Guest Post »

Atos racistas de torcedores põem futebol europeu contra a parede

Ineficiência de entidades para combater discriminação gera críticas de políticos

Por Bruno Rodrigues, da Folha de São Paulo

Rugidos de macacos, saudações nazistas e blusas com o logo da Uefa e a inscrição “no respect” (sem respeito, em inglês), como forma de ironizar a campanha da entidade europeia por um ambiente mais amigável no futebol, compuseram as cenas mais comentadas da última rodada das eliminatórias para a Eurocopa-2020.

Esses elementos fizeram parte do repertório de torcedores búlgaros na goleada por 6 a 0 sofrida para a Inglaterra, na segunda (14), em Sófia. O cenário, porém, não pode ser chamado pela Uefa de imprevisível.

Para o confronto com os ingleses, o Estádio Nacional Vasil Levski já havia sido parcialmente fechado (5.000 lugares) por determinação da entidade após manifestações prévias de racismo por parte da torcida local.

Jogadores ingleses também haviam dito, dias antes do duelo, que consideravam abandonar o jogo caso ouvissem manifestações discriminatórias.

Torcedores búlgaros fazem saudações nazistas durante o jogo contra a Inglaterra, em Sófia – Nikolay Doychinov/AFP

A medida de fechamento de setores do estádio passou a ser adotada recentemente pela Uefa para tentar combater o problema. A justificativa é que, ao proibir o funcionamento total dos estádios, clubes e federações nacionais sentirão o impacto na receita.

Outra norma estabelecida pela entidade que comanda o futebol europeu e também pela Fifa foi a do chamado “procedimento das três etapas”. Esse item do protocolo, que em última instância dá ao árbitro o poder de encerrar o jogo por manifestações preconceituosas, poderia ter sido utilizada no jogo da Inglaterra, mas o processo chegou apenas à penúltima etapa.​

Em Sófia, o árbitro croata Ivan Bebek parou duas vezes a partida. Na primeira, após cânticos racistas dos búlgaros, o sistema de som do estádio pediu que os torcedores parassem.

Na segunda, apesar de os atletas se manterem em campo (o protocolo determina que eles se encaminhem ao vestiário), o jogo foi suspenso por alguns minutos. O capitão da Bulgária, Ivelin Popov, conversou com alguns fãs no alambrado, pedindo a eles que parassem.

De acordo com o protocolo, se o duelo fosse interrompido novamente por qualquer tipo de manifestação discriminatória da torcida, a partida seria encerrada. Alguns torcedores prosseguiram com as ofensas, mas o jogo, mesmo assim, continuou até o fim.

“Para a Fifa e para a Uefa, enquanto campanha contra o racismo não foi legal. A Fifa acreditou que com essa ameaça [três passos] as pessoas iriam respeitar, mas realmente será preciso encerrar o jogo. Ali era o momento de ela provar que estava preocupada com a questão racial. E falhou”, afirma à Folha Marcelo Carvalho, diretor-geral do Observatório da Discriminação Racial do Futebol.

Nesta terça (15), o presidente da federação búlgara de futebol, Borislav Mihaylov, pediu demissão do cargo depois que o primeiro-ministro do país, Boiko Borissov, foi a público requisitar o desligamento do dirigente.

Também nesta terça, o primeiro-ministro britânico Boris Johnson, que lidera o processo de saída da União Europeia, criticou o ocorrido em Sófia e pediu ação imediata da Uefa.

“O vil racismo que vimos e ouvimos na noite passada não tem lugar no futebol e em lugar nenhum. Apoio totalmente o [técnico da seleção inglesa] Gareth Southgate e o time por superarem isso. Precisamos ver ação dura e ágil da Uefa”, escreveu no Twitter.

A Uefa publicou um comunicado com a palavra do mandatário da entidade, o esloveno Aleksander Ceferin, que citou as medidas adotadas na busca por eliminar o problema.

“As sanções da Uefa estão entre as mais duras do esporte para os clubes e federações cujos torcedores sejam racistas em nossas partidas. A Uefa é o único órgão do futebol que bane jogadores por dez partidas por comportamentos racistas. Associações de futebol não conseguem resolver o problema sozinhas. Os governos também precisam fazer mais nesse sentido”, disse Ceferin.

Por comemorar um gol mostrando a marca de um patrocinador na cueca, o atacante dinamarquês Nicklas Bendtner, durante a Eurocopa de 2012, foi multado pela Uefa em 100 mil euros (cerca de R$ 420 mil em valores atuais). Na última temporada, por episódios racistas, o Slovan Bratislava, da Eslováquia, foi multado pela entidade em 30 mil euros (cerca de R$ 126 mil).

Para Carvalho, o apelo de Ceferin pode esbarrar na ascensão recente de governos nacionalistas no continente.

“Na Europa, o número de estrangeiros negros é maior, e isso faz com que as pessoas que tenham esse preconceito expressem isso nos estádios. É ali que elas estarão frente a frente com os negros. Existe também a questão de estar no meio da multidão e fazer o que quiserem que não serão identificadas. Essa sensação de impunidade que o futebol sempre deu”, diz.

O atacante belga Romelu Lukaku foi alvo de racismo no Campeonato Italiano nesta temporada – Marco Bertorello/AFP

Na Itália, governada até agosto por uma coalização que continha o partido A Liga, de direita nacionalista, a atual temporada da primeira divisão já ficou marcada por várias manifestações racistas nas arquibancadas.

O belga Romelu Lukaku, da Inter de Milão, ouviu cantos de macaco da torcida do Cagliari no início de setembro. Líderes dos ultras (torcedores organizados) da própria Inter minimizaram o caso, pedindo que o atacante entendesse o que classificaram como ato de provocação dos torcedores rivais.

No mesmo mês, o lateral esquerdo brasileiro Dalbert Henrique, da Fiorentina, também foi alvo de racismo por parte de torcedores da Atalanta. Gianni Infantino, presidente da Fifa, participava ao vivo de um programa da emissora estatal italiana RAI quando levantaram o caso de Dalbert.

“Precisamos identificar os autores e expulsá-los dos estádios. O racismo se combate com educação, condenando, falando nele. Devemos combater os racistas até o fim. Na Itália, a situação não melhorou, e isso é grave”, disse Infantino na ocasião.

OUTROS CASOS RECENTES DE RACISMO NA EUROPA

Dalbert O brasileiro, que joga pela Fiorentina (ITA), ouviu gritos de macaco de torcedores da Atalanta (ITA) e avisou o árbitro, que paralisou o jogo obedecendo o protocolo da Uefa. Mas a partida não foi suspensa e continuou até o fim

Malcom Logo em sua estreia pelo Zenit (RUS), torcedores do clube russo estenderam uma faixa que ironizava a diretoria por terem contratado um negro para o time. Há grupos de torcedores do Zenit que se colocam abertamente contra a vinda de atletas negros ao clube

Sterling Em dezembro de 2018, o atacante inglês do Manchester City (ING) foi vítima de ofensas racistas de torcedores do Chelsea (ING). O clube de Londres identificou os torcedores e os puniu, banindo um deles do estádio por toda a vida

Aubameyang Uma semana antes de Sterling, um torcedor do Tottenham (ING) atirou uma casca de banana no gramado próxima ao gabonês Aubameyang, do Arsenal (ING). O clube identificou o agressor e o baniu por quatro anos dos estádios

Leia também:

Técnico da Bulgária segue dirigente e pede demissão após polêmica por racismo de torcedores

Imprensa britânica exalta goleada sobre racismo. Veja capas

Goleada inglesa é manchada por racismo da torcida búlgara

Related posts