“A alma do jornal reside em sua simpatia pelos oprimidos”: como a máxima de Pulitzer pôde ser tão subvertida pela imprensa brasileira? Por Paulo Nogueira

b1536ff84c60b6dbe221e192ed2ba8af

Por Paulo Nogueira Do Diário do Centro do Mundo

“Acima do conhecimento, acima das notícias, acima da inteligência, o coração e a alma do jornal residem em sua coragem, em sua integridade, sua humanidade, sua simpatia pelos oprimidos, sua independência, sua devoção ao bem estar público, sua ansiedade em servir à sociedade.”

Estou lendo um perfil de Joseph Pulitzer e me detenho na frase acima.

É uma reflexão que tem 150 anos de existência — e que, como tudo que é sábio, guarda uma atualidade completa, fresca, revigorante e inspiradora.

É uma receita perene de bom jornalismo.

E então me ocorre a fatal comparação. Os jornais brasileiros são a completa negação de Pulitzer.

Simpatia pelos oprimidos? Esqueça.

Devoção à causa pública? Esqueça.

Ansiedade em servir à sociedade? Esqueça.

Você inverte o enunciado pulitzeriano e encontra a mais perfeita definição do jornalismo nacional.

As corporações jornalísticas servem apenas a si próprias e a classe que representam — a plutocracia.

Dizer que a visão de Pulitzer é romântica é uma tolice. Ele não foi apenas o jornalista mais inovador da história. Foi, também, um empreendedor de extremo sucesso.

Sua lógica como empreendedor no jornalismo era irretocável: “Circulação significa anúncio, anúncio significa dinheiro, dinheiro significa independência.”

Sua visão de jornalismo é ainda hoje perfeita. “Para se tornar influente, um jornal tem que ter convicções, tem que algumas vezes corajosamente ir contra a opinião do público do qual ele depende”, afirmou.

Como jornalista, foi Pulitzer quem rompeu com a tradição de publicar as notícias na ordem cronológica. Ele estabeleceu a hierarquia no noticiário. Estava inventada a manchete, assim, bem como a primeira página.

Era um jornalista brilhante, ambicioso, e inevitavelmente acabou tendo seu próprio jornal, World, o maior em sua época.

E de novo a comparação me ocorre: por que os jornais brasileiros são o contrário?

Se eles seguissem alguns postulados de Pulitzer — não digo todos, que é coisa de gente grande, mas pelo menos alguns — o Brasil seria um país muito melhor. Digamos: a simpatia pelos oprimidos, que figura no topo das prioridades de Pulitzer.

Não seríamos um país tão assombrosamente desigual. Poderíamos ser talvez, como sonha o DCM, uma grande e ensolarada Escandinávia, uma sociedade próspera, igualitária, feliz.

Estaríamos livres do que Rousseau chamou de “extremos de opulência e miséria” que nos rebaixam e nos humilham.

Mas não.

Você abre um jornal brasileiro, qualquer um, e logo tem um choque de realidade. Pode ser uma revista. Ou vê um telejornal. Ou ouve uma rádio. É tudo anti-Pulitzer.

Por isso somos o que somos.

+ sobre o tema

Já tivemos de mostrar documento, dizem gêmeas negra e branca

Filhas de mãe jamaicana e pai inglês, britânicas são...

Anistia faz protesto em frente ao Comitê Rio-2016 contra violação de direitos humanos

Organização protocolou petição com mais de 120 mil assinaturas...

O genocídio dissimulado

  Por Luciano Martins Costa,  Pequena nota escondida...

Amapá, Urgente! Garimpeiros invadem aldeia Waiãpi e matam indígena

 Conflito pode levar a um banho de sangue Do  Xapuri “Eles...

para lembrar

As vitórias pouco divulgadas do Brasil

O pessimismo geral do país é um caso clássico...

A nova Barbie e padrões de beleza: uma mercadoria pode ser revolucionária?

Após mais de meio século ajudando a ditar um...

Tuitaço em apoio ao direito de resposta na Veja dos guarani-kaiowá

Na quinta-feira, 22, apoiadores, movimentos e indígenas se...

Crianças negras são principais vítimas do trabalho infantil

Meninos negros são as principais vítimas do trabalho infantil:...
spot_imgspot_img

Câncer de pênis: Brasil é considerado o país com maior número de casos do mundo; veja os 6 sinais mais comuns da doença

O Brasil é considerado o país com maior incidência de câncer de pênis no mundo, em especial nas regiões Norte e Nordeste. Este tumor representa...

Geledés participa da 54ª Assembleia Geral da OEA

Com o tema “Integração e Segurança para o Desenvolvimento Sustentável da Região”, aconteceu entre os dias 26 a 28 de junho, em Assunção, Paraguai,...

Prêmio Jornalístico Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos abre inscrições para sua 46ª edição

As inscrições para a 46ª edição do Prêmio Jornalístico Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos estão abertas de 20 de junho a 20...
-+=