Tag: Vôlei

    Divulgação/FIVB

    Alan é eleito MVP da Copa do Mundo de Vôlei: ‘A ficha ainda não caiu’

    Jogador de 26 anos foi o destaque da campanhada seleção na conquista do torneio No A Tarde Foto: Divulgação/FIVB Vencedor da edição de 2019 da Copa do Mundo, a seleção brasileira masculina de vôlei teve a sua superioridade no torneio reconhecida com a escolha do time ideal do torneio. Afinal, a equipe teve três atletas eleitos, incluindo o MVP do torneio, o oposto Alan. Alan, de 25 anos, já havia sido eleito o melhor jogador do Sul-Americano, torneio que a seleção já havia vencido nesta temporada. E destacou ter vivido uma temporada especial pelo Brasil. "A ficha ainda não caiu. É o meu primeiro ano aqui na seleção e já consegui conquistar bastante coisa. Para mim está sendo muito importante toda essa experiência e estar com todo esse pessoal que é extremamente importante dentro do voleibol, que fez e ainda faz história. Estou muito contente com ...

    Leia mais
    Grande destaque do Campeonato Mundial feminino de vôlei, Paola Egonu, aos 19 anos, luta contra o racismo e busca se firmar como uma grande jogadora (Fotos: Divulgação/FIVB)

    Destaque do Mundial luta contra o racismo e busca afirmação como jogadora

    Com apenas 19 anos de idade, ela viveu – e ainda vive – experiências pessoais e profissionais tão marcantes que, certamente, foram e serão decisivas na sua trajetória. Tão jovem, ela se tornou a maior pontuadora de todos os tempos em uma partida de Campeonato Mundial, ao colocar 45 bolas no chão na fantástica semifinal contra a seleção chinesa. Com este feito histórico, ultrapassou o recorde de 40 acertos de Yelena Pavlova na derrota da equipe cazaque por 3 sets a 2 para os EUA, em 2006. Como se não bastasse, também foi o grande destaque de sua seleção na conquista da medalha de prata, neste sábado (20), marcando 33 vezes e levando o prêmio de melhor oposta da competição. Sem falar que ainda terminou o Mundial como aquela com o maior número de acertos (324 ao total). No entanto, se engana quem pensa que os incríveis números da oposta ...

    Leia mais
    Tiffany Abreu, 34 anos, foi a primeira transexual a entrar em quadra por uma partida oficial da Superliga, principal campeonato de vôlei do Brasil. (REPRODUÇÃO/TWITTER)

    Atletas transgêneros têm de ser incluídos no esporte, diz Federação Internacional de Vôlei

    Para comissão médica a participação de transgêneros é fundamental, mas eles devem ser liberados pelas federações nacionais. Por Andréa Martinelli, do HuffPost Brasil Tiffany Abreu, 34 anos, foi a primeira transexual a entrar em quadra por uma partida oficial da Superliga, principal campeonato de vôlei do Brasil. (REPRODUÇÃO/TWITTER) O caso da jogadora de vôlei transexual, Tiffany Abreu, 34 anos, tem causado mal estar na Superliga Feminina e dividido opiniões entre especialistas. Na tarde desta quarta-feira (24), após uma reunião em Lausanne, na Suíça, integrantes da FIVB (Federação Internacional de Vôlei) ratificaram o posicionamento da organização, favorável 'à manutenção de atletas transexuais no esporte. Além de reforçar sua posição, a FIVB manteve as condições vigentes estabelecidas pelo COI (Comitê Olímpico Internacional) em 2015, se comprometeu a "estudar melhor a questão" e ainda ratificou que a participação de transgêneros ou não nos times é responsabilidade das federações locais. "Hoje fizemos avanços significativos em ...

