Após quase três décadas, luta de mulheres negras da América Latina contra o racismo continua

Enviado por / FonteSagres Online

Em 1992, grupos femininos negros de 32 países da América Latina e do Caribe se reuniram em Santo Domingo, na República Dominicana, para denunciar opressões e debater soluções na luta contra o racismo. Esse encontro ficou marcado na história e foi reconhecido pela Organização das Nações Unidas (ONU) como o Dia Internacional da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha, que completou 28 anos no último sábado (25).

Em entrevista ao Manhã Sagres desta segunda-feira (27), a professora da Coordenação de Filosofia e Ciências Humanas do Instituto Federal de Educação de Goiás, Coordenadora do Núcleo de Estudos em Gênero, Raça e Africanidades do IFG e Presidente da Câmara Técnica de Enfrentamento ao Racismo e Diversidade Étnica do Conselho Estadual da Mulher, Janira Sodré, falou sobre a baixa representatividade das mulheres na política e sobre a literatura que ainda existe ao destacar o estereótipo dessas mulheres para a sociedade.

“Há uma representação caricatural pela mulher jovem como símbolo sexual ou pela mulher idosa como a cozinheira que alimenta todos”, afirma.

Há ainda, segundo Janira Sodré, uma invisibilidade para mulheres negras com grande influência na história e na literatura. A professora exemplifica Dandara dos Palmares, guerreira negra do período colonial do Brasil que tirou a própria vida após ser presa para não voltar a ser escrava. Dandara foi esposa de Zumbi dos Palmares.

Atualmente, o Brasil é uma das nações onde o movimento de mulheres negras tem avançado fortemente. “Nós temos grandes nomes brasileiros, e eu vou destacar Beatriz Petronilha, que foi conselheira federal e que pautou a Lei de Educação para a África. Ela já é aposentada, mas teve e tem um papel muito importante no cenário educacional”, lembra.

Outro nome de destaque é o de Sueli Carneiro. Filósofa, escritora e ativista antirracismo do movimento social negro no Brasil, ela fundou uma das ONGs mais importantes sobre mulheres negras no mundo, Geledés. Acompanhe a entrevista na íntegra

+ sobre o tema

Advogada de ‘caminho sem curvas’ defende ativismo e negros no Judiciário

A baiana do interior não sabia o que era...

A deputada federal, Tia Eron não me representa

Somos uma Organização Feminista & Feminina somos Rural e...

O dia das mães e a afetividade das mulheres negras

Em pleno século XXI me angustia a ausência de...

Revelação do pop, Mahmundi produz o próprio disco e quer ser hit nas rádios

Marcela Vale ainda trabalhava em uma loja da rede...

para lembrar

A carta da Princesa por Sueli Carneiro

A televisão, em 30 de abril, divulgou o conteúdo...

Gênero, raça e ascenção social

por Sueli Carneiro ASHELL ASHELL PRA TODO MUNDO ASHELL Ela mora...

Medo

Eles, os terroristas, estão nos vencendo! Por Sueli Carneiro O crescimento...

Perigo, por Sueli Carneiro

Novo tema ganhou destaque na imprensa nos últimos dias....
spot_imgspot_img

Representatividade negra importa

Frederick Douglass, W.E.B Du Bois, Rosa Parks, Toni Morrison, Audre Lorde, Nina Simone. Quem é minimamente versado na história dos Estados Unidos (naquilo que ela tem...

Fernanda Melchionna lança seu primeiro livro em Cachoeirinha neste domingo; “Tudo isso é feminismo?”

“Tudo isso é feminismo?” – uma visão sobre histórias, lutas e mulheres” marca a estreia de Fernanda Melchionna, no universo do livro. A bibliotecária...

Por que ser antirracista é tão importante na luta contra a opressão racial?

O Laboratório de Estudos de Gênero e História, da Universidade Federal de Santa Catarina, lança nesta quarta-feira (21) o quinto vídeo de sua campanha de divulgação...
-+=