Barbárie, tortura e linchamento público, em plena Vila Prudente, em São Paulo

Jhonny Ítalo da Silva, de 18 anos, negro, foi algemado e puxado por uma moto pilotada por um policial militar. A cena é constrangedora, o jovem tem uma mão algemada na moto, enquanto a outra mão tenta se apoiar no baú do veículo. Em um dado momento, quando o PM acelera a moto, obriga-o a correr para acompanhá-lo. O fato foi gravado, postado nas redes e viralizou na internet, graças a isso, chegou ao grande público, trazendo para o debate a conduta do PM.

Jhonny foi preso por suspeita de tráfico de drogas e de dirigir sem habilitação. De acordo com o BO do caso, ele furou um bloqueio policial, bateu em uma ambulância e fugiu até ser detido portando maconha na mochila. O caso ocorreu na tarde dessa terça-feira (dia 30), na Av. Prof. Luiz Ignácio de Anhaia Mello, na Vila Prudente, Zona Leste de São Paulo. A cena choca, tamanha a barbárie e linchamento público. Há indícios que Jhonny estava encrencado com a lei, mas antes, bem antes já foi à julgamento e condenado com desprezo.

 Em nota, a Polícia Militar disse que “Imediatamente após tomar ciência das imagens, determinou a instauração de um inquérito policial militar ́ ́, e afastou o policial envolvido enquanto ocorrem as investigações.

“O caso demonstra como as heranças escravocratas coloniais ainda permeiam as práticas das relações sociais, políticas e econômicas no Brasil. Praticas essas em que as “coreções ” eram aplicadas em praças públicas como forma de punição e vexame sobre os corpos negros. Corpos esses que à luz das construções raciais, ou por assim dizer, arraigada dentro do racismo estrutural, precisavam ser domesticados e domados. Precisamos aqui pontuar que é direito de todos terem um julgamento justo e serem julgados pelos crimes que cometeram. O racismo, a marginalização social, a intolerância ainda são, infelizmente, as bases das construção das relações sócias no nosso país”. Declarou o Babalawô IVANIR DOS SANTOS – Dr. Prof. do Programa de pós-graduação em História Comparada da UFRJ, interlocutor da Comissão de Combate à Intolerância Religiosa (CCIR) e Conselheiro Estratégico do Centro de Articulação de Populações Marginalizadas (CEAP).

+ sobre o tema

Por que as altas desigualdades persistem?

Com o fim da escravidão, nutria-se a esperança de que...

A indiferença e a picada do mosquito

Não é preciso ser especialista em saúde para saber que condições...

Capitalismo é incompatível com democracia, afirma escritor Achille Mbembe

Um dos mais importantes pensadores do mundo, o camaronês Achille...

para lembrar

Onde está Amarildo? por Eliane Brum

O fato de o ajudante de pedreiro ser visto...

Campanha pede proibição da revista vexatória no País

Estima-se que em todo o Brasil mais de 1...

Número de mortos pela PM paulista cresceu 111% no primeiro semestre

De janeiro a junho deste ano, 317 pessoas foram...

Protestos em St Louis: “A vida dos negros também conta”

Manifestações para protestar contra o racismo e a violência...
spot_imgspot_img

Por que as altas desigualdades persistem?

Com o fim da escravidão, nutria-se a esperança de que a liberdade proporcionaria uma gradual convergência nos indicadores socioeconômicos entre brancos e negros. Porém essa...

A indiferença e a picada do mosquito

Não é preciso ser especialista em saúde para saber que condições sanitárias inadequadas aumentam riscos de proliferação de doenças. A lista de enfermidades que se propagam...

‘Questão do racismo tem a ver com a sobrevivência do capitalismo’, diz Diva Moreira, intelectual negra de MG

"A despeito da rigidez da estrutura de dominação, eu sou uma mulher de muita esperança." É assim que a jornalista, cientista política, ativista e...
-+=