Almirante Negro volta às livrarias

Enviado por / FonteDo Estado de São Paulo

“As memórias tinham sido publicadas em 1912 e 1913 na Gazeta de Notícias, mas, na coleção da Biblioteca Nacional, faltavam esses exemplares. Localizamos os jornais na Biblioteca Mário de Andrade, em São Paulo”, relata Marco. A nova edição – as anteriores foram em 1959, 1963, 1979 e 1986 – incorpora a ficha de João Cândido na Marinha, revelada em 2008, e notas, que ajudam na contextualização dos fatos, além de fotos dos rebelados.

O movimento envolveu mais de 2,3 mil marinheiros, a maioria negros e mulatos pobres, nos navios Minas Gerais, São Paulo, Bahia e Deodoro, na Baía de Guanabara, de 22 a 27 de novembro de 1910. Edmar o batizou de Revolta da Chibata. A frota naval do Brasil, na época, era a terceira maior do mundo, o que ajudou a dar peso à rebelião.

Alguns marujos, como o próprio João Cândido, tinham acompanhado a construção de um dos navios, o Minas Gerais, no estaleiro Vickers-Armstrong, em New Castle, na Inglaterra, aprendendo a manobrá-lo. Isso foi fundamental para o sucesso inicial.

A rebelião foi desencadeada pelo castigo imposto ao marinheiro Marcelino Rodrigues Meneses: 250 chibatadas no Minas Gerais, cujo comandante, capitão-de-mar-e-guerra Batista da Neves, foi morto, assim como outros oficiais e alguns marujos.

No primeiro dia, os marinheiros enviaram manifesto ao presidente Hermes da Fonseca reivindicando o fim do chicote, aumento de soldo e demissão dos oficiais “indignos”. Uma anistia encerrou a revolta, mas, dias depois, foi revogada. Muitos revoltosos foram expulsos, presos, torturados, fuzilados. João Cândido foi parar no Hospital de Alienados.

“As pessoas sofriam perseguições por escrever sobre a revolta”, conta Morel. Após o golpe de 64, ele próprio teve direitos cassados. “Meu avô não conseguia emprego nas redações dos grandes jornais e recebia ameaças por telefone e por carta”, conta Marco.

Em 2008, o presidente Lula sancionou a anistia a João Cândido e os companheiros.Uma estátua do líder da rebelião saiu dos jardins do Museu da República, no Rio, e foi para a Praça XV. Uma proposta da indenização aos descendentes, contudo, foi vetada e, na Marinha, ainda há animosidade. Quase 40 anos após a morte de João Cândido (1969), o Almirante Negro permanece maldito.

 

+ sobre o tema

Biografia do Dr. Clímaco o 1º médico negro de Londrina será lançada

Fruto de uma pesquisa acadêmica realizada por Mariana Panta,...

Personalidade Negras – Solano Trindade

Filho de pai sapateiro e mãe operária e quituteira,...

Livros e textos de Lélia Gonzalez

A historiografia brasileira tem sido marcada pela invisibilidade dos...

Pesquisa contesta mito de Chica da Silva

O alegado apetite sexual, a promiscuidade e as crueldades...

para lembrar

Instituto Mídia Étnica lança a campanha ‘Contrarie as Estatísticas’

por Juliana Dias enviado para o Portal Geledés por...

Camburi recebe Caminhada em Defesa da Liberdade e da Tolerância Religiosa

Marcos Salles A caminhada acontece em comemoração ao Dia...

Ministra Luiza Bairros defende que Executivo mantenha demarcação quilombola

Congresso Nacional analisa proposta que repassa competência das demarcações...
spot_imgspot_img

Candinho, único filho vivo de João Cândido, luta por reparação

Em novembro de 1910, cerca de dois mil marinheiros tomam o controle de embarcações da Marinha na Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro....

MPF pede manifestação do Estado sobre memória de João Cândido

O Ministério Público Federal no Rio de Janeiro solicitou uma manifestação da Comissão de Anistia e da Coordenação-Geral de Memória e Verdade sobre Escravidão e...

Virada da Consciência em SP terá palestras, peça de teatro e baile black

Com cerca de 500 atividades em São Paulo em sua 6ª edição, a Virada da Consciência tem, além de ações voltadas ao combate ao racismo, programação...
-+=