Americanos falam em ‘privilégio branco’ no caso Ryan Lochte

Pelo Twitter, tratamento à história do nadador é criticado.

Por André Miranda de Souza no O Globo

A repercussão da controversa noitada do nadador americano Ryan Lochte no Rio vem ganhando novos desdobramentos desde terça-feira, quando a versão apresentada pelo atleta e seus companheiros de equipe foi apontada como inverídica.

O caso é acompanhado afinco não só no Brasil, mas principalmente nos Estados Unidos. No Twitter, alguns usuários americanos levantam questionamentos sobre o caso e destacam: ‘um claro caso de privilégio branco‘.

 

“Imagino qual seria a reação se Ryan Lochte fosse negro ou qualquer outra etnia para esse caso”

Os comentários vieram depois que o coordenador de comunicação do Comitê Rio 2016 Mario Andrada dizer que o episódio precisava ser esquecido e sem necessidade de punições aos atletas.

“Não é necessário ouvir desculpas dele ou de outros atletas. Precisamos entender que essas crianças vieram aqui para se divertir. Vamos deixá-los um pouco em paz. Às vezes, você toma decisões que depois se arrepende. Eles foram se divertir, cometeram um erro, e a vida continua”, disse Andrada em um comunicado oficial da organização olímpica.

 

“Curioso como ‘garotos sendo garotos’ aplica-se na destruição de propriedade no #CasoLochte, mas não para Tamir Rice que brincando sozinho no parque;

 

“#CasoLochte é um ótimo exemplo de privilégio branco: vá a um país em desenvolvimento, aja como um idiota e culpe outra pessoa. Perfeito representante para os EUA”

 

“Se Ryan Lochte fosse negro e jogador de basquete, as palavras ‘vândalo, criminoso, perigo para sociedade, e falta de estrutura familiar’ seriam destaque nesse caso”

 

“Espero que as pessoas aprendam sobre privilégio branco vendo o que está acontecendo com Ryan Lochte”

Os americanos ainda comparam com o caso de Ryan a polêmica envolvendo ginasta Gabby Douglas. A atleta, negra, foi criticada por não ter colocado o mão no peito durante a execução do Hino dos Estados Unidos na cerimônia de entrega de medalha na Olimpíada do Rio e precisou pedir desculpas.

 

“Gabby Douglas foi destruída por causa da posição da mão. Ele urina em um negócio e culpa um país, e as pessoas estão dando desculpas”

Leia também: 

+ sobre o tema

Aluno entrega esponja de aço como presente a professora negra no DF

Uma professora de português da rede pública do Distrito...

Jamais fomos modernos

13 de maio. Data tida como histórica da Abolição...

Michelle Obama afirma que já foi tratada de forma diferente por ser negra

A primeira-dama falou de sua experiência ao ser discriminada...

Dunga se vê como ‘afrodescendente’: ‘Tanto que apanhei e gosto de apanhar’

Em coletiva polêmica, técnico da seleção brasileira ainda alfineta...

para lembrar

Yalorixa torturada e presa será recebida pelo governador da Bahia

Salvador - O governador da Bahia, Jacques Wagner, do...

Enquanto houver racismo para as mulheres negras o aborto sempre será inseguro, desumano e criminalizado

Abortei a escravidão Sem te tocar Lhe entreguei ao mar Lhe dei...

‘Devia ficar preso’, diz jovem xingada de macaca por suspeito de racismo

Metalúrgico teria chamado ainda trio de 'chitas' na terça-feira...
spot_imgspot_img

Nem a tragédia está imune ao racismo

Uma das marcas do Brasil já foi cantada de diferentes formas, mas ficou muito conhecida pelo verso de Jorge Ben: "um país tropical, abençoado...

Futuro está em construção no Rio Grande do Sul

Não é demais repetir nem insistir. A tragédia socioclimática que colapsou o Rio Grande do Sul é inédita em intensidade, tamanho, duração. Nunca, de...

Kelly Rowland abre motivo de discussão com segurança em Cannes: ‘Tenho limites’

Kelly Rowland falou à imprensa sobre a discussão que teve com uma segurança no tapete vermelho do Festival de Cannes durante essa semana. A cantora compartilhou seu...
-+=