sexta-feira, julho 1, 2022
InícioQuestão RacialCasos de RacismoApós ser vítima de racismo na Superliga, Fabiana Claudino, capitã da seleção...

Após ser vítima de racismo na Superliga, Fabiana Claudino, capitã da seleção desabafa: ‘Basta de ódio’

A central Fabiana Claudino, do Sesi-SP e da seleção brasileira, acusou um torcedor de racismo na partida contra o Minas, na última terça-feira, pela Superliga feminina. Segundo a atleta, um homem a chamou de “macaca” e perguntou se ela “queria banana”.

no ESPN

O caso aconteceu no ginásio do Minas, em Belo Horizonte. Ainda de acordo com Fabiana, a equipe mineira retirou o torcedor das arquibancadas e o encaminhou à delegacia.

Em suas redes sociais, a capitã da seleção brasileira, que é mineira, desabafou e exigiu o fim das manifestações de ódio e da intolerância.

“Ontem, durante o jogo contra o Minas, um senhor disparava uma metralhadora de insultos racistas em minha direção. Era ‘macaca quer banana’, ‘macaca joga banana’, entre outras ofensas. Esse tipo de ignorância me atingiu especialmente porque meus familiares estavam assistindo a partida. Ele foi prontamente retirado do ginásio pela direção do Minas Tênis Clube e encaminhado à delegacia. Agradeço a atitude do Minas, em não ser conivente com esse absurdo”, relatou.

A central Fabiana Claudino2
Fabiana é jogadora do Sesi / ALEXANDRE ARRUDA/CBV

“Refleti muito sobre divulgar ou não, mas penso que falar sobre o racismo ajuda a colocar em discussão o mundo em que vivemos e queremos para nossos filhos. Eu não preciso ser respeitada por ser bicampeã olímpica ou por títulos que conquistei, isso é besteira! Eu exijo respeito por ser Fabiana Marcelino Claudino, cidadã, um ser humano. A realidade me mostra que não fui a primeira e nem serei a última a sofrer atos racistas, mas jamais poderia me omitir. Não cabe mais tolerarmos preconceitos em pleno século XXI”, prosseguiu.

“A esse senhor, lamento profundamente que ache que as chicotadas que nossos antepassados levaram há séculos, não serviriam hoje para que nunca mais um negro se subjugue à mão pesada de qualquer outra cor de pele. Basta de ódio! Chega de intolerância!”, finalizou.

Segundo explicou o coordenado de imprensa do Minas, Rodrigo Fuscaldi, ao ESPN.com.br, Fabiana não fez boletim de ocorrência, e, portanto, o caso não tem como ir à frente.

“O caso se esgota no momento em que a Fabiana não apresentou uma denúncia. O clube fez o B.O., mas, para que isso fosse a frente, a Fabiana teria que apresentar uma denúncia, já que ela é quem foi agredida. Como isso não foi feito, o Minas vai tomar as medidas que lhe cabem, para evitar que isso acontece novamente”, afirmou.

O Minas venceu o Sesi por 3 sets a 1. Fabiana anotou 19 pontos, terminando como maior pontuadora do duelo, que foi válido pela 4ª rodada do returno da Superliga.

Artigos Relacionados
-+=