasil.

A secretária Angela Nascimento, titular da Secretaria de Políticas de Ações Afirmativas da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SPAA/SEPPIR), recebeu na sexta-feira (04.10.13) uma comitiva de representantes do Public Service Comission da África do Sul. A audiência teve como objetivo o compartilhamento de informações sobre a questão dos recursos humanos do Brasil, especialmente do ponto de vista da igualdade racial. Representando a ministra Luiza Bairros, a secretária explicou os principais pontos do programa Enfrentamento ao Racismo e Promoção da Igualdade Racial do Plano Plurianual 2012/2015, entre outros dispositivos, e as principais diretrizes políticas que sustentam as ações afirmativas no Brasil.

A reunião, intermediada pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), foi iniciada com as boas-vindas da secretária aos sul-africanos e a apresentação de informações por David Mkhwanazi sobre o funcionamento do Public Service Comission (PSC). Ele explicou que o PSC é um organismo independente, previsto na constituição, que existe há 20 anos, tem orçamento próprio, mais de 200 funcionários, e responde ao Parlamento da África do Sul em assuntos relacionados ao desempenho dos chefes de departamento do governo. Atualmente, há 30 em nível governamental e 90 em nível provincial. “O PSC avalia estes chefes, intermediado pelo relatório do auditor geral, e trabalha numa linha de anticorrupção”, explicou Mkhwanazi.

A principal questão colocada pelo grupo foi sobre como o Brasil procura conjugar a manutenção de ações afirmativas com o critério da meritocracia no serviço público. Eles destacaram as semelhanças que o Brasil, a Malásia e a África do Sul têm na questão da diversidade racial, mesmo guardadas as particularidades de cada país, e explicaram que este também é um ponto crítico para o governo sul-africano. “Queremos aprender como o Brasil, que está desenvolvendo essa política no recrutamento para o serviço público, quais os desafios, quais as tensões na experiência de promoção das ações afirmativas”, disse Omano Edigheji, que é pesquisador e membro do PSC.

Omano destacou o problema que o governo sul-africano encontra no tratamento do setor privado com relação à promoção da igualdade racial, o nivelamento dos espaços do jogo social, a representatividade, assuntos que geraram naquele país legislações específicas como o Employment Equity Act (Lei do Emprego Igual). No entanto, segundo ele, 75% das empresas sul-africanas prefere pagar multas e manter homens brancos em seus cargos mais valorizados. “No governo, que nós monitoramos, isto é diferente. Os negros estão nos cargos de poder mais decisivos, e em maior quantidade, correspondendo em proporcionalidade à população do país”, explicou o pesquisador.

A secretária Angela Nascimento ouviu os questionamentos da equipe e respondeu a cada um deles, explicando a experiência do governo brasileiro. “Temos uma história recente, mas muito relevante na aplicação das ações afirmativas como estratégia de políticas públicas. No que diz respeito à meritocracia, acreditamos que é preciso haver equidade de acesso às oportunidades para que a população brasileira, majoritariamente negra, possa estar em condições de igualdade no mercado de trabalho e na vida em sociedade. Uma das evidências inegáveis de que estamos escolhendo o caminho certo é o desempenho dos estudantes cotistas nas universidades brasileiras, que é igual ou maior ao dos não-cotistas na maior parte dos cursos”, exemplificou.

 

Fonte: Portal da Igualdade

+ sobre o tema

Pernambuco sediará congresso nacional de trabalhadoras domésticas

As condições de trabalho e os direitos adquiridos pelos...

Seppir cobra providências para crime contra Cláudia Silva Ferreira

Ministra encaminhou ofício ao Ministério da Justiça, pedido rigor...

Janeth Arcain: ‘Esporte me fez superar preconceito racial e de gênero’

Ex-jogadora de basquete competiu em quatro Olimpíadas, ganhando medalhas...

para lembrar

spot_imgspot_img

‘Abuso sexual em abrigos no RS é o que ocorre dentro de casa’, diz ministra

A ministra das Mulheres, Cida Gonçalves, considera que a violência sexual registrada contra mulheres nos abrigos que recebem desalojados pelas enchentes no Rio Grande...

ONU cobra Brasil por aborto legal após 12 mil meninas serem mães em 2023

Mais de 12,5 mil meninas entre 8 e 14 anos foram mães em 2023 no Brasil, num espelho da dimensão da violência contra meninas...

Após um ano e meio fechado, Museu da Diversidade Sexual anuncia reabertura para semana da Parada do Orgulho LGBT+ de SP

Depois de ser interditado para reformas por cerca de um ano e meio, o Museu da Diversidade Sexual, no Centro de São Paulo, vai reabrir...
-+=