África exige da Europa restituição de tesouros roubados

Na França, há entre 4.500 e 6.000 objetos que pertencem ao Benim

no Jornal do Brasil

Embora de acordo com a etiqueta os três totens expostos no Museu Quai Branly de Paris sejam uma “doação”, seu país de origem, o Benim, pede a restituição do que considera um tesouro roubado durante a época colonial. “Estátuas do reino de Dahomey, doação do general Dodds”, diz a etiqueta para descrever esses totens meio humanos, meio animais.

Na realidade, essas imponentes estátuas foram pegas em 1892 pelas tropas francesas do general Alfred Amédée Dodds durante o roubo do Palácio de Abomey, a capital histórica do atual Benim.

Estátuas do reino de Dahomey, expostas no Quai-Branly – imagem Gerard Julien  – APF

“Vim para aprender como usavam esses objetos mais do que a forma como chegaram aqui”, comenta Michael Fanning, um estudante americano de Nova Orleans, admirando as estátuas. “Mas, efetivamente, acredito que deveriam ser devolvidas aos que as fabricam”.

Segundo o Benim, na França existem entre 4.500 e 6.000 objetos que pertencem ao país, incluindo tronos, portas de madeira gravada e cetros reais.

Do British Museum de Londres ao Museu Tervuren da Bélgica, numerosas coleções europeias transbordam de objetos de arte chamados “coloniais”, adquiridos em condições muitas vezes discutíveis.

Naquela época, militares, antropólogos, etnógrafos e missionários que percorriam os países conquistados voltavam para casa com recordações compradas ou trocadas, e às vezes roubadas.

Inclusive o ex-ministro francês de Cultura André Malraux foi condenado nos anos 1920 no Camboja por ter tentado arrancar os baixo-relevos de um templo khmer.

A controvérsia não é nova e não concerne unicamente à África. Há décadas a Grécia exige ao Reino Unido, em vão, a restituição dos frisos do Partenon.

Mas o continente africano foi especialmente afetado.

‘Hemorragia’ patrimonial

“A África sofreu uma hemorragia de seu patrimônio durante a colonização e inclusive depois, com o tráfico ilegal”, lamenta El Hadji Malick Ndiaye, conservador do museu de arte africana de Dakar.

Mais de 90% das peças importantes da África subsaariana estão fora do continente, segundo os especialistas. A Unesco apoia há mais de 40 anos a luta dessas nações para que lhes restituam seus bens culturais desaparecidos durante a época colonial.

Para Crusoe Osagie, porta-voz do governador do estado de Edo, na Nigéria, não é normal que seus filhos tenham que ir ao exterior para admirar o patrimônio de seu país. “Esses objetos pertencem a nós e nos tiraram à força”, destaca.

Assim como o Benim, cujo pedido de restituição foi negado pela França em 2016, outros países africanos receberam negativas.

Contudo, houve exceções, como em 2003, quando o museu etnológico de Berlim devolveu uma preciosa estátua de um pássaro ao Zimbábue, ex-colônia britânica.

Os dirigentes africanos esperam agora uma mudança de atitude da França, depois que o presidente Emmanuel Macron disse em novembro em Burkina Faso que dará “as condições para uma devolução do patrimônio africano à África” em um prazo de cinco anos.

Uma “ruptura histórica”, segundo o ministro camaronês da Cultura, Narcisse Mouelle Kombi. Seu país, colonizado sucessivamente por Alemanha, França e Grã-Bretanha, “é um dos principais interessados”, afirma.

“Macron se comprometeu com os africanos a mudar o que tem sido as cinco últimas décadas da política de nossos museus: encontrar as artimanhas jurídicas necessárias para evitar a devolução” das peças, observa o historiador Pascal Blanchard, especialista na época colonial.

O Museu Quai Branly de Paris não quis responder às perguntas da AFP.

Paternalismo

Mas ainda existem muitas obstáculos técnicos e jurídicos, admitem os dois especialistas que o presidente Macron nomeou em março para concretizar sua promessa.

Para se negar a devolver as obras, os especialistas argumentaram durante anos que os museus africanos não têm as condições adequadas de segurança e conservação.

Mas de acordo com o conservador do museu de Dakar, El Hadji Malick Ndiaye, se trata de um velho debate, inclusive “paternalista”. Na África “existem muitas instituições de museus, na África do Sul, no Quênia, no Mali, em Zimbábue”, assegura.

O British Museum propôs empréstimos à Nigéria e à Etiópia, saqueadas durante uma expedição britânica em 1868, mas resiste a restituir os bens.

O debate está mais avançado na Alemanha, um país sensível a isso pelos espólios da época nazista e os roubos do Exército Vermelho.

Vários museus estão trabalhando para identificar a origem de milhares de obras da época colonial, quando a Alemanha controlava Camarões, Togo e Tanzânia. É o caso do Museu Humboldt Forum, que abrirá em breve em Berlim e especificará a procedência dos objetos.

+ sobre o tema

Socialistas querem que Hollande enfrente Merkel

Em um documento de 21 páginas coordenado pelo...

Panafricanismo galvaniza desenvolvimento de África

O vice-governador do Moxico para a esfera económica,...

Legalização da maconha: a questão do racismo

Um novo relatório da ACLU entitulado “A Guerra Contra...

Académico defende línguas africanas como ferramenta indispensável na democratização do continente

Luanda - O académico Dionísio José defendeu hoje, terça-feira,...

para lembrar

Livro de fotojornalista moçambicano Kok Nam reúne momentos inéditos de Samora Machel

Uma coleção de fotografias inéditas do primeiro Presidente de...

ONU pede apoio internacional para Moçambique após ciclone deixar 400 mil desalojados

O secretário-geral da ONU, António Guterres, cobrou mais apoio da comunidade...

Riquelme: ‘Paulinho é um Lampard negro’

Argentino do Boca Juniors rasgou elogios ao ex-corintiano e...
spot_imgspot_img

Dia de Martin Luther King: 6 filmes para entender sua importância nos EUA

O dia de Martin Luther King Jr. é um feriado nacional nos Estados Unidos, celebrado toda terceira segunda-feira do mês de janeiro. Neste ano,...

Um Silva do Brasil e das Áfricas: Alberto da Costa e Silva

Durante muito tempo o continente africano foi visto como um vasto território sem história, aquela com H maiúsculo. Ninguém menos do que Hegel afirmou, ainda no...

Luiza Mahin: a mulher que virou mito da força negra feminina

Não há nenhum registro conhecido sobre Luiza Mahin, mulher que possivelmente viveu na primeira metade do século 19, que seja anterior a uma carta...
-+=