    Leia mais
    blank

    Abel Neto relata que é vítima de ofensas racistas em estádios brasileiros

    Com a presença da atleta transgênero Isabelle Neris, jogadora do time de vôlei Voleiras, o programa Bem, Amigos! de segunda-feira (3) promoveu um debate sobre discriminação no esporte. Presente na atração, o repórter da TV Globo Abel Neto contou que já foi vítima de ofensas racistas em estádios de futebol. no UOL Esportes ''Muitas vezes. Até hoje quando vou a algum estádio, dependendo do estádio tem alguns xingamentos. Em português claro: macaco. Na verdade, esse tipo de falta de educação, de intolerância, tem relação com todo mundo, independente de ser negro. Às vezes é por bairrismo, já vi mulheres repórteres, ofensas, xingamentos. São coisas que existem, infelizmente, não só no Brasil, mas em todas os países no mundo, mas que a gente tem que enfrentar'', disse Abel, quando questionado pelo apresentador Luis Roberto sobre o assunto. ''Acho que todo mundo é igual, mulher, negro, branco, japonês, índio. Enfim, se você tem ...

    Leia mais
    blank

    Fabiana: ‘Querendo ou não, carrego bandeiras. O fato de ser mulher e negra é bem significativo’

    Uma gigante, e não pelos seus 1,93m. A mineira Fabiana Claudino, 31, já entrou para a história como uma das melhores centrais do mundo e líder de uma das maiores seleções de vôlei de todos os tempos. E, como não bastassem os dois ouros olímpicos (Pequim-2008 e Londres-2012), também está eternizada como primeira atleta a conduzir a Tocha dos Jogos de 2016 no Brasil. Por Cristiano Martins Do Hoje em Dia O papel de destaque foi sendo construído com muita personalidade ao longo de 15 anos como profissional, 13 deles dedicados à Seleção, da qual decidiu se despedir após a eliminação na Olimpíada do Rio. Voz ativa contra irregularidades na gestão da CBV (Confederação Brasileira de Vôlei) e pela equiparação salarial entre homens e mulheres na modalidade, entre outros temas, ela foi eleita praticamente por unanimidade como capitã da equipe nacional. Agora, tem o desafio de guiar o Praia Clube de ...

    Leia mais
    Brazil's Fabiana Claudino (C) spikes the ball against Serbia during the women's volleyball World Grand Prix Final in Sapporo, Japan's northern island of Hokkaido on August 31, 2013. Brazil defeated Serbia 27-25, 25-21, 25-22. AFP PHOTO / JIJI PRESS JAPAN OUT (Photo credit should read JIJI PRESS/AFP/Getty Images)

    Fabiana dá adeus à seleção com desabafo no Instagram: “está doendo muito”

    Como já tinha indicado após a derrota para a China, a meio-de-rede Fabiana anunciou nesta quarta-feira a sua aposentadoria da seleção de vôlei após 13 anos defendendo as cores verde e amarela. Ela disse, em uma mensagem no Instagram,  que a eliminação nas quartas de final dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro ainda está doendo muito. Do UOL "A dor desse momento me faz relembrar toda uma vida dedicada ao meu país e ao esporte que tanto amo”, escreveu a jogadora, que se despediu como capitã da equipe e agradecida pelo apoio recebido ao longo de sua trajetória. "Fica aqui minha despedida da seleção, foram 13 anos de uma trajetória linda e que me orgulha demais. Foi gratificante em meu último jogo pelo meu país, escutar o Maracanãzinho lotado gritar meu nome, e essa sensação e esse brilho que nós todas tivemos até aqui, ninguém pode desmerecer ou apagar", disse Durante os 13 anos ...

