Ataques a albinos assumem proporções críticas

A relatora independente das Nações Unidas para os Direitos das Pessoas com Albinismo, Ikponwosa Ero, disse no sábado que o Malawi enfrenta uma “crise perturbadora” face aos reiterados ataques a pessoas com problemas de albinismo e chegou mesmo a afirmar que tais cidadãos correm o “risco de extinção sistémica ao longo do tempo, se nada for feito”.

Do Jornal Angola 

A Polícia do Malawi registou, desde o final de 2014, mais de 65 ataques contra pessoas albinas. Nos dez dias que durou a visita de Ikponwosa Ero ocorreram dois incidentes considerados “críticos”.
A relatora disse que tanto as pessoas com albinismo como os pais de crianças que vivem com a condição estão, constantemente, com medo de serem atacadas. “Muitos albinos não dormem em paz e limitam os seus movimentos ao mínimo necessário”, salientou.

Para a especialista, é “altamente perturbador” o envolvimento frequente dos próprios parentes nos ataques. “Os albinos são incapazes de confiar mesmo nos que, supostamente, deviam cuidar deles e os proteger, e estão confinados a uma espiral de medo e pobreza”, frisou. Trata-se, acrescentou, de “uma emergência e uma crise perturbadora nas suas proporções”.

africa e suaIkponwosa Ero reuniu-se com representantes do Governo do Malawi, autoridades locais, defensores de direitos humanos, grupos da sociedade civil e membros da comunidade internacional. O foco das discussões foram os ataques e a venda de partes dos corpos das vítimas para práticas associadas ao feiticismo e a outras enraizadas nas crenças tradicionais, além do acesso das pessoas albinas à saúde e educação.

Detenções em Moçambique 

A Polícia moçambicana deteve, na última quinta-feira, três indivíduos no distrito de Moatize, província central de Tete, na posse de ossadas de uma criança portadora de albinismo.

Segundo a porta-voz da Polícia moçambicana na província de Tete, Lurdes Ferreira, os indivíduos pretendiam vender as ossadas por um valor de 500 mil meticais (pouco mais de 10 mil dólares norte-americanos) a um indivíduo que, até então, se encontrava foragido.

“A Polícia soube, graças a uma denúncia levada a cabo pela população. A corporação fez-se ao local, detendo os três cidadãos”, disse a porta-voz, citada no sábado pela televisão pública moçambicana TVM. “As ossadas eram de uma criança de nove anos de idade do sexo masculino. Esses indivíduos estão associados à prática de crimes contra os mortos, segundo o artigo 263 do Código Penal”, esclareceu Lurdes Ferreira.

Os detidos confessaram o envolvimento no crime, afirmando que pretendiam vender os ossos da criança como forma de “ganhar muito dinheiro”. “Pretendíamos vender os ossos a um preço de 500 mil meticais, pois precisávamos de muito dinheiro”, afirmou um dos detidos.
Nos últimos tempos, Moçambique tem registado vários casos de raptos e matança de cidadãos com problemas de pigmentação na pele, com incidência para a zona norte.

Denúncia da ONU

Um relatório recente da Organização das Nações Unidas revela que existe, em algumas regiões de África, um “mercado lucrativo e macabro das partes do corpo de pessoas com albinismo vendidas para o uso em rituais de feitiçaria, poções ou amuletos”.

O documento inclui relatos de pessoas que sofreram amputações “ainda em vida” e  cita milhares de pessoas com albinismo que sofrem estigma e discriminação no Mundo e cujas violações são atendidas pelas autoridades de forma passiva e indiferente.

O relatório defende que, para abordar as causas profundas dos ataques, é preciso compreender bem, definir e delinear a prática da feitiçaria, as suas formas e os efeitos sobre as pessoas com albinismo. Para acabar com os ataques, refere o relatório, é preciso acelerar a investigação das alegações, a acusação dos supostos autores, a tomada de medidas concretas nos domínios legal, social, psicológico e médico, além de compensar as vítimas.

+ sobre o tema

Sul do Sudão vai às urnas pela independência

Milhares de eleitores começaram a votar no referendo sobre...

Mais de 50 refugiados somalis se afogam no Golfo do Áden

  Na última quinta feira o Alto Comissariado das Nações...

Muere ex pantera negra que pasó 27 años en prisión por un crimen que no cometió

  03 de junio 2011.-El ex Pantera Negra y prisionero...

Movimentos africanos de independência podem seguir exemplo do Sul do Sudão

Por António Cascais, DW   Opinião é do diplomata português Victor...

para lembrar

Grupos evangélicos dos EUA são acusados de realizar colonização cultural antigay

Grupos evangélicos estão tentando realizar uma ´colonização cultural na...

França quer ‘compensar’ consequências da escravidão

Os serviços do premier francês, Jean-Marc Ayrault, estudam com...

O país onde os negros tem cabelos naturalmente loiros

Ilhas de Salomão, país localizado no Oceano Pacífico, cerca...
spot_imgspot_img

Homofobia em padaria: Polícia investiga preconceito ocorrido no centro de São Paulo

Nas redes sociais, viralizou um vídeo que registra uma confusão em uma padaria, no centro de São Paulo. Uma mulher grita ofensas homofóbicas e...

Intolerância religiosa representa um terço dos processos de racismo

A intolerância religiosa representa um terço (33%) dos processos por racismo em tramitação nos tribunais brasileiros, segundo levantamento da startup JusRacial. A organização identificou...

Intolerância religiosa: Bahia tem casos emblemáticos, ausência de dados específicos e subnotificação

Domingo, 21 de janeiro, é o Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa. Nesta data, no ano 2000, morria a Iyalorixá baiana Gildásia dos...
-+=