A banalização da vida diante da cultura do abandono e da morte

O ano de 2017 expondo as vísceras da cultura do abandono e da morte. E não sensibiliza! Os crimes misóginos que estão chamando de “chacina do revéillon” em Campinas (SP) são feminicídios, pois o motivo basilar do assassino Sidnei Ramis de Araújo, 46, técnico do Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais, foi o ódio à ex-mulher Isamara Filier, 41 anos, técnica em contabilidade, que registrou seis BOs contra ele.

Por Fátima Oliveira, para O Tempo

O Estado “alisou a cabeça” dele! O assassino foi acusado pela mãe de violência sexual contra o filho, o que a polícia não comprovou. Resultado? Foram mortas 12 pessoas pelo ex-marido de Isamara Filier, inclusive o filho dele, de 8 anos. Foram assassinadas nove mulheres e três homens, incluindo a criança! Total de 13 mortes, pois o assassino se suicidou em seguida. Todavia, deixou uma carta na qual revelava quem era: “Tenho raiva das vadias que se proliferam e muito a cada dia se beneficiando da lei vadia da penha!”

Em Manaus, no Complexo Penitenciário Anísio Jobim, nos dias 1º e 2 passados, ocorreram 56 mortes e 112 fugas; e quatro mortes na Unidade Prisional do Puraquequara. Na Penitenciária Agrícola de Monte Cristo, em Roraima, na madrugada de 6 de janeiro, cerca de 33 presos foram mortos, a maioria decapitada! O governo brasileiro considera “acidentes” as duas chacinas.

Declarações de vários integrantes do governo federal chocam pelo “caralimpismo”, mas a mais grave é a desfaçatez de Bruno Moreira Santos, vulgo Bruno Júlio, presidente nacional da Juventude do PMDB, até então secretário da Juventude de Temer: “Eu sou meio coxinha sobre isso. Sou filho de polícia, né? Tinha era que matar mais. Tinha que fazer uma chacina por semana”. Segundo várias publicações, ele responde a inquéritos sobre lesão corporal contra a ex-mulher e assédio sexual a uma ex-funcionária. Como, com tal “folha corrida”, chegou ao cargo?

Bruno Júlio é filho do Cabo Júlio, de Minas Gerais – líder da greve da PMMG em 1997 (governo Eduardo Azeredo); deputado federal eleito em 1998, reeleito em 2002, acusado de integrar o escândalo dos sanguessugas; vereador em Belo Horizonte de 2009 a 2012. Atualmente, é deputado estadual. Bruno Júlio pediu demissão em 7.1.2016.

A secretária de Direitos Humanos Flávia Piovesan, que por anos foi musa dos direitos humanos no Brasil, mas jogou sua história de vida nas calendas gregas para compor o governo Temer, disse que “o Estado tem o dever de assegurar a integridade física, psíquica e moral dos presos, que só têm cerceada a liberdade, mas permanecem com o direito de terem suas vidas resguardadas. O que ocorreu em Manaus foi um desperdício evitável de vidas humanas… Houve omissão, além de uma política pública desacertada, insuficiente e ineficaz para prevenir”. O chefe dela, o ministro da Justiça e Cidadania, Alexandre de Moraes, pensa diferente. Porém, presos estão sob guarda do Estado.

Aconteceu em Piracicaba (SP), no dia 5 passado: “Mãe de bebê achado em mala tem 11 anos e era estuprada pelo pai, diz polícia”; o pai da menina, de 36 anos, “é suspeito de ter engravidado a filha menor de idade”; e a mãe dela disse que fez o parto e seu marido “descartou o bebê em frente a uma chácara do bairro Itaperu por volta das 20h”. Não consigo imaginar uma menina de 11 anos grávida do pai, a mãe fazendo o parto, e o pai descartando o bebê, como se fosse um animal! Mas aconteceu. É animalidade ilimitada.

A naturalização da banalização de vidas concretas deu a tônica à chegada de 2017 no Brasil, lamentavelmente. Viramos um país de desvalidos.

+ sobre o tema

Sobre cabelos, relacionamentos e outras coisas!

Após uma atividade na minha universidade em celebração ao...

Mãe preta pode ser? Mulheres negras e maternidade

Débora Silva Maria, do Movimento Mães de Maio, há...

Quem vestiu a Globeleza?

Enviado para o Portal Geledés Engana-se os que acham que...

para lembrar

Mortalidade materna de mulheres negras é o dobro da de brancas, mostra estudo da Saúde

Assim como outros indicadores de saúde, a mortalidade materna é...

Presidenta Dilma Rousseff recebe lideranças do Movimento Negro

Educação, saúde, democratização da comunicação e enfrentamento à violência...

O saber, a sabedoria, o sábio e o sabido

O saber, a sabedoria, o sábio e o sabido...

Ilê Aiyê promove a Semana da Mãe Preta em homenagem à mulher negra

A Associação Cultural Ilê Aiyê promove a partir da...
spot_imgspot_img

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...

“O Itamaraty me deu uma bofetada”, diz embaixadora Isabel Heyvaert

Com 47 anos dedicados à carreira diplomática, a embaixadora Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert não esconde a frustração. Ministra de segunda classe, ela se...
-+=