    Leia mais
    blank

    Cuba punirá jogadores da seleção de vôlei detidos após acusação de estupro

    Após seis jogadores serem acusados de "estupro agravado" na cidade de Tampere, na Finlândia, a Federação Cubana de Vôlei (FCV) informou que adotará "medidas" por comportamento que "não corresponde à ética e aos princípios". Da  Folha de São Paulo  "No plano interno tomaremos as medidas que exigem comportamentos que não correspondem à ética e aos princípios nos quais fomos educados", declarou a FCV em um comunicado divulgado na imprensa local. Os jogadores envolvidos são Osmany Santiago Uriarte Mestre, Abrahan Alfonso Gavilán, Ricardo Norberto Calvo Manzano, Rolando Cepeda Abreu, Luis Tomás Sosa Sierra e Dariel Albo Miranda. Eles estão na Finlândia, onde a seleção cubana disputou partidas pela Liga Mundial de vôlei. De acordo com a imprensa finlandesa, o estupro ocorreu no hotel onde a seleção cubana estava hospedada. Os acusados devem comparecer nesta terça-feira diante de um tribunal que determinará se serão soltos ou colocados em detenção provisória. A seleção ...

    Leia mais
    blank

    Nº 1 do revezamento no Brasil, Fabiana fala de racismo, machismo e política

    Capitã da seleção feminina de vôlei e bicampeã olímpica, central diz que é preciso quebrar o lado machista, dar mais oportunidade aos negros e vibrar com Olimpíadas Por Thierry Gozzer, do Globo Esporte    Cabelos presos e sorriso no rosto. Fabiana Claudino desceu a rampa do Palácio do Planalto, em Brasília, pronta para abraçar o mundo. Mas, sem abrir mão de suas convicções. No último domingo, logo pela manhã, acordou com a notícia de que não conduziria a tocha olímpica em Vitória, capital do Espírito Santo, no próximo dia 17. Por uma escolha pessoal da presidente Dilma Rousseff, coube a capitã da seleção bicampeã olímpica de vôlei ser a primeira atleta a escoltar um dos símbolos olímpicos, nesta terça-feira, na capital federal. Mulher, negra, Fabiana recebeu de outra mulher a tocha que esteve em suas mãos por pouco mais de um minuto. Ao fim de sua jornada, além de exaltar ...

    Leia mais
    blank

    Fabiana, a primeira condutora: “Como mulher e como negra, esse momento representa muito para mim”

    A chama olímpica está a caminho de Brasília e será conduzida, a partir desta terça-feira (3), pelas cinco regiões brasileiras. Uma cerimônia no Palácio do Planalto dará início ao revezamento que vai mobilizar mais de 12 mil condutores e chegar a cidades que representam mais de 90% da população brasileira. Por volta das 10h, uma mineira nascida numa cidade de menos de 80 mil habitantes chamada Santa Luzia terá a honra de ser a primeira brasileira a conduzir a chama no roteiro nacional. Integrante de um seletíssimo grupo de 12 atletas bicampeões olímpicos  no Brasil e considerada uma das melhores centrais do mundo, Fabiana Claudino não esconde o simbolismo que enxerga na indicação. Do Brasil2016 "Como mulher e como negra, esse momento representa muito para mim. Mostra como temos evoluído em relação ao machismo e ao racismo que, infelizmente, são situações que ainda existem. Eu me sinto honrada principalmente por ser ...

    Leia mais
    blank

    Mais um caso de racismo no vôlei e o silêncio cúmplice dos cartolas

    O vôlei brasileiro voltou a ser alvo de mais um caso de racismo. Os xingamentos à meio de rede Fernanda Isis foram a cereja do bolo na confusão da partida entre Concilig/Bauru e Uniara/Afav, em Araraquara, que terminou com violência, mulheres agredidas e ajuda da polícia para conter os ânimos. Por Mariana Lajolo Do Esporte Final Segundo nota do Bauru, Fernanda foi chamada de “bunda de macaco” por torcedores. As cenas lamentáveis de violência que foram vistas em quadra não são constantes nas disputas de vôlei. Já o racismo não tem sido tão raro assim. Como bem lembrou Daniel Bortoletto, no “Lancenet!”, os casos de preconceito se acumulam sem que nenhuma providência enérgica seja tomada pelos dirigentes. Ramirez, Wallace e Fabiana já foram ofendidos por serem negros. Michael sofreu agressões por ser homossexual. Mas nenhuma medida foi implantada. Nada que assuste racistas e preconceituosos e os faça pensar duas vezes antes ...

