Além de odiar as mulheres, atirador de Santa Bárbara era racista, diz jornal americano

“Como pode garoto negro conquistar uma menina e não eu?”, dizia manifesto de Elliot Rodger

O ódio de Elliot Rodger pelas mulheres certamente foi um dos fatores que motivaram o jovem a matar seis pessoas na Califórnia, Estados Unidos, na última sexta-feira (23). Mas especialistas ouvidos pelo jornal americano New York Daily News apontam outro fator para o crime: o racismo.

Segundo um extenso manifesto escrito pelo jovem, seus inimigos não eram apenas as belas meninas que se recusavam a sair ou namorar com ele. Elliot também sentia raiva dos colegas negros que, segundo o manifesto, recebiam muito mais atenção das meninas do que ele.

“E então este garoto negro chamado Chance disse que perdeu a virgindade quando ele tinha apenas 13 anos! Ele disse ainda que a garota com quem ele perdeu a virgindade era uma branca e loira. Eu fiquei tão indignado que quase joguei meu suco de laranja nele (…) como pode um inferior garoto negro feio ser capaz de conquistar uma menina branca e não eu? Eu sou bonito e sou descendente de aristocracia britânica. Ele é descendente de escravos. Eu mereço muito mais”, escreveu o jovem.

Filho do assistente de direção dos filmes Jogos Vorazes, Peter Rodger, Elliot esfaqueou até a morte três companheiros de quarto da Universidade de Santa Bárbara e depois atirou aleatoriamente em pessoas na vizinhança, matando outras três.

Depois de trocar tiros com a polícia, ele foi achado morto dentro de uma BMW preta com um ferimento à bala na cabeça.

Apesar de ter se tratado de problemas mentais durante anos, o atirador de 22 anos possuía três armas compradas ilegalmente e mais de 400 balas de munição ainda não utilizadas.

O xerife de Santa Bárbara County, Bill Brown, disse que Elliot foi visitado por seus assistentes em abril, mas não ofereceu indicações de que ele era “um perigo para si mesmo ou qualquer outra pessoa”, segundo informações do jornal The New York Times.

— Ele foi capaz de inventar uma história muito convincente de que não havia nenhum problema, que ele não ia se machucar ou qualquer outra pessoa.

Em um vídeo publicado no YouTube na véspera do ataque, Elliot afirma que desde a puberdade foi ignorado pelas mulheres e por isso iria se “vingar da humanidade”.

Na gravação, aparece Elliot, que se filma no carro, e fala por sete minutos sobre sua solidão e seu ódio do mundo.

Ele também se revolta contra as mulheres que o rejeitaram e ignoraram-no nos últimos anos e promete: “Vou castigar todas vocês por isso”.

“Vou massacrar cada vagabunda loira, mimada e metida que via lá dentro, e todas essas garotas que eu tanto desejei e que me rejeitaram e me olharam com desprezo, como se eu fosse um homem inferior”, declara o jovem, no vídeo.

Fonte: R7

+ sobre o tema

PM mata jovem negro com tiro no peito na zona sul de São Paulo

O autônomo Ricardo Lopes, 46, diz ter feito o...

Fotógrafo do Jornalistas Livres é morto a facadas no centro de São Paulo

O fotógrafo Felipe Terremoto, de 25 anos e ligado ao coletivo Jornalistas...

Copa do Mundo: Árbitros podem suspender jogos em caso de racismo

O presidente da Fifa, Gianni Infantino, falou sobre assuntos...

Nunca me sonharam….

“Nunca me sonharam” é o nome do documentário produzido...

para lembrar

Fúlvia Rosemberg – É preciso mais negros na universidade para ampliar seu espaço social

Professora da PUC-SP; defende ações afirmativas, afirma que Brasil...

Farm representa Iemanjá com modelo branca e causa polêmica na web

O que era para ser uma homenagem se tornou...

Serena aprova atitude de Daniel Alves em prol do combate ao racismo

  Norte-americana elogiou comportamento do jogador do Barcelona,...

Mudar a pergunta é revolução

O assassinato de Genivaldo de Jesus —o homem negro, com esquizofrenia,...
spot_imgspot_img

Prisão de torcedores deveria servir de exemplo para o futebol brasileiro

A condenação de três torcedores racistas na Espanha demonstra que, apesar da demora, estamos avançando em termos de uma sociedade que quer viver livre...

Futuro da gestão escolar

A educação pública precisa de muitos parceiros para funcionar. É dever do Estado e da família, com colaboração da sociedade, promover a educação de todas as...

Educação para além dos muros da escola

Você pode fornecer escolas de qualidade para os mais pobres e, mesmo assim, talvez não veja a mudança na realidade do país que se...
-+=