Assa-peixe

Enviado por / FontePor Bianca Santana, do Ecoa

“Mas um punhado de folhas sagradas pra me curar, pra me afastar de todo mal. Para-raio, bete branca, assa peixe abre caminho, patchuli.” Banho de Folhas, de Luedji Luna

O arbusto de assa-peixe — também conhecido como chamarrita, cambará- guaçu, cambará-açu, cambará-branco — existe em abundância da Bahia a Santa Catarina. Aqui na Serra da Mantiqueira, no pedacinho do sul de Minas de onde escrevo, pode-se encontrar as folhas ásperas e pequenas flores brancas por todo lado. As abelhas atraídas por sua florada produzem um mel leve. Pecuaristas consideram a espécie invasora ou daninha, por atrapalhar o pasto. Eu, por minha vez, cantarolo Luedji Luna quando o vento traz seu perfume doce.

Banhos de limpeza energética e espiritual costumam ser preparados com suas folhas e flores. Chás de suas folhas são indicados para tratar tosse e bronquite. Compressas aliviam dores musculares, reumatismo e problemas na pele. A infusão das raízes é considerada diurética, ajudando em problemas renais. Saber popular propagado por essas montanhas, mas também científico registrado em obras como “Plantas medicinais no Brasil: nativas e exóticas”, de Harri Lorenzi e Abreu Matos.

A pesquisadora e artista afrotransfeminista Walla Capelobo publicou, neste 2021, o belíssimo artigo “Assa-peixe e inhame: a descolonização da medicina e a autonomia do cuidado na pandemia de covid-19”, na Revista Espaço Acadêmico. No trabalho, Walla narra experiências e ensinamentos de sua avó. “Ela me contou sobre o poder das folhas de assa-peixe, erva mato encontrada com grande facilidade em quase todo território brasileiro. Me disse de como sobreviveu a uma pneumonia em sua infância com o xarope e compressas da planta no peito”.

Walla analisa a importância de retomarmos tais saberes como possibilidade de cuidado, resistência, sobrevivência: “A colonialidade estruturou o poder e o saber de forma a privilegiar os colonizadores e subalternizar os colonizados. A pandemia covid-19 que estamos submetidas no momento nos evidencia mais uma vez as marcas do colonialismo e suas estruturas necropolíticas. A sobrevivência dos povos pretos está na troca contínua de informações de fugas e na produção de vida. Aqui escrevo um exercício tecido com minhas mais velhas sobre medicina, cuidado e saúde. Defendo no artigo a potência epistêmica ancestral existente nesse diálogo contínuo entre pessoas de cor sobre as sobrevivências do Coridiano”.

A demanda é por vacina para todas e todos, além de isolamento social, máscara PFF2, água, sabão, álcool gel, comida. Mas se o Estado não entrega condições para a manutenção das nossas vidas, busquemos as soluções próprias, a ação comunitária, as folhas sagradas. Assa-peixe para auxiliar na respiração e limpar a energia para que sigamos vivas.

Bianca Santana é jornalista. Autora de “Quando me descobri negra” e organizadora de coletâneas sobre gênero e raça, foi convidada da Feira do Livro de Frankfurt em 2018 e da Feira do Livro de Buenos Aires em 2019, quando também foi curadora do Festival Literário de Iguape. Pela UNEafro Brasil, tem contribuído com a articulação da Coalizão Negra por Direitos. No doutorado em ciência da informação, na Universidade de São Paulo, pesquisou a escrita e a memória de mulheres negras. Foi professora da Faculdade Cásper Líbero e da pós-graduação em jornalismo multimídia na Faap. Atualmente, está escrevendo uma biografia sobre Sueli Carneiro.

+ sobre o tema

Hamilton se revolta com reações racistas por vice da Inglaterra: ‘Nojento’

A Inglaterra ficou com o vice campeonato da Eurocopa ao...

Ensino de história negra não é cumprido, dizem debatedores

As redes de educação não cumprem satisfatoriamente a obrigação,...

Mulheres negras são o principal alvo de discurso de ódio na internet

Estudo de universidade inglesa conclui que maior parte dos...

Xenofobia ou racismo, NÃO!

Nelson Gervoni * Adital - Fiquei estupefato! Admiradíssimo!...

para lembrar

“O Retorno” | Atlânticos em transe sob a lua de Luanda, por Cidinha da Silva. Ep.6

Minha irmã, tu não conhecerias Luanda se não tivesses...

Demba Ba parte para cima de adversário após suposta ofensa racista na China

Contratado pelo Shanghai Shenhua no mês passado, Demba Ba...

OAB vai pedir a cassação de Marco Feliciano e Jair Bolsonaro

A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) concluiu...

Seminário e lançamento do edital Gestão Escolar para Equidade – Juventude Negra

Seminário e lançamento do edital Gestão Escolar para Equidade...
spot_imgspot_img

Família de João Pedro protesta contra decisão que absolveu policiais

Os parentes do adolescente João Pedro, morto por policiais civis durante uma operação na comunidade do Salgueiro, em São Gonçalo, no Grande Rio, em...

Não há extrema direita moderada

O que faz de nós brasileiros é a implacável capacidade de banalizar barbaridades. O esporte nacional neste país é justificar com voz mansa e...

Ronilso Pacheco: Ninguém está seguro no Rio de Janeiro se é negro

A fala do governador Cláudio Castro (PL) em defesa de policiais que apontaram uma arma para três jovens filhos de diplomatas em Ipanema, região...
-+=