    Leia mais
    blank

    Aos 45 anos, Fofão, enfim, parou. E a seleção ganhou um novo reforço

    Fofão mal havia acabado de fazer o último ponto de sua carreira, em um emocionante e merecido jogo de despedida, e José Roberto Guimarães já tentava lhe arranjar um novo emprego. O treinador da seleção feminina quer a ex-jogadora a seu lado para passar experiência às novas levantadoras do Brasil. Ele sabe, talvez mais do que qualquer outra pessoa, o quão importante é contar com as mãos e com a cabeça de uma das maiores jogadoras de todos os tempos. POR MARIANA LAJOLO do Esporte Fino  Fofão já disse sim. Talvez nem ela mesma seja capaz de ficar tão longe do vôlei. Só conseguiu dizer o adeus definitivo às quadras aos 45 anos, no último fim de semana. Persistência. Lutou contra as limitações do corpo, encarou as novatas cheias de gás e foi reverenciada até o final. Hélia Rogério de Souza Pinto é uma dessas raras unanimidades no esporte. Muitos podem ...

    Leia mais
    blank

    Família do homem que fez insulto racista a Fabiana quer o perdão da jogadora

    Irmãs do porteiro que chamou a atleta de "macaca" querem se encontrar com ela Por  Ivan Drummond no Super Esportes Uma família constrangida e à procura do perdão. Assim estão as irmãs de Jefferson Gonçalves de Oliveira, o homem de 43 anos que na terça-feira ofendeu a jogadora de vôlei bicampeã olímpica Fabiana Claudino, chamando-a de “macaca”. A atitude havia provocado uma onda de indignação que começou com a atleta, tomou as redes sociais, envolveu vários representantes da comunidade esportiva e também sócios e torcedores do Minas. Ontem, uma das irmãs do porteiro, que cometeu a injúria racial durante jogo entre o Minas e o Sesi, na Arena JK, Júlia Allegri, de 48 anos, afirmou que gostaria de pedir desculpas pessoalmente à meio de rede. Em férias em Belo Horizonte, ela trabalha num hospital na Suécia, onde vive e é casada. Júlia revelou que essa não é a primeira vez que ...

    Leia mais
    blank

    Após ser vítima de racismo na Superliga, Fabiana Claudino, capitã da seleção desabafa: ‘Basta de ódio’

    A central Fabiana Claudino, do Sesi-SP e da seleção brasileira, acusou um torcedor de racismo na partida contra o Minas, na última terça-feira, pela Superliga feminina. Segundo a atleta, um homem a chamou de "macaca" e perguntou se ela "queria banana". no ESPN O caso aconteceu no ginásio do Minas, em Belo Horizonte. Ainda de acordo com Fabiana, a equipe mineira retirou o torcedor das arquibancadas e o encaminhou à delegacia. Em suas redes sociais, a capitã da seleção brasileira, que é mineira, desabafou e exigiu o fim das manifestações de ódio e da intolerância. "Ontem, durante o jogo contra o Minas, um senhor disparava uma metralhadora de insultos racistas em minha direção. Era 'macaca quer banana', 'macaca joga banana', entre outras ofensas. Esse tipo de ignorância me atingiu especialmente porque meus familiares estavam assistindo a partida. Ele foi prontamente retirado do ginásio pela direção do Minas Tênis Clube e ...

