Antropologias contra-hegemônicas: uma virada no rumo das nossas referências

“As ferramentas do senhor nunca derrubarão a casa-grande”
(LORDE, Audre. 2019. As ferramentas do senhor nunca derrubarão a casa-grande.
In Irmã Outsider: Ensaios e Conferências. Belo Horizonte: Autêntica Editora)

Há quase dois anos eu chegava de volta a Santarém, trazida pelo propósito de dar aulas na Universidade Federal do Oeste do Pará, aquela mesma em que eu havia me formado, na primeira turma do curso de Antropologia, anos antes. Daqui, parti para o mestrado e depois o doutorado na Universidade de Brasília. Já falei sobre essa experiência de retorno e reencontro algumas vezes, inclusive na tese que estou prestes a defender, sobre como ela foi definidora da forma como eu me penso como docente/educadora. Foi, e tem sido ainda, decisiva na maneira como eu enxergo a necessidade de recolocar nossos referenciais, para que eles reflitam nossas realidades e nos possibilitem pautar questões e reflexões no diálogo desde a Amazônia. Reivindico a região não apenas como lugar de enunciação, mas como chão onde assentamos percepções e elaborações intelectuais e de onde nos inspiramos para desenvolver nossas pesquisas. Como pesquisadora negra da Amazônia, formada em uma universidade do REUNI, vejo esse como um dos principais legados que a democratização do acesso ao ensino superior nos possibilitou: falar a partir dos nossos centros.

Mas antes da minha geração e da geração das que agora são minhas estudantes, outras intelectuais negras da região já estavam abrindo nossos caminhos, pensando desde aqui sobre temas, elegendo eixos de pesquisa e análise que falassem sobre a realidade de onde viemos e onde estamos. Entretanto, no cenário desigual de distribuição de capital intelectual e prestígio, essas intelectuais pouco ou nunca estiveram no horizonte das minhas leituras durante meus anos de formação. Essa é uma realidade recorrente quando prestamos atenção nos programas de disciplinas que são ministrados nos mais diversos cursos de graduação, no que Sueli Carneiro chamou de epistemicídio (2006) e que se agrava quando vamos interseccionando as opressões. Pesquisadoras do/no norte do Brasil raramente são elegidas para as bibliografias.

Passei a pensar no propósito de mexer, um pouquinho que fosse nessa estrutura, usando esse lugar tão importante de docente/educadora. Foi assim que pedi para ficar responsável nesse semestre de 2020.2 da UFOPA, por uma disciplina chamada Antropologias Contra Hegemônicas. Essa é uma matéria bastante instigante, do curso de Antropologia, que abre a possibilidade de construir um programa que debata a partir de referências e epistemologias fora dos grandes eixos do norte global ou do sul do país. A proposta desse curso, então, como estamos pensando coletivamente em sala de aula, é que, refletindo sobre o lugar onde estamos nos formando, uma universidade no interior da Amazônia, nós possamos nos conectar de maneira mais direta com a produção de intelectuais da e na região. O legado de pesquisadoras negras que fazem da Amazônia seu chão, será o foco do nosso curso, com elas vamos nos apropriar daquilo que é elaborado enquanto perspectiva teórica e metodológica por nós. Na ruptura de invisibilidades interseccionais, historicamente construídas, vamos trazer essas autoras para o nosso horizonte de formação e reivindica-las como nossas referências.

Na primeira aula da disciplina, que está apenas começando, ao provocar a turma a pensar quem são as/os autoras/es que são construídos como referenciais teóricos em nossa formação, fui surpreendida por uma estudante que me respondeu: Você, professora. Aquela resposta, que por sinal me deixou profundamente emocionada, veio ao encontro do que esse semestre de Antropologias Contra Hegemônicas vem propor de debate, que a gente consiga se enxergar nas referências que nos são apresentadas na universidade. É olhando para os passos que vem de longe, como já nos ensinou Jurema Werneck, que vamos caminhar, com autoras como Zélia Amador de Deus, Marilu Campelo, Patrícia Melo Sampaio, Carla Ramos Munzanzu, Lucybeth Arruda, e muitas outras. Intelectuais negras que fazem da Amazônia seu lugar.

A epígrafe desse artigo é de um texto da intelectual afro-americana Audre Lorde. Trouxe Lorde para abrir essa conversa, porque ela nos aponta bons caminhos para pensar a reelaboração de espaços de produção intelectual que precisamos fazer a partir de nossos arsenais. É na contramão, na contra hegemonia que vamos reivindicando lugar e refundando caminhos em nossas formações, apontando para outros rumos, que centralizem não apenas nossas experiências, mas também nossas referências.

 ¹ Professora de Antropologia na Universidade Federal do Oeste do Pará, doutoranda em Antropologia Social pela Universidade de Brasília.
** ESTE ARTIGO É DE AUTORIA DE COLABORADORES OU ARTICULISTAS DO PORTAL GELEDÉS E NÃO REPRESENTA IDEIAS OU OPINIÕES DO VEÍCULO. PORTAL GELEDÉS OFERECE ESPAÇO PARA VOZES DIVERSAS DA ESFERA PÚBLICA, GARANTINDO ASSIM A PLURALIDADE DO DEBATE NA SOCIEDADE. 

+ sobre o tema

Emanoel Araújo e a mão negra que talhou o Brasil

Nascer no dia da Proclamação da República e morrer...

ONU adota resolução sobre incompatibilidade entre democracia e racismo

O Conselho de Direitos Humanos da Organização das Nações...

Justiça de Goiás condena mulher que implicou e humilhou zeladora negra

‘Mulambenta, pobre e vagabunda’ foram algumas das palavras que...

Nem seu cabelo, nem seu turbante vão te livrar do racismo

Eu sou uma entusiasta do empoderamento estético há anos....

para lembrar

Pôster chinês do novo Star Wars é acusado de racismo

A versão chinesa do cartaz de “Star Wars: O...

Família de George Floyd fecha acordo para receber R$ 150 milhões de indenização

A cidade norte-americana de Minneapolis concordou nesta sexta-feira (12)...
spot_imgspot_img

O amor com o sol da manhã

Eu gosto do amor, eu gosto de amar. Inclusive, já escrevi muito sobre o amor nestas páginas, algumas vezes de forma explícita, outras vezes...

Se o Estado perder o controle, o que vai restar?

Cinco pessoas foram mortas durante a 16ª operação policial do ano no Conjunto de Favelas da Maré, nesta terça-feira, 11 de junho. Uma das...

Após ‘discriminação racial’, Lewis Hamilton compartilha postagem em defesa a Bukayo Saka

O heptacampeão mundial de Fórmula 1, Lewis Hamilton, utilizou suas redes sociais para compartilhar um texto em em defesa do jogador Bukayo Saka, da...
-+=