Almirante Negro volta às livrarias

Enviado por / FonteDo Estado de São Paulo

“As memórias tinham sido publicadas em 1912 e 1913 na Gazeta de Notícias, mas, na coleção da Biblioteca Nacional, faltavam esses exemplares. Localizamos os jornais na Biblioteca Mário de Andrade, em São Paulo”, relata Marco. A nova edição – as anteriores foram em 1959, 1963, 1979 e 1986 – incorpora a ficha de João Cândido na Marinha, revelada em 2008, e notas, que ajudam na contextualização dos fatos, além de fotos dos rebelados.

O movimento envolveu mais de 2,3 mil marinheiros, a maioria negros e mulatos pobres, nos navios Minas Gerais, São Paulo, Bahia e Deodoro, na Baía de Guanabara, de 22 a 27 de novembro de 1910. Edmar o batizou de Revolta da Chibata. A frota naval do Brasil, na época, era a terceira maior do mundo, o que ajudou a dar peso à rebelião.

Alguns marujos, como o próprio João Cândido, tinham acompanhado a construção de um dos navios, o Minas Gerais, no estaleiro Vickers-Armstrong, em New Castle, na Inglaterra, aprendendo a manobrá-lo. Isso foi fundamental para o sucesso inicial.

A rebelião foi desencadeada pelo castigo imposto ao marinheiro Marcelino Rodrigues Meneses: 250 chibatadas no Minas Gerais, cujo comandante, capitão-de-mar-e-guerra Batista da Neves, foi morto, assim como outros oficiais e alguns marujos.

No primeiro dia, os marinheiros enviaram manifesto ao presidente Hermes da Fonseca reivindicando o fim do chicote, aumento de soldo e demissão dos oficiais “indignos”. Uma anistia encerrou a revolta, mas, dias depois, foi revogada. Muitos revoltosos foram expulsos, presos, torturados, fuzilados. João Cândido foi parar no Hospital de Alienados.

“As pessoas sofriam perseguições por escrever sobre a revolta”, conta Morel. Após o golpe de 64, ele próprio teve direitos cassados. “Meu avô não conseguia emprego nas redações dos grandes jornais e recebia ameaças por telefone e por carta”, conta Marco.

Em 2008, o presidente Lula sancionou a anistia a João Cândido e os companheiros.Uma estátua do líder da rebelião saiu dos jardins do Museu da República, no Rio, e foi para a Praça XV. Uma proposta da indenização aos descendentes, contudo, foi vetada e, na Marinha, ainda há animosidade. Quase 40 anos após a morte de João Cândido (1969), o Almirante Negro permanece maldito.

 

+ sobre o tema

Prêmio de Expressões Culturais Afro-brasileiras

  A 2ª edição do Prêmio Nacional de...

Promoção: Fãs podem ganhar um dia ao lado do rapper Ne-Yo

O UOL e a gravadora Universal oferecem aos fãs...

Circuito Cinegrada 2017– Protagonismo negro no cinema

Do dia 01 ao dia 30 de novembro de...

para lembrar

Nota de Pesar – Danilo Santos de Miranda

Danilo Santos de Miranda, diretor do SESC-SP, filósofo, sociólogo,...

Daniel Kaluuya, de Pantera Negra, começa a produzir filme live-action de Barney

Recentemente, o ator inaugurou uma produtora. Com o novo...

Metade dos ministérios da África do Sul será comandada por mulheres

Presidente recém-eleito anunciou quem serão seus ministros. Do G1 O governo...
spot_imgspot_img

Mulheres afrodescendentes são destaque em evento internacional pela conservação ambiental e justiça climática

No último dia 14, a vice-presidenta da Colômbia, Francia Márquez, esteve no fechamento do evento internacional “Garantir a posse da terra e os direitos...

‘Bad Boys 5’ já está sendo discutido, afirma produtor

‘Bad Boys: Até o Fim‘ estreou há apenas uma semana, mas um 5ª filme para a franquia estrelada por Will Smith e Martin Lawrence já está sendo discutido. A...

Mel Duarte celebra cinco anos do álbum “Mormaço – entre outras formas de calor” com apresentações gratuitas em São Paulo

A cantora, escritora, poeta, compositora e produtora cultural Mel Duarte, conhecida por sua brilhante performance de "spoken word", celebra o quinto aniversário do seu...
-+=