África

África dos mistérios profundos, da ancestralidade humana, dos eternos desafios, do tráfego negreiro e das guerras de ontem e hoje. Da pujança, da tecnologia, dos recursos minerais infindáveis e da secular cobiça ocidental. Dos grandes líderes Nelson Mandela, Samora Machel, Patrice Lumumba e Winnie Mandela.

Enviado por Maurício Pestana via Guest Post para o Portal Geledés

Um pouco da visão real, sem os estereótipos costumeiros da fome, guerra, atraso e ignorância, como o ocidente costumeiramente insiste em retratá-la, é o que o público pode conferir até o final de agosto na exposição ‘Africa Africans’, no museu Afro Brasil, no parque do Ibirapuera, em São Paulo.

A mostra reúne mais de 20 artistas africanos que moram no continente, assim como alguns que hoje fazem sucesso vivendo em outras partes do mundo e também afrodescendentes de fora da África, mas que se inspiraram na pluralidade estética e social presente na região.

Em um momento em que se discute tanto a questão racial, seja por conta da declaração infeliz do técnico Dunga da seleção brasileira em recente coletiva – “Eu até acho que eu sou afrodescendente de tanto que apanhei e gosto de apanhar” –, ou nos episódios de agressão racial contra a apresentadora Maria Júlia, da TV Globo, reunir esses artistas de vanguarda no maior país negro fora da África é uma iniciativa mais que oportuna, pois reafirma, para aqueles que ainda têm dúvida, a importância e a contribuição cultural deste rico continente para a humanidade.

A definição para esse encontro de história e realidades tão próximas e parecidas é sintetizada na frase de Emanoel Araújo, curador da mostra: “No Brasil, os fios que nos unem ao continente e que, durante muito tempo ficaram esquecidos e escondidos pelo racismo cordial característico da sociedade brasileira, nos impelem a buscar uma África que é, muitas vezes, criada pelo imaginário”.

Se leis no Brasil como a 10.639/03, que obriga o ensino da África e de seus descendentes em nossas escolas, são fundamentais para nos ajudar a entender, respeitar e combater o racismo, a exposição ‘Africa Africans’ é uma importante e essencial contribuição para esse fim.

+ sobre o tema

Alemães e sul-africanos passam experiências da Copa a Cuiabá

Cuiabá recebe, nesta quinta-feira (23), profissionais diretamente ligados...

17/11 – Antropóloga Heloísa Pires fala sobre elo cultural afro-brasileiro

A antropóloga e escritora Heloísa Pires fará palestra sobre...

Tênis: Venus sofre, e rivais “passeiam” na Austrália

Venus Williams sofreu para passar à terceira rodada...

Congada 13 de maio: quarenta anos de história, tradição e fé

Ceiça Ferreira Mais uma vez os tambores das...

para lembrar

África vai ser o motor do crescimento mundia

Previsão é do primeiro-ministro japonês, para as próximas décadas...

Matéria sobre lobby gay no banco do Vaticano é 1º escândalo do papa

   Às vésperas da visita do papa Francisco ao...

Lula: “os africanos sabem cuidar do seu nariz”

Em debate com o ex-presidente, a ativista liberiana...
spot_imgspot_img

Um Silva do Brasil e das Áfricas: Alberto da Costa e Silva

Durante muito tempo o continente africano foi visto como um vasto território sem história, aquela com H maiúsculo. Ninguém menos do que Hegel afirmou, ainda no...

Artista afro-cubana recria arte Renascentista com negros como figuras principais

Consideremos as famosas pinturas “A Criação de Adão” de Michelangelo, “O Nascimento de Vênus” de Sandro Botticelli ou “A Última Ceia” de Leonardo da Vinci. Quando...

Maurício Pestana: Quando o racismo se torna entretenimento

Desde a explosão midiática do caso de George Floyd, falar, opinar, criticar ou denunciar atos de racismo nunca esteve tão em moda. Seu assassinato à luz do dia...
-+=