Ailton Krenak – A Potência do Sujeito Coletivo – Parte I

Apresentação

por Julia Sá Earp , do  Revista Periferias

Foto: Gustavo Rubio-ISA

Não poderia Ailton Krenak vir a público em entrevista e  momento mais pertinente, quando se faz necessário  ouvir uma voz que inspira e perturba nossas percepções para que a lucidez e a consciência não se dissipem com o vento. Não é uma tarefa fácil introduzir a personalidade do Ailton Krenak. Enquanto lia pela primeira vez estas páginas, ouvia sua calma narrativa pendulando entre o renomado precursor dos movimentos sociais indígenas e o sincero e curioso senhor que compartilha de forma instigante as esquisitices e contrassensos do mundo dos brancos.

Sem esforço, sua fala nos faz olhar de ponta cabeça as noções já dadas como certas para nós. Ailton Krenak é um dos maiores conhecedores do emaranhado histórico da luta pelos direitos indígenas dentro e fora da política brasileira, sua participação junto a Álvaro Tukano, Marcos Terena e Raoni Metuktire na constituinte de 1988 iniciou uma nova fase de visibilidade aos povos originários no Brasil garantindo e legitimando o direito a demarcação de suas terras, uma virada recente na história do país e que atualmente sofre tantos assédios e tentativas de sabotagem pelo atual governo.

São tantos os episódios compartilhados na entrevista que para realizar esta introdução sem entregar o conteúdo das próximas páginas, que com certeza são melhores de serem acessados pelas palavras do Ailton, precisei tirar as sandálias e tocar os pés no chão para buscar a terra e escrever algo que fizesse sentido em dizer sem ser redundante ou repetitiva aos tantos textos que o apresentam brilhantemente. Com os pés sobre o taco do chão do apartamento sinto o calor da madeira; ex-árvores vindas de um território distante; neste momento apenas vibram com o intenso movimento diurno da padaria do térreo do edifício; abaixo dela metros de cimento da fundação do prédio, e só depois de tanto material e histórias sobrepostas suponho que enfim chegaria à terra.

Leia a matéria completa aqui

+ sobre o tema

A vez do morro

Xandra Stefanel Jovens de comunidades combatem a exclusão simbólica dos...

Mercosul cria fundo regional para promoção dos Direitos Humanos

  O Instituto de Políticas Públicas em Direitos Humanos do...

Facebook e Afrohub lançam plataforma gratuita para capacitar empreendedores negros

Com o objetivo de fomentar negócios criados por empreendedores...

Fundo Brasil vai doar até R$ 150 mil para projetos na área de Justiça Criminal

Edital é realizado em parceria com a Fundação OAK...

para lembrar

Estudo da FGV aponta que 50% das mulheres são demitidas após gestação

Metade das 247 mil mulheres entrevistadas pela instituição perderam...

A nudez por trás do jaleco – por Eliane Brum

O que as agressões contra os médicos cubanos revelam...

Intersecção do racismo e do sexismo, mulheres negras e saúde

Interseccionalidade conceito teórico construído pelas feministas negras, e que...

Lei da Anistia não é obstáculo para julgar torturadores

por Marsílea Gombata  Para Paulo Abrão, presidente Comissão de Anistia do...
spot_imgspot_img

Comissão da Saúde aprova PL de garantia de direitos à pacientes falciformes

A Comissão de Saúde da Câmara dos Deputados aprovou, na quarta-feira (5), o Projeto de Lei nº 1.301/2023, que reconhece a doença falciforme como...

Comissão Arns recebe Prêmio Eny Moreira de Direitos Humanos

A Comissão de Defesa dos Direitos Humanos D. Paulo Evaristo Arns – Comissão Arns recebeu, na tarde da última quarta-feira (05/06), o Prêmio Eny...

Geledés se une a organizações para exigir mais recursos ao mecanismo EMLER da ONU

Geledés – Instituto da Mulher Negra, em parceria com outras 64 organizações globais, assinou nesta terça-feira, 4, um pedido endereçado ao Conselho de Direitos...
-+=