Ana Moser: “Profundamente ENVERGONHADA com o papelão de alguns atletas do meu vôlei”

A reeleição da presidente Dilma, neste domingo, gerou uma série de comentários nas redes sociais. Muitas pessoas comemoravam a vitória do PT, enquanto outras escolheram criticar. Houve até quem apelasse para o preconceito contra nordestinos, região onde a presidente teve a maioria de seus votos. Após ler diversos comentários deste tipo escrito por colegas do vôlei, a ex-jogadora Ana Moser criticou a postura deles.

“Profundamente ENVERGONHADA com o papelão de alguns atletas do meu voleibol. Espalham o ódio, preconceito e falta de respeito pela democracia. Não é competição, é eleição. Não se veste de camisa de torcida, se toma um lado antes e depois o mesmo. Falta maturidade e bom senso político. Entraram no clima de Fla x Flu sem saber muito jogar o jogo”, escreveu ela em seu Twitter.

Sem fugir dos questionamentos de seus seguidores, Ana Moser disse a quem estava se dirigindo. “Vi Sheilla, Nalbert e acho que Lucão. Me avisaram e procurei um pouco. Acho que tem mais. Opinião é livre. Desrespeito na derrota, pelos que tem outra opinião, xingamentos, chamar de porcos e burros, não é certo”, disse ela.

Campeão olímpico com a seleção masculina em 2004, Nalbert tuítou a seguinte opinião, assim que soube do resultados da eleição: “É como ser assaltado na rua e chamar o assaltante pra tomar uma cerveja em casa”. Nalbert é patrocinado pelo Banco do Brasil, empresa estatal, pelo programa “Embaixadores do Esporte”, e acabou de renovar seu contrato.

Com a repercussão de seus posts, Nalbert acabou apagando essa mensagem, ao contrário de Sheilla e Lucão, que mantêm os seus até o momento. “Agora que não volto para o Brasil mesmo, vai ser igual a Cuba”, escreveu a jogadora, que atua no Vakifbank, da Turquia.

Lucão, conhecido por sua raça dentro de quadra, acabou sendo um pouco mais grosseiro. “Pago meus impostos sim, quero que o PT vá se f…., e outra coisa, se não gostar vai pra pqp!”, opinou.

Rapidamente os fãs dos atletas começaram a se manifestar nas redes sociais. Em sua maioria, apoiaram a clareza de ideias de Ana Moser e também condenaram a postura de Nalbert, Sheilla e Lucão.

Fonte: Dcm

 

+ sobre o tema

Justiça condena homem por racismo contra gerente de supermercado no DF

Ele foi condenado a dois anos de prisão e...

Alguns desafios para o surgimento de um novo homem

por Sérgio Martins A enorme crise que a principal figura...

Vestibular da Unicamp tem 51,9% dos aprovados de escola pública e 21,5% negros

A lista dos aprovados na primeira chamada do vestibular...

No caso Rafael Braga depoimento da polícia basta

Único condenado nos protestos de 2013 por portar frasco...

para lembrar

Para brasileiro vencedor do ‘Oscar dos Quadrinhos’, negros vivem história de apagamento

Poucos brasileiros ganharam o Eisner Awards, o Oscar dos quadrinhos norte-americanos. O...

Deputado sueco renuncia por escândalo de racismo

Um deputado sueco, considerado um forte candidato ao posto...

Intolerância religiosa representa um terço dos processos de racismo

A intolerância religiosa representa um terço (33%) dos processos...

Resolução determina fim dos autos de resistência em registros policiais

Uma resolução conjunta do Conselho Superior de Polícia, órgão...
spot_imgspot_img

Como as mexicanas descriminalizaram o aborto

Em junho de 2004, María, uma jovem surda-muda de 19 anos, foi estuprada pelo tio em Oaxaca, no México, e engravidou. Ela decidiu interromper...

Como o diabo gosta

Um retrocesso civilizatório, uma violência contra as mulheres e uma demonstração explícita do perigo que é misturar política com fundamentalismo religioso. O projeto de lei...

Homens, o tema do aborto também é nossa responsabilidade: precisamos agir

Nesta semana, a escritora Juliana Monteiro postou em suas redes sociais um trecho de uma conversa com um homem sobre o aborto. Reproduzo aqui: - Se liberar o...
-+=