Aryson Heráclito celebra ancestralidade yorubá na mostra ‘YORÙBÁIANO’

Enviado por / FonteDo Catraca Livre

Em cartaz no MAR - Museu de Arte do Rio, a mostra reúne obras feitas a partir de elementos da cultura afro-brasileira

O artista baiano Ayrson Heráclito reverencia em suas obras a herança da cultura yorubá. E esse trabalho super poderoso pode ser conferido na mostra “Yorùbáiano”, que ocupa duas galerias do MAR – Museu de Arte do Rio, no RJ.

A exposição pode ser conferida até dezembro, com visitas de quinta a domingo, das 11h às 18h. Os ingressos custam até R$20 e podem ser adquiridos aqui.

Com curadoria de Marcelo Campos, a exibição reúne obras em diversos suportes, como fotografias, vídeos, instalações e objetos, e feitas com elementos muito significativos para as culturas afro-brasileiras, como azeite de dendê, charque, sal e açúcar, além outros temperos, sementes e ervas.

O artista representa a grande reinvenção poética e política de um Brasil yorubano, que carrega em seu sangue heranças e saberes ancestrais. Os yorubas foram algumas das últimas vítimas da diáspora, do sequestro e da escravidão dos povos africanos, trazidos ao nosso país apenas no século 19.

Essa cultura é composta pelos riquíssimos saberes, ritos, visões de mundo e mitologia que até hoje resistem em nossa sociedade – a custo de muita luta! – e deram origem a manifestações afro-brasileiras como o candomblé.

Na mostra “Yorùbáiano”, as obras tratam de temas como a vida e as feridas coloniais, os orixás das religiosidades afro-brasileiras, os sonhos de liberdade, os apartheids, além da dor sentida no corpo dos afrodescendentes até hoje.

A arte de Heráclito é praticamente um exercício de cura e um esforço de para exorcizar as dores e os fantasmas da colonização, que ainda insistem em pautar a nossa sociedade.

Um pouquinho sobre o artista

Nascido em 1968, em Macaúbas, na Bahia, Ayrson Heráclito é artista visual, curador e professor universitário, além de doutor em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP.

Suas instalações, performances, fotografias e obras audiovisuais foram incorporadas aos acervos de importantes instituições culturais no mundo, como o Weltkulturen Museum em Frankfurt, na Alemanha; o MAR – Museu de Arte do Rio; o Museu de Arte Moderna da Bahia; o Videobrasil e a Coleção Itaú, ambos em São Paulo.

Além disso, foi um dos curadores-chefes da 3ª Bienal da Bahia e assinou a curadoria da exposição “História Afro-Atlânticas”, que esteve em cartaz no MASP – Museu de Arte de São Paulo em 2018.

+ sobre o tema

Negra, crespa e empoderada: Sabrina de Paiva é eleita Miss São Paulo 2016

Em tempos de discussões sobre a falta de representatividade...

Dorival, 100 anos de Caymmi

por Luciano Hortencio e Lourdes Nassif Em um 30 de...

Pelé ministrará aula inaugural em cursos de pós-graduação

O Rei do Futebol está jogando em várias posições....

Willow e Jaden Smith estrelam a edição de setembro da Interview

A revista Interview de setembro traz na capa Willow...

para lembrar

Marian Anderson

Foto de Marian Anderson, de autoria de Carl Van...

Bailarino formado em Joinville integra balé composto apenas por negros e asiáticos

Exemplo de persistência, José Alves está há dois anos...

Larissa Luz e Luedji Luna cantam em festival de música em Salvador

Evento acontece nos dias 9, 10 e 11 de...

Hoje na história: Dia da África celebra cultura e história do continente

Uma das principais raízes brasileiras ganha destaque nesta semana...
spot_imgspot_img

Nota de pesar: Flávio Jorge

Acabamos de receber a triste notícia do falecimento do nosso amigo e companheiro de militância Flávio Jorge, o Flavinho, uma das mais importantes lideranças...

Segundo documentário sobre Luiz Melodia disseca com precisão o coração indomado, rebelde e livre do artista

Resenha de documentário musical da 16ª edição do festival In-Edit Brasil Título: Luiz Melodia – No coração do Brasil Direção: Alessandra Dorgan Roteiro: Alessandra Dorgan, Patricia Palumbo e Joaquim Castro (com colaboração de Raul Perez) a partir...

Estou aposentada, diz Rihanna em frase estampada na camiseta

"Estou aposentada", é a frase estampada na camiseta azul que Rihanna, 36, vestia na última quinta-feira (6), em Nova York. Pode ter sido uma brincadeira, mas...
-+=