Anderson Silva tomba e Cauby canta Cavalo-marinho – por Cidinha da Silva

Dear Spider,

Eu não vi sua luta, nem sabia que você lutava na manhã daquele domingo em que o mercado do Bará pegou fogo em Porto Alegre. Mas, te conto que vez ou outra assisto lutas e só por você o faço, como faria por Mohamed, que lutou por mim, como você. Afora isso, não sou platéia para ver homem dar porrada em outro homem. Tanta coisa mais interessante duas mulheres fazem num ringue.

Em contrapartida, assisto vezes sem conta todos os reclames publicitários nos quais você participa e me delicio sempre. Você-ator e o Anderson são ótimos, justamente por serem indistintos. Leio também suas entrevistas, presto muita atenção ao que você fala e vibro com os sentimentos bons que você desperta por onde passa.

Tanta gente te admira, homens, mulheres, crianças. Seus golpes precisos e viris são a voz da gente achatada que encontra em você o vingador altivo, leal e de bem com a vida.

Naquela manhã você tombou, mas continuou grande, como sempre foi, porque caiu com dignidade, jogando o jogo dentro da regra. Sucumbiu à escolha da estratégia errada e à precisão do oponente. Pronto, nada mais.
Para os urubus, entretanto, foi prato cheio. Quiseram fazer do Spider uma vítima do Anderson. Bestas ignaras, não sabem que o risco quando dá certo traz alegria, quando dá errado, sabedoria. E você sabe aprender, malungo.

Passado o susto do nocaute, te convido a vir conosco, Anderson. Vem ouvir Cauby e o Cavalo-marinho. Você se senta ao lado do poeta que recomendou a poesia e eu ao lado do meu amor, linda como a luz da Lua. Deixa a gente ninar você com essa canção de volta a um tempo passado partilhado pelos quatro. Depois, você, nosso caçulinha campeão, enfrentando as dores inexoráveis da derrota, dormirá cedo no colo da companheira e acordará no dia seguinte, direto para o treino.

Cavalo-marinho
Dança no terreiro
Que a dona da casa
Tem muito dinheiro
Cavalo-marinho
Dança na calçada
Que a dona da casa
Tem galinha assada

*Canção de Vinícius de Moraes e Baden Powellhttp://www.goear.com/listen/ce80680/cavalo-marinho-cauby-peixoto

Por: Cidinha da Silva

A minha alma está armada e apontada para a cara do sossego, pois paz sem voz, não é paz, é medo – Por Cidinha da Silva

 

 

+ sobre o tema

Pobre Palmares!

  por Arísia Barros União,a terra de Zumbi, faz parcas e...

Olimpíadas de Tóquio devem ser novo marca na luta por igualdade

Os Jogos Olímpicos da Cidade do México, em 1968,...

Lei 13.019: um novo capítulo na história da democracia brasileira

Nota pública da Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais...

para lembrar

Leandro Fortes: O crime no poder

por Leandro Fortes, em CartaCapital   Restritas ao...

Joyce Ribeiro ganha troféu Raça Negra

Fonte: ADTV - Joyce Ribeiro (SBT) levou o troféu Raça...

A incomoda imagem “branca” de Michael Jackson e o racismo

por Sérgio Martins O talento inquestionável do rei...

Lula chora, mas volta com a língua afiada

por Rogério Santos O ex-presidente Luiz Inácio Lula da...

Ela me largou

Dia de feira. Feita a pesquisa simbólica de preços, compraria nas bancas costumeiras. Escolhi as raríssimas que tinham mulheres negras trabalhando, depois as de...

Frugalidade da crônica para quem?

Xico, velho mestre, nesse périplo semanal como cronista, entre prazos apertados de entrega, temas diversos que dificultam a escolha, e dezenas de outras demandas,...

O PNLD Literário e a censura

Recentemente fomos “surpreendidas” pela censura feita por operadoras da educação no interior do Rio Grande do Sul e em Curitiba a um livro de...
-+=