Baixa representação negra em comerciais indica medo da rejeição

Segunda das três reportagens da série “Invisibilidade Pública” mostra que atores e modelos até deixam de fazer testes

Por Sharon Baptista Do Op9

Falta de profissionais negros com poder de decisão nas agências afeta escolha. Foto: Rafael Reynaux/OP9

Com 250 modelos e atores no seu portfólio, a T.C. Fashion atende agências de publicidade em Pernambuco na formação de castings para comerciais. Dez por cento deste elenco que pode incorporar qualquer papel familiar ou profissional é formado por pessoas negras. Com 21 anos de experiência no mercado, a diretora de produção Tereza Franco reconhece que esta baixa representação é reflexo ainda de um forte preconceito. “Existe uma demanda do mercado, que ainda é pouca e muito específica, mas que devagarinho está crescendo. Por mim haveria muito mais negros e o mercado tem pedido isso, mas às vezes esbarramos na dificuldade para atender um perfil específico que o cliente solicita por não termos no nosso casting”, afirma.

No dia a dia da agência, Tereza percebe que alguns modelos e atores negros, por receio de sofrer racismo, até deixam de participar de alguns testes. “Temos dificuldade para encontrar, por exemplo, bebês e crianças negras. Existe uma certa aflição por parte dos familiares que têm medo das crianças não serem escolhidas por causa do tom de pele e por isso não as trazem para as agências”, completa.

Tereza Franco vem percebendo um aumento constante na procura por profissionais negros. Foto: Rafael Reynaux/OP9

Falando sobre as exigências dos clientes e perfis específicos procurados pelas empresas, Tereza acrescenta que existem clientes que só procuram os negros para fazerem comerciais populares e pontuais. A alternativa tomada por ela é oferecer opções para outras campanhas. “Só assim conseguiremos avançar na inserção de negros na publicidade e as propagandas se aproximarem mais da realidade da pluralidade da população brasileira”.

Como fazer uma campanha que fala sobre um grupo étnico-racial se os profissionais que a interpretam não fazem parte deste grupo? Estudo feito pela publicitária e pesquisadora Danila Dourado em 2015 mostra um panorama da quantidade de profissionais negros que trabalham em agências de publicidade a partir dos seus perfis numa rede social de trabalho, o Linkedin.

Mesmo com a criação de políticas sociais que visam favorecer o ingresso dos negros na graduação, isso ainda não é refletido em cargos altos das agências. Além de serem minorias neste mercado, nenhuma mulher negra foi encontrada ocupando cargo de gestão estratégica no setor publicitário.

 

+ sobre o tema

Adolescentes do Onda debatem sobre Racismo

Eles participaram da 4ª edição do Cinema e Política...

Justiça acata ação contra Piquet por falas racistas sobre Lewis Hamilton

O Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos...

Associação vai exigir ações afirmativas para negros/as no audiovisual

Homens negros representam menos de 2% das lideranças profissionais...

Um grito de desabafo

Naquela manhã de dezembro, a aluna de 52 anos,...

para lembrar

Branquidade e Racialização: qual é o lugar da educação?

por Liv Sovik UFRJ enviado para o Portal Geledés Conferência de abertura 8oSBECE...

Eu, Samuel da Silva, brasileiro, solteiro, faço o seguinte relato

Domingo, dia 10/01/2016, por volta das 21h, estava parado...

Pesquisador defende combate ao racismo institucional no sistema policial

Ilustração: Junião/Ponte Jornalismo Racismo institucional no sistema policial As relações raciais...
spot_imgspot_img

Mobilizações apontam caminho para enfrentar extremismo

As grandes mobilizações que tomaram as ruas das principais capitais do país e obrigaram ao recuo dos parlamentares que pretendiam permitir a condenação de...

Uma pessoa negra foi morta a cada 12 minutos ao longo de 11 anos no Brasil

Uma pessoa negra foi vítima de homicídio a cada 12 minutos no Brasil, do início de janeiro de 2012 até o fim de 2022....

Como as mexicanas descriminalizaram o aborto

Em junho de 2004, María, uma jovem surda-muda de 19 anos, foi estuprada pelo tio em Oaxaca, no México, e engravidou. Ela decidiu interromper...
-+=