As tristes e signficativas estatísticas das mortes nos partos

Na segunda-feira pela manhã (29), o plenário da Câmara de Vereadores recebeu especialistas, pesquisadoras e ativistas, além de  familiares de mulheres vitimadas por problemas decorrentes de complicações durante ou após o parto, para a realização de um debate público sobre o tema da “Mortalidade Materna e Violência Obstétrica”.

Por Mônica Francisco, do Jornal do Brasil 

O debate, conduzido pela vereadora Marielle Franco(PSOL), presidente da Comissão da Mulher, trouxe ao foco do debate uma série de estatísticas vergonhosas sobre a mortalidade materna no município do Rio de Janeiro.

O vídeo apresentado como provocador do debate, e que antecedeu as exposições, dá conta de que aumentaram de 62 para 72  os casos de mortalidade materna para cada 100 mil nascidos vivos. Que o Rio de Janeiro é a 6ª pior capital para uma mulher engravidar, já que 36% das mortes do Brasil acontecem na cidade.

A Zona Oeste apresenta taxas elevadas e se coloca no topo do ranking dos casos de mortalidade materna. O que chama atenção na exposição feita pela superintendente de Maternidades do SUS e Hospitais Pediátricos, Carla Brasil, é a configuração da população mais afetada quando o recorte é feito por cor, nível de escolaridade (majoritariamente as que não completaram os ensinos fundamental e médio) e raça.

As mulheres jovens, entre 15 e 25 anos, são as que mais morrem, e o mais doloroso é que muitas destas mortes poderiam ser evitadas. Os números são assustadores e dão conta de uma violência silenciosa e altamente naturalizada, que atravessa a vida de famílias pobres e que são usuárias do sistema público de saúde em sua grande maioria.

Os encaminhamentos sugeridos pela vereadora Marielle Franco foram os de criação de um grupo de trabalho para discutir e formular propostas para.atuarem na diminuição destas mortes, enfatizando a sensibilização dos funcionários e visitas às maternidades que aparecem como as que vem apresentando maior índice de mortalidades.

Em uma cidade onde o discurso é de valorização da mãe carioca e que a prioridade é o cuidado com as pessoas, é urgente a adoção de medidas de Impacto, como melhorar a comunicação entre os serviços desde a atenção básica até o último estágio, para que seja de fato integral o atendimento à mulher.

É fundamental dar cada vez mais visibilidade a essa aberração na sociedade, para que deixem de ser naturalizados e banalizadas as mortes de mulheres jovens, pobres e negras.

Colunista, Consultora na ONG Asplande e Membro da Rede de Instituições do Borel

+ sobre o tema

Qual a diferença entre ser mulher negra e homem branco na hora de investir?

Entenda o impacto de gênero e cor no quanto...

O racismo não está nas diferenças – Por: Jarid Arraes

No último dia 25, Dia Nacional da Mulher Negra, data...

Djamila Ribeiro ferveu Belo Horizonte

Foto: Luciano Viana/SESC (instagram: @eulucianoviana) Djamila Ribeiro parou São Paulo, parou a Lapa, no...

Gwendolyn é amor

É preciso falar de amor, agora que o Dia...

para lembrar

Teresa Cristina, que já era imensa, saiu ainda maior do programa Roda Viva

Poucas vezes ou quase nenhuma na vida vi uma...

Duas mulheres – duas abolições?

É fato notável a ascensão de mulheres, em muitos...

ONU quer acabar com mortalidade materna e violência contra mulheres até 2030

Participantes de conferência no Quênia se comprometem a investir...
spot_imgspot_img

Casa Sueli Carneiro abre as portas ao público e apresenta o III Festival Casa Sueli Carneiro, pela primeira vez em formato presencial

RETIRE SEU INGRESSO A Casa Sueli Carneiro, fundada em dezembro de 2020 e atuando em formato on-line desde abril de 2021, é uma entidade criada...

Aborto legal: falhas na rede de apoio penalizam meninas e mulheres

As desigualdades sociais no Brasil podem explicar a razão para que meninas e mulheres busquem apoio para o aborto legal também após 22 semanas...

Referência do feminismo negro, Patricia Hill Collins vem ao Brasil para conferência, curso e lançamento de livro

Referência do feminismo negro, a socióloga estadunidense Patricia Hill Collins participa, nesta quarta-feira (19), de um evento em Salvador, na Universidade do Estado da Bahia (Uneb)....
-+=