África do Sul quer usar Copa para unir brancos e negros

A 209 dias da Copa do Mundo na África do Sul, o clima de festa e futebol está em todos os cantos do país. O governo de Jacob Zuma aproveita a realização dos jogos em nove cidades para estimular a integração de brancos e negros, uma vez que as divergências étnicas ainda estão presentes no cotidiano dos sul-africanos. O assunto também está na pauta de acordos comerciais e troca de experiência entre brasileiros e sul-africanos.

Do Terra

EDRO UGARTE/AFP/Getty

Os banners, cartazes e placas destacam a realização da Copa do Mundo em 2010, mas na cultura sul-africana os jogos são associados a negros, pois o futebol é um esporte que eles praticam, enquanto o rugby (futebol americano) e o críquete são esportes associados aos brancos.

O governo sul-africano apressa a conclusão de obras, como a do metrô que ligará a capital política, Pretória, à principal cidade do país que é Johanesburgo, e de quatro, dos nove estádios, que estão sendo ampliados. No entanto, há problemas estruturais que preocupam as autoridades, como o esquema de segurança e de transporte público, além da rede hoteleira.

Para solucionar a falta de transporte público no país, que se sustenta em atividades de vans, o governo sul-africano disponibilizou recentemente linhas de ônibus, fabricados por uma empresa brasileira, ligando o Soweto, o bairro negro mais tradicional de Johanesburgo, ao centro da cidade, e acelera a construção do metrô.

As expectativas agora estão voltadas para o próximo sábado, quando o técnico Carlos Alberto Parreira reestreia no comando da seleção sul-africana na disputa com o Japão. No entanto, especialistas afirmam que o desafio de Parreira é superar as fragilidades do grupo, que é uma das seleções mais fracas do continente africano.

No caso da África do Sul, a Copa do Mundo também é uma oportunidade de negócios. No grupo de empresários brasileiros que integram a missão organizada pelo ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, Miguel Jorge, alguns são ligados ao setor esportivo. Mas o próprio ministro não resistiu à proximidade dos jogos e ao clima de festa.

“Esperamos assistir a uma final entre Brasil e África do Sul, mas não me atreverei a dar um palpite sobre esta final”, disse Jorge, em tom de brincadeira, em conversa com o ministro do Comércio e Indústria da África do Sul, Rob Davies.

Na viagem ao Brasil, no mês passado, o presidente sul-africano fez a mesma afirmação em um encontro com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Lula reagiu apenas com um sorriso.

Matéria original

+ sobre o tema

5 discos para não esquecer que o rock é som de preto

De Little Richard à Miles Davis e de Chuck...

Lula visita Salvador para assinar o Estatuto da Igualdade Racial

Fonte: Correio24horas- O presidente Luis Inácio Lula da Silva assina,...

Movimento social para igualdade de gênero lançado no Senegal

Dakar – Um movimento social baseado em estudos...

para lembrar

Lázaro Ramos vai dirigir filme adolescente para Amazon Prime Video

Após passar 18 anos no elenco da Globo, Lázaro...

EUA elegem primeira senadora abertamente homossexual

Democrata Tammy Baldwin vence republicano Tommy Thompson em eleição...

‘Hoje cativeiro é favela’

Para quem ainda não entendeu que o Carnaval é muito mais...
spot_imgspot_img

Festival literário propõe amor e diversidade como antídotos ao extremismo

O Festival Literário Internacional de Paracatu - Fliparacatu - vai colocar no centro do debate o amor, a literatura e a diversidade como pilares...

Livro sobre Luiz Gama o consagra como o maior advogado negro da abolição

Impossível não ficar mexido, ou sair a mesma pessoa, com a mesma consciência dos fatos narrados, depois da leitura de "Luiz Gama Contra o Império",...

Ícone da percussão, Naná Vasconcelos ganha mostra no Itaú Cultural

O Itaú Cultural, localizado na avenida Paulista, em São Paulo, abre nesta quarta-feira (17) a Ocupação Naná Vasconcelos, em homenagem ao músico pernambucano falecido em 2016. A mostra é...
-+=