Aranha recebe prêmio de direitos humanos por enfrentar o racismo

A manhã desta quinta-feira certamente não será esquecida por Aranha. No Palácio do Itamaraty, em Brasília, o goleiro santista foi homenageado na 20ª edição do Prêmio Direitos Humanos, que é oferecido pela Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR). A solenidade em Brasília tem objetivo de fazer um balanço das ações do governo no setor e premiar as personalidades ativas na defesa dos direitos.

No  Gazeta Esportiva 

Aranha recebeu o tributo por ter denunciado e lutado contra o racismo que sofreu de parte da torcida do Grêmio, em agosto. Ele foi hostilizado durante um jogo da Copa do Brasil em caso que culminou na exclusão do time gaúcho do torneio. “Xingar, pegar no pé é normal. Mas me chamaram de ‘preto fedido, seu preto’ não dá”, reclamou o goleiro na ocasião.

O incidente gerou discussões sobre a presença frequente de manifestações racistas no futebol. Daí a homenagem a Aranha nesta quinta-feira, oferecida diretamente das mãos de Dilma Rousseff. “A luta de vocês é de fundamental importância”, pontuou a presidenta da República ao dirigir-se para os 21 premiados. Ela admite, porém, que ainda há muito pelo que lutar. “Houve avanços, mas falta muito, é preciso buscar avançar cada vez mais.”

As ofensas a Aranha foram ponto de partida para debates sobre o racismo, mas não tiveram consequências tão sérias. A punição maior foi para o Grêmio, que foi excluído da Copa do Brasil. Flagrada xingando o goleiro de “macaco” por câmeras de TV, a gremista Patrícia Moreira está proibida de frequentar a Arena nos próximos dez meses. Esta é a única sanção imposta à ela e aos outros três torcedores identificados como autores das ofensas.

+ sobre o tema

Sistema prisional do DF: Comissão de Direitos Humanos entrega à ONU relatório com 983 denúncias

A Comissão de Direitos Humanos da Câmara Legislativa entregou,...

Os efeitos da ditadura nas Favelas do Rio

O historiador Marco Marques Pestana, que faz doutorado na UFF...

A Ponte – Documentário sobre a periferia de São Paulo, com Mano Brown e Dagmar Garroux

Documentário sobre a periferia de São Paulo, com Mano...

para lembrar

“Os homens avançam mais rápido na carreira porque não têm o trabalho doméstico nas costas”

Hildete Pereira de Melo é economista da Universidade Federal...

Os segredos da boa saúde de uma tribo que se alimenta da mesma forma há 40 mil anos

Do BBC Os hadza são uma das poucas tribos coletoras-caçadoras...

Canal pago custa até R$ 7,98 para assinante de pacote básico

Moradora da periferia de SP, Julieta Damasceno, 86 anos,...

Açailâdia e Santa Luzia lideram o ‘ranking’ do trabalho escravo no MA

Açailândia aparece no relatório de 2011 da CPT...
spot_imgspot_img

Desenrola para MEI e micro e pequenas empresas começa nesta segunda

Os bancos começam a oferecer, a partir desta segunda-feira (13), uma alternativa para renegociação de dívidas bancárias de Microempreendedores Individuais (MEI) e micro e...

“Geledés é uma entidade comprometida com a transformação social”, diz embaixador do Brasil no Quênia

Em parceria com a Embaixada do Brasil no Quênia, Geledés - Instituto da Mulher Negra promoveu nesta sexta-feira 10, o evento “Emancipação Econômica da...

Caso Sônia é desastroso para combater trabalho escravo, alerta auditor

A história de Sônia Maria de Jesus, de 50 anos – que foi resgatada em uma operação contra o trabalho análogo à escravidão da...
-+=