    Leia mais
    blank

    Ana Moser: “Profundamente ENVERGONHADA com o papelão de alguns atletas do meu vôlei”

    A reeleição da presidente Dilma, neste domingo, gerou uma série de comentários nas redes sociais. Muitas pessoas comemoravam a vitória do PT, enquanto outras escolheram criticar. Houve até quem apelasse para o preconceito contra nordestinos, região onde a presidente teve a maioria de seus votos. Após ler diversos comentários deste tipo escrito por colegas do vôlei, a ex-jogadora Ana Moser criticou a postura deles. “Profundamente ENVERGONHADA com o papelão de alguns atletas do meu voleibol. Espalham o ódio, preconceito e falta de respeito pela democracia. Não é competição, é eleição. Não se veste de camisa de torcida, se toma um lado antes e depois o mesmo. Falta maturidade e bom senso político. Entraram no clima de Fla x Flu sem saber muito jogar o jogo”, escreveu ela em seu Twitter. Sem fugir dos questionamentos de seus seguidores, Ana Moser disse a quem estava se dirigindo. “Vi Sheilla, Nalbert e acho ...

    Leia mais
    Fabiana-claudino

    Campeã Olímpica Fabiana Claudino faz seu desfile de vitória hoje

    A jovem atleta luziense Fabiana Claudino, da Seleção Brasileira de Volei e Campeã Olímpica dos jogos de Londres desembarca hoje quinta-feira, dia 16/08, ás 09h30, no Aeroporto Internacional de Confins e hoje também esta previsto um desfile em carro aberto da jovem pela cidade com previsão de inicio as 14h, partindo do portal da cidade, na Av. Brasília, com destino a Matriz de Santa Luzia. Estamos todas e todos mineiros orgulhosas/os de ter uma representante nos jogos de Londres.A estréia de Fabiana no time principal do Brasil aconteceu em 2002 (aos 18 anos), Na época, Fabiana também jogava pela Seleção Juvenil na qual Fabiana foi campeã mundial na Tailândia. Em 2003 Fabiana disputou os Jogos Pan-Americanos de Santo Domingo. Na ocasião o Brasil competiu com uma equipe juvenil. Mais tarde disputou o Grand Prix no qual conquistou o primeiro lugar e as Olimpíadas de Atenas em 2004 ficando em quarto ...

    Leia mais
    wallace e o racismo

    Alvo de racismo, Wallace ganha vaga na hora da decisão do vôlei

    por: MARIANA BASTOS Apenas cinco meses separam um dos momentos mais traumáticos da carreira de Wallace, 25, de seu auge Negro, de origem humilde, o oposto da seleção foge do padrão dos atletas do vôlei, um esporte dominado no Brasil por brancos de classe média. Não é à toa que ele não esconde que seu maior ídolo é o líbero Escadinha, um dos poucos de origem parecida. Em março, o caçula da seleção foi vítima de ofensa racial durante uma partida da Superliga. Agora, em Londres, com a contusão de Leandro Vissotto, deve ganhar a titularidade na equipe de Bernardinho, justamente em uma semifinal de Olimpíada. O time busca hoje, às 15h30 (de Brasília), contra a Itália uma vaga na final dos Jogos. Wallace não gosta de relembrar do dia em que foi chamado de "macaco" por uma torcedora no ginásio do Minas, em Belo Horizonte. Desde o episódio, ele ...

    Leia mais
    2466155-4546-rec

    Olimpíadas 2012 ‘Espiã’ americana destrói Brasil, e Zé Roberto diz: foi imparável

    Por: CELSO PAIVA Quando a Seleção Brasileira feminina de vôlei entrou em quadra para enfrentar os Estados Unidos, nesta segunda-feira, já sabia que do outro lado da quadra teria uma jogadora que conhece muito bem grande parte do elenco atual comandado por José Roberto Guimarães. Maior pontuadora da final da última Superliga feminina, atuando pelo Sollys Osasco, a oposto Destinee Hooker fez valer o seu papel de "espiã", soube como passar pelo sistema defensivo do Brasil e foi decisiva na vitória por 3 sets a 1. Com 25 pontos, a americana destroçou a recepção brasileira, principalmente no segundo set, e parecia não ver barreiras pela frente. Além de ir bem no ataque, a jogadora teve uma atuação de se reverenciar no bloqueio, neutralizando várias investidas da Seleção durante toda a partida. "A Hooker para mim fez a diferença do jogo, com 25 pontos. A gente não conseguiu pará-la em momento ...

