Após protestos, UFRGS descarta alteração em sistema de cotas

Mudança ainda tirava opção de cotistas concorrerem pelo acesso universal. Universidade manterá sistema de vestibular; duas alterações serão votadas.

Do G1

Após protestos de estudantes na última semana, a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) desistiu de realizar mudanças no sistema de cotas. A instituição deve manter a opção de ingresso para quem concluiu o ensino médio em escola pública de concorrer concomitantemente no acesso universal e por cotas, como é realizado atualmente o vestibular.

Os alunos, que ocupam a reitoria da UFRGS desde a última quinta-feira (22), liberaram o acesso dos membros do Conselho Universitário (Consun) ao prédio. No entanto, uma liminar judicial impediu que a emenda feita ao parecer que mudava o sistema de ingresso de cotistas fosse votada nesta terça-feira (27).

Para os alunos, as mudanças seriam uma forma de reduzir o número de cotistas.

Outras duas propostas, elaboradas pela pró-reitoria de graduação da universidade, ainda serão votadas: o ingresso de cotistas nos dois semestres e o não remanejamento de classificados no segundo semestre para o primeiro período no ano seguinte, se houver desistências.

A votação dos conselheiros está prevista para ocorrer na próxima sexta-feira (30). Na data, também deve ocorrer a liberação do edital do vestibular de 2017.

Propostas da pró-reitoria

– Impossibilidade de disputar vagas de acesso universal e destinadas aos egressos do ensino público concomitantemente (cancelada);

– Ingresso de cotistas nos dois semestres (a ser votada);

– Não remanejamento de classificados no segundo semestre para o primeiro período no ano seguinte, se houver desistências (a ser votada).

+ sobre o tema

“O racismo existe, mas gostamos de fingir que temos brandos costumes”

A jornalista Diana Andringa apresentou no domingo, no...

Profetas do Caos

No seminário Multiculturalismo e Racismo: O Papel da...

Tortura policial é um problema crônico no Brasil, diz relatório

Relatório da Human Rights Watch diz que as prisões...

para lembrar

O que a mídia quer esconder sobre racismo

O que a mídia quer esconder sobre racismo ...

Por que precisamos falar sobre feminicídio?

Até quando assassinatos como o da dançarina Ana Carolina...

Duas pessoas são condenadas por racismo e injúria racial no DF

Ex-policial e irmã dele cumprirão a pena em regime...
spot_imgspot_img

Como as mexicanas descriminalizaram o aborto

Em junho de 2004, María, uma jovem surda-muda de 19 anos, foi estuprada pelo tio em Oaxaca, no México, e engravidou. Ela decidiu interromper...

Como o diabo gosta

Um retrocesso civilizatório, uma violência contra as mulheres e uma demonstração explícita do perigo que é misturar política com fundamentalismo religioso. O projeto de lei...

Homens, o tema do aborto também é nossa responsabilidade: precisamos agir

Nesta semana, a escritora Juliana Monteiro postou em suas redes sociais um trecho de uma conversa com um homem sobre o aborto. Reproduzo aqui: - Se liberar o...
-+=