Amnistia Internacional: Angola está a viver “retrocesso” de direitos fundamentais

Enviado por / FontePor Thiago Melo, do DN

Angola está a viver um “retrocesso” dos direitos humanos com a crescente repressão das autoridades contra as manifestações pacificas da população. É a avaliação que a Amnistia Internacional faz depois do país assistir a mais um episódio de violência policial contra cidadãos na quarta-feira (11.11), dia em que o país celebrou 45 anos de independência.

Pelo menos uma pessoa morreu, dizem os organizadores da marcha. Uma informação refutada pela polícia. A Amnistia pede a responsabilização das autoridades responsáveis pela violência.

Em entrevista à DW África, o diretor-executivo da Amnistia Internacional em Portugal, Pedro Neto, lembrou que, para além do foco de repressão policial que se vive em Luanda, é importante não esquecer também a repressão que se vive em Cabinda.

Em relação à situação preocupante dos crescentes ataques em Cabo Delgado, norte de Moçambique, Pedro Neto alertou que o Governo tem de mudar de narrativa.

DW África: Como é que a Amnistia Internacional avalia os últimos acontecimentos em Angola?

Pedro Neto (PN): É uma grande desilusão porque, de facto, estamos a ver que toda a esperança no novo Governo – que existiu aquando da tomada de posse e que houve até reuniões do Presidente João Lourenço com ativistas da sociedade civil e de direitos humanos de Angola – se está a esfumar. [Vemos isso] pela forma como o Governo e as autoridades policiais estão a lidar com a liberdade de expressão e de manifestação pacífica neste contexto da Covid-19, que não pode ser usado como desculpa para reprimir a sociedade civil nem as suas reinvindicações legítimas e se o fazem dentro dos limites da liberdade de expressão e de manifestação e de forma pacífica. Lamentamos a violência que tem existido na repressão que está a ser feita.

DW África: Esta situação não é nova em Angola. Apesar de o Governo falar atualmente em medidas excecionais devido à Covid-19, já houve outros episódios de repressão policial e detenções arbitrárias nos últimos anos. Angola estaria estagnada nesse estado de repressão de direitos fundamentais?

PN: Estagnada, por vezes com ligeiros avanços, mas que se recuam rapidamente. Aquilo que estamos a ver agora é um recuo e um retrocesso. De facto, há aqui epicentros que é preciso destacar. Um é Luanda, onde as pessoas não veem conferidas a sua liberdade de manifestação e de legitimar e falar das preocupaçóes que sentem. Portanto, não é uma afronta política, nem é aquilo que se via antes que era a ausência completa de liberdade de expressão na luta pelo poder. São reinvidicações humanitárias quase. Há outro epicentro, que é pouco falado regularmente mas que não nos podemos esquecer, que é Cabinda. [Lá] as autoridades policiais e governamentais continuam a agir com completa impunidade, reprimindo a população civil e com um ambiente que é terrível de repressão e de perseguição às pessoas.

Pedro Neto, diretor-executivo da Amnistia Internacional em Portugal

DW África: E que providências devem ser tomadas para assegurar a liberdade de manifestação dos cidadãos angolanos e a responsabilização dos que estão a violar esse direito?

PN: Em primeiro lugar, as manifestações têm de ser permitidas. Neste contexto da Covid-19 têm de se dar condições para que as manifestações ocorram em segurança sanitária. Em segundo lugar, compete ao Governo e às autoridades policiais garantir que essas manifestações possam ocorrer num ambiente salutar e pacífico. Em terceiro lugar, tem que haver uma abertura no país para a diversidade de opinião e o Governo não pode tomar isto como uma afronta pessoal ou como uma tentativa de afrontarem o seu poder. As autoridades que usam excessivamente a força e torturam pessoas e até, neste caso, com violência que leva à morte, têm de ser responsabilizados. E esse é um papel que cabe à Justiça administrar porque é daí também que virá a confiança da população no seu Governo.

DW África: Agora sobre Moçambique, a situação em Cabo Delgado parece estar a deteriorar-se, numa altura em que chegam notícias de novos massacres. A Amnistia tem estado a acompanhar esta situação?

PN: Sim, temos estado a acompanhar. Nós verificamos que os ataques, mesmo neste contexto de pandemia, estão a aumentar significativamente, pelos relatos de um massacre que ocorreu, em que levaram pessoas para um campo de futebol para as executarem. E, portanto, o Governo moçambicano tem de dar atenção a este assunto e tem de mudar a sua narrativa de ataque às organizações da sociedade civil e de tensão e repressão a jornalistas.

+ sobre o tema

Tartarugas Ninja – Caos Mutante traz uma nova heroína para o cinema?

O novo filme das Tartarugas Ninjas Caos Mutante chegou...

Oxfam Brasil contrata Coordenador(a) de Captação Institucional

A Oxfam Brasil promove o combate à discriminação de...

Governo defende liberar aborto

Programa federal retoma polêmica e recomenda ao Congresso descriminalizar...

COVID-19: crises de ansiedade afetaram 63% dos jovens no último semestre

Foi publicada nesta terça-feira (27) a pesquisa “Juventudes e...

para lembrar

Para presidente de CPI, escravocratas têm assento no Congresso

O presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do...

Brasileiros são os que mais temem tortura na prisão

Oito em cada dez brasileiros temem ser vítimas de...

Povos indígenas no Brasil na visão de Eduardo Viveiros de Castro

Antropólogo revela faceta pouco conhecida de sua trajetória e...

Em 5 horas a Polícia vai matar um jovem de 15 a 29 anos

POLÍCIA MATA UMA PESSOA NO BRASIL A CADA CINCO...
spot_imgspot_img

Curso introdutório de roteiro para documentário abre inscrição

Geledés Instituto da Mulher Negra está promovendo formações totalmente online para jovens negres em todo o Brasil. Com um total de 6 formações independentes...

Desenrola para MEI e micro e pequenas empresas começa nesta segunda

Os bancos começam a oferecer, a partir desta segunda-feira (13), uma alternativa para renegociação de dívidas bancárias de Microempreendedores Individuais (MEI) e micro e...

“Geledés é uma entidade comprometida com a transformação social”, diz embaixador do Brasil no Quênia

Em parceria com a Embaixada do Brasil no Quênia, Geledés - Instituto da Mulher Negra promoveu nesta sexta-feira 10, o evento “Emancipação Econômica da...
-+=