    Leia mais
    sassa

    Pai fica sem voz, mãe ‘chora junto’ e Sassá mal consegue falar após título

    Por: Carol Oliveira Final da Superliga traz família Gonzaga de Barbacena para São Paulo Nos últimos cinco meses, Seu João Carlos e Dona Sônia Gonzaga adequaram suas vidas ao calendário intenso de jogos da Superliga. Quando não podiam assistir aos confrontos ao vivo, se programavam para acompanhar pela televisão. O que não podia mesmo era perder a filha, uma das campeãs olímpicas de Pequim-2008, em quadra pelo Osasco. Para a final de domingo, no ginásio do Ibirapuera, o esquema foi montado com cuidados especiais. O casal deixou a cidade mineira de Barbacena com antecedência para assegurar que estariam presentes, e vestidos de laranja, na torcida por Sassá.   - A gente preparou tudo para chegar aqui na quinta-feira. Chegamos cedo. Mas foi bom, pois conseguimos ver todos os treinos - contou o simpático pai da campeã olímpica, rouco de tanto gritar e com um chapelão da cor do time paulista ...

    Leia mais
    Anderson Rodrigues

    Anderson Rodrigues

    Anderson de Oliveira Rodrigues ,21/05/1974, Belo Horizonte (MG), Clube: Piacenza (ITA),Posição: oposto Anderson Rodrigues é um jogador de voleibol brasileiro. Atua como oposto. Também praticou futebol, sendo goleiro até os dezoito anos de idade, com passagens por clubes como Cruzeiro e América-MG. Participações em Olimpíadas: Atenas-2004 Campanha em Atenas: ouro Principais conquistas: ouro em Atenas-2004, campeão mundial (2002), da Copa do Mundo (2003) e da Liga Mundial (2001, 2003 e 2004) Em sua estréia em Olimpíadas, Anderson ajudou a seleção masculina a conquistar sua segunda medalha de ouro em Olimpíadas e o único título que ele e os integrantes da "Era Bernardinho" ainda não tinham. Anderson Rodrigues O oposto foi reserva da equipe, atuando principalmente no fim dos sets, em quase todos os jogos do Brasil em Atenas. Na final, contra a Itália, foi bloqueado duas vezes seguidas no quarto set e com isso os adversários encostaram ...

    Leia mais
    AFP PHOTO/ALEXANDER JOE

    Anderson Rodrigues

    Anderson de Oliveira Rodrigues ,21/05/1974, Belo Horizonte (MG), Clube: Piacenza (ITA),Posição: oposto Participações em Olimpíadas: Atenas-2004 AFP PHOTO/ALEXANDER JOE Campanha em Atenas: ouro Principais conquistas: ouro em Atenas-2004, campeão mundial (2002), da Copa do Mundo (2003) e da Liga Mundial (2001, 2003 e 2004) Em sua estréia em Olimpíadas, Anderson ajudou a seleção masculina a conquistar sua segunda medalha de ouro em Olimpíadas e o único título que ele e os integrantes da "Era Bernardinho" ainda não tinham. O oposto foi reserva da equipe, atuando principalmente no fim dos sets, em quase todos os jogos do Brasil em Atenas. Na final, contra a Itália, foi bloqueado duas vezes seguidas no quarto set e com isso os adversários encostaram no placar. Mesmo assim, o levantador Ricardinho insistiu com Anderson na jogada seguinte, e ele teve a alegria de fazer o 24º ponto, penúltimo da vitória. Com o ...

    Leia mais

    Últimas Postagens

    Artigos mais vistos (7dias)

    Instagram

    Twitter

    Facebook

    Welcome Back!

    Login to your account below

    Create New Account!

    Fill the forms bellow to register

    Retrieve your password

    Please enter your username or email address to reset your password.

    Add New Playlist