A ausência gritante de candidatos negros à prefeitura das capitais. Por Cidinha da Silva

Uma mirada nas no pleito de 2016 permite a identificação de raríssimos negros. Todos homens, à exceção de Célia Sacramento (PPL), em Salvador.

Por Cidinha da Silva, do DCM

A capital da Bahia, aliás, fazendo jus à sua imensa população negra, teve três candidatos negros: Fábio Nogueira (PSOL), Pastor Sargento Isidório (PDT) e a própria Célia Sacramento, ex-vice-prefeita. Viu-se também o oportunismo de ACM Neto, reeleito, que em dado momento da campanha definiu-se como “afro-descendente”.

Em Recife, um candidato negro chegou ao segundo turno, João Paulo (PT).  E paramos por aqui. Nenhum registro no Rio de Janeiro, São Paulo ou Belo Horizonte, capitais de milhares de eleitores negros.

Se sairmos das capitais para as grandes cidades, o quadro sofre poucas alterações.  Ainda em Pernambuco, na cidade de Olinda, a deputada federal Luciana Santos (PCdoB) e ex-prefeita em duas legislaturas chegou apenas ao 4º lugar. O deputado estadual Prof. Lupércio (SD), por sua vez, disputa o 2º turno da eleição.

Em Cariacica (ES), Juninho (PPS) chegou ao 2º turno.

No Maranhão, estado reconhecidamente negro, o PCdoB do governador Flávio Dino é o campeão de prefeitos eleitos no primeiro turno, são 46 cidades. Resta perguntar quantos desses prefeitos eleitos são negros e, mais ainda, se haverá alguma mulher negra entre eles.

O Executivo é instância de concentração substantiva de poder e quanto mais poder há nos espaços, mais os grupos discriminados estão distantes deles. Associe-se a isso o mecanismo racista de não fomentar e também impedir que as pessoas negras ultrapassem os limites internos, neste caso, dos partidos políticos, para chegar as esses lugares de poder.

A eleição de Julio Cezar (PSB) em Palmeira dos Índios, 4ª maior cidade de Alagoas, pode oferecer pistas sobre a trajetória dos negros que, eventualmente chegam à prefeitura.

Júlio Cezar é vereador desde 2012 e jornalista com forte atuação nos meios de comunicação da cidade. Considerando que Julio derrotou a poderosa articulação de Renan Calheiros, senador, e Renan Filho, governador, ambos do PMDB e Teotônio Vilela Filho (PSDB) em torno da adversária derrotada, com 67% dos votos válidos, a imprensa local gritou eufórica que “o filho da verdureira quebrou as correntes de oligarquias que comandavam o município alagoano de Palmeira dos Índios e se tornou prefeito”.

Fica a dúvida: se Júlio fosse um homem branco, também haveria referência a “correntes”? E o lugar de “filho de uma verdureira” teria tanta força? Lugar de quem supera grandes dificuldades e consegue pelo “mérito próprio” chegar a um lugar melhor.

A ênfase à vitória pessoal de um negro deixa de lado questões estruturais, o racismo estrutural, ele mesmo, produtor e mantenedor de correntes para os negros.

+ sobre o tema

Convenção da extrema direita espanhola é alerta para o Brasil

"Manter o ideal racial de um continente branco de...

Aprovado no Senado, PL dos planos de adaptação esboça reação a boiadas do Congresso

O plenário do Senado Federal aprovou nesta terça-feira (15/05)...

Maranhão tem 30 cidades em emergência devido a chuvas

Subiu para 30 o número de cidades que decretaram...

O Estado emerge

Mais uma vez, em quatro anos, a relevância do...

para lembrar

Sociologia e o mundo das leis: racismo, desigualdades e violência

Foi com muita satisfação que recebi o convite do Justificando para...

Barack Obama e Bruce Springsteen formam parceria em novo podcast

O ex-presidente dos Estados Unidos Barack Obama e o...

Palocci deixa governo; Gleisi Hoffmann assume Casa Civil

Missão da nova ministra é de 'gestão' e 'acompanhamento...

Muçulmano de mercado judaico salvou reféns e se torna herói na França

O jovem muçulmano Lassan Bathily, de 24 anos, vindo...

Extremo climático no Brasil joga luz sobre anomalias no planeta, diz ONU

As inundações no Rio Grande do Sul são um alerta sobre o impacto econômico e social das mudanças climáticas que atinge todo o mundo....

IR 2024: a um mês do prazo final, mais da metade ainda não entregou a declaração

O prazo para entrega da declaração do Imposto de Renda 2024, ano-base 2023, termina em 31 de maio. Até as 17 horas do dia 30 de...

Mulheres em cargos de liderança ganham 78% do salário dos homens na mesma função

As mulheres ainda são minoria nos cargos de liderança e ganham menos que os homens ao desempenhar a mesma função, apesar destes indicadores registrarem...
-+=