Alice Walker, autora de ‘A cor púrpura’, fala hoje na Flip: ‘A luta contra o racismo inclui guerreiros de todas as cores’

Ela tem lançado no brasil seu primeiro livro de não ficção, um ensaio sobre o feminismo negro

Uma das principais atrações da 19ª Festa Literária Internacional de Paraty, que termina amanhã, a americana Alice Walker sempre refletiu, em suas obras, sobre o que é necessário para as mulheres vencerem os sistemas de opressão. A escritora, que participa hoje, às 18h, da mesa “Em busca do jardim”, com Conceição Evaristo, é famosa no Brasil — e no mundo — por seu romance “A cor púrpura”, vencedor do Prêmio Pulitzer em 1983 e adaptado para o cinema por Steven Spielberg em 1985. Por outro lado, sua faceta como pensadora feminista é menos conhecida por aqui. Tanto que o seu livro de ensaios “Em busca dos jardins de nossas mães”, lançado originalmente nos anos 1980 nos EUA, só agora ganhou uma edição brasileira. Este é, aliás, o seu primeiro título de não ficção publicado no país.

Os ensaios de “Em busca dos jardins de nossas mães” orbitam em terno dos principais temas da autora, como o feminismo, a luta contra o racismo e o resgate da cultura negra de seu país — o que inclui uma ampla digressão sobre como uma escritora afro-americana busca referências e modelos em um cânone literário dominado por homens brancos. Nas conversas das mulheres negras mais velhas, Walker buscou o termo “mulherismo”, hoje reivindicado pelo feminismo negro para expressar as particularidades de suas lutas. A expressão perpassa os textos do livro, ainda que seja pouco mencionada. Walker, que participará da mesa de forma virtual, conversou com O GLOBO por e-mail.

O mulherismo expressa um feminismo mais inclusivo, com intersecção de opressão de raça, classe e gênero. O que significa ser mulherista na América hoje, sabendo, por exemplo, que mais mulheres brancas votaram em Trump em 2020 do que em 2016?

O mulherismo vem de uma cultura negra específica, que tem como um de seus fundamentos 400 anos de escravidão nos Estados Unidos. É constituído pela cultura sul-americana e pelas experiências africanas e afro-americanas, durante e após a escravidão, no sul. É uma oferta para as pessoas de cor na América do Norte que, esperançosamente, as ajudará a ver a si mesmas com mais clareza e com Sabedorias, Atitudes e Atributos distintos do que o que está contido no rótulo “feminista”.

Ao impedir a reeleição de Donald Trump, as mulheres negras salvaram a democracia americana?

Na realidade, ela está longe de ter sido “salva”. Ou até mesmo de existir. Com tantos desabrigados na América e tanta disparidade no sistema de saúde, por exemplo, onde está a democracia que foi salva? Nosso sistema de governo, como o seu, no Brasil, está mudando. O fato de tantas mulheres brancas terem votado em uma pessoa claramente sexista como Trump para presidente é lamentável e foi um erro de julgamento pelo qual os americanos continuarão a sofrer.

A quarta onda feminista, iniciada na década passada, trouxe uma maior interseccionalidade na luta pelos direitos das mulheres?

Acredito que sim. Esta é uma das maravilhas do ativismo: podemos realmente observar e participar do espaço ampliado que o próprio ativismo cria.

Diversos estados americanos introduziram uma legislação visando limitar a discussão sobre racismo nas escolas públicas. Após Obama e Trump, os EUA estão mais ou menos dispostos a discutir seu problema racial?

Muitos americanos se dedicam a ajudar nosso país a obter saúde racial. Isso sempre foi verdade. John Brown, um homem branco, junto com seus filhos, foi um dos primeiros americanos a pegar em armas para derrubar o sistema de escravidão. É uma luta profunda, magnífica, que dura centenas de anos e inclui guerreiros de todas as cores: preto, branco, vermelho e amarelo (incluo aqui os chineses que foram trabalhadores por muitas décadas nos estados ocidentais , especialmente).

Em um dos ensaios do livro, a senhora conclui que, devido a falta de modelos na literatura padrão, uma autora negra deve trabalhar em dobro. Isto é, ser modelo para si mesma e para as outras que lhe seguem. Que tipo de modelo você acredita ter se tornado?

Um modelo de honestidade.

A senhora já disse que o púrpuro de “A cor púrpura” é um símbolo das maravilhas que deixamos passar batido. É uma cor que está em todo lugar, mas que se torna rara porque não sabemos vê-la. O que é púrpuro no mundo de hoje? Que maravilhas estamos ignorando?

Muito provavelmente o por do sol.

A senhora mora no campo e já escreveu sobre as possibilidades meditativas da contemplação da natureza. A Flip tem as plantas, a floresta e os saberes indígenas como um de seus principais temas este ano. Pretende abordar o assunto em sua conversa com a escritora Conceição Evaristo?

Não tenho planos sobre o que vou conversar. Como a Natureza, prefiro me apresentar com frescor. Posso dizer, entretanto, que valorizo profundamente a sabedoria que recebi de professores indígenas na Amazônia e em outros lugares. Considero os medicamentos vegetais de enorme admiração e valor para a evolução humana e fiquei espantada, surpresa e maravilhada, a ponto de ficar sem palavras, com algumas das minhas próprias experiências com eles.

+ sobre o tema

Nossas excelências

Acho que eu estava perto dos 50, quando começaram...

Funcionárias públicas de SP podem ter de repor tempo da licença maternidade

Governador do Estado entrou com Adin no STF para...

Governo limita compra de terras por estrangeiros

Limite para compra é de 5 mil hectares ou...

De apertos e sinhazinhas

Ainda bem menina descobri que as roupas e a...

para lembrar

Homem é libertado após passar 15 anos na prisão nos EUA acusado pela morte de 5 crianças

Um homem que passou 15 anos preso nos Estados Unidos,...

Quando Sueli Carneiro saiu

Surpreendente e dolorosa a saída da filósofa e ativista Sueli...

Senado aprova projeto que aumenta pena para crime de injúria racial

Às vésperas do Dia da Consciência Negra, senadores aprovaram nesta...

Ser negro é estar em estado de permanente dor

Me basta mesmoessa coragem quase suicidade erguer a cabeçae...

Camilo Cristófaro, 1º vereador de São Paulo a perder mandato por racismo, é investigado também por rachadinha

Na última terça-feira (19), uma sessão marcou a história da Câmara Municipal de São Paulo, quando determinou pela primeira vez a cassação de um vereador por...

‘Coisa de preto’ 2

Num país onde há racismo sem racistas, a cassação do mandato do vereador Camilo Cristófaro (Avante) pela Câmara Municipal de SP é uma vitória a ser...

Luísa Sonza fecha acordo por fim de processo por racismo contra advogada

A cantora Luísa Sonza fechou um acordo com a advogada Isabel Macedo para encerrar o processo em que era acusada de racismo. O trato...
-+=