Angolana é a primeira estrangeira à frente da bateria da Pérola Negra

Ninguém pode dizer que ela não se impõe. “Deixe-me ser eu. Assim lhe dou um rosto até mais bonito”, diz ela em forte sotaque lusitano –incomodada com o “faz pose, desfaz pose”–, ao fotógrafo da *Folha* Eduardo Knapp.

Por EMILIO SANT’ANNA, do BLOG ALALAÔ

“Tá bom, mas deixa eu ser o fotógrafo e a gente chega a um acordo”, responde ele.

Ninguém pode dizer, pelo menos, que a angolana de Benguela não está sempre tentando.

Do alto do seu 1,63 m, Carmen Mouro, 38, é dona de um temperamento forte e –mais importante e lucrativo– de seis lojas de grife e do maior spa de Angola.

É também o que se pode  chamar de “self-made woman”, alguma coisa como uma mulher que se deu bem  graças ao próprio esforço.

Quando entrar na passarela do Anhembi, às 23h15, da sexta-feira (5), será a primeira estrangeira a desfilar como rainha de bateria de uma escola de samba de São Paulo, a Pérola Negra, da Vila Madalena, zona oeste paulistana.

É uma forma bem diferente de voltar ao Brasil. “Em 1994, meus pais resolveram sair de Angola por causa da guerra civil e viemos para cá.”

O destino foi Curitiba. A família não se adaptou e a aventura brasileira durou apenas três meses. Foram parar em Portugal –a antiga metrópole da colônia africana.

De lá, voltou para o Brasil “aos vinte e poucos”, para Salvador, onde ficou cinco anos e se formou em direito. Irrequieta, voltou à terra natal e de lá foi para a Grécia, na embaixada de Angola .

Assessora do embaixador, dominar o grego era fundamental. Dominou. Não só essa, mas outras cinco línguas também: inglês, espanhol, alemão, francês e italiano.

E antes que alguém faça a pergunta mais clichê do Carnaval, ela se adianta. “Já te respondo logo, todo angolano samba. Mas é aquele tipo bem baiano, mais com o pé no chão, sabe?”, afirma.

SEMBA?

Para além do nosso samba, todo angolano, diz Carmen, dança o semba –ritmo tradicional do país africano que, entre outros ,vai ser retratado pela Pérola Negra no enredo deste ano: “Do Canindé ao samba no pé, a Vila Madalena nos passos do balé”.

Do semba ao samba, foi um pulo. O impulso, no entanto, quem deu foi outra majestade, Camila Quintino, 34, ex-rainha de bateria da escola.

Há dez anos morando em Angola, ela apresentou Carmen à Pérola. “Ela chegou com muita humildade e tranquilidade e a escola abraçou”, afirma o vice-presidente Valmir Peres dos Santos.

De fato, sentada nos fundos do barracão da escola, ela parece estar bem entrosada. Só uma coisa a irritava, a falta de carboidrato.

Ela diz querer chegar à sexta (5) com seis quilos a menos. O peso atual, ela não revela. Mas garante estar bem distribuído nos 100 cm de quadril e 58 de cintura.

A mãe de três filhos e chefe de mais de 200 funcionários, porém, revela outra coisa que a tira do sério por aqui. “Infelizmente no vosso país existe ainda muito racismo”, afirma.

“Você entra numa loja, de chinelo, e a vendedora olha e vem te dizer ‘isto custa tanto’. Mas eu não estou a perguntar o preço!”, diz. “Se você coloca uma Louis Vuitton, já vem um monte. Aí já não é pela cor, é pela classe social.”

+ sobre o tema

Marta, Santos e a mulher futebolista brasileira

O nível técnico e o bom futebol apresentado pelas...

“Fui evitado por brancos, negros e gays”, diz RuPaul em resposta a seguidor

Apresentador se pronunciou sobre o movimento Black Lives Matte Do...

O Silêncio dos Inocentes – Por Adriano Senkevics

Imortalizado pelo seu emblemático papel, o experiente ator Anthony...

para lembrar

Comentaristas esportivos: respeitem Serena Willians

A campeã do tênis transcende a visão de mundo...

Caciques políticos discriminam mulheres nas eleições

De acordo com levantamento realizado pelo demógrafo José Eustáquio...

A Mulher Invisível

Tem uma frase no filme Histórias Cruzadas que marcou...

Um terço das mulheres prefere cachorro a namorado

Donas de cães passam até 219 horas por ano...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Moraes libera denúncia do caso Marielle para julgamento no STF

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), liberou nesta terça-feira (11) para julgamento a denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra...
-+=