Beauvoir merece mais

Em respeito à sua inestimável contribuição ao feminismo, não podemos reduzir a obra da pensadora a frases de camiseta e memes

Por  Djamila Ribeiro, da Carta Capital 

Tratá-la como “modinha” nega a força de seu pensamento, tão atual para pensar a condição feminina (Foto: Moshe Milner)

Se estivesse viva, Simone de Beauvoircompletaria 110 anos na terça-feira 9. Mais do que lembrar da filósofa e escritora francesa, acredito ser necessário aprofundar-se em suas obras. Como estudiosa das obras de Beauvoir, incomoda-me uma espécie de fetichização em torno dela.

No geral, todo mundo conhece algum livro ou citação mais famosa, mas raramente as pessoas a leram de fato. Tenho a impressão de que, para parecer cool ou feminista antenada, todo mundo a cita, mas com superficialidade. E considero isso ruim.

Obviamente, ninguém tem a obrigação de saber responder como a filósofa faz a tradução francesa do Dasein, de Heidegger, ou ter lido Hegel para entender como ela empreende a dialética do “senhor e do escravo” para pensar a categoria do outro.

Não é disso que se trata, com certeza. Só quem estuda profundamente a sua obra ou cursa Filosofia saberá responder e o ponto não é esse. A questão é evitar que suas obras se tornem produtos fáceis e palatáveis, quando seu pensamento não tem nada de palatável.

Ser acessível, sim. Ser facilmente deglutido, não. Essa é a questão central para mim. Há uma preguiça em entender mais respeitosamente o papel dela como pensadora por parte de quem tem acesso à informação e ao conhecimento.

Beauvoir não pode simplesmente ser convertida em frases de camiseta ou memes. Deve ser lida e entendida em sua complexidade. Tampouco pode ser alvo de feministas “cool bacaninhas”, sem compromisso com seu pensamento afiado e crítico.

Ou mesmo ser objeto de “tretas” em grupos feministas, nos quais o objetivo é ganhar uma discussão boba ou “sequestrá-la” para determinadas vertentes, e não estudar seu pensamento de forma honesta e compreender o quanto O Segundo Sexo é uma obra existencialista. Somente dizer que seu legado é incrível ou necessário, sem explicar os motivos, não nos ajuda.

É necessário porque Beauvoir rompe com a neutralidade epistemológica ao escrever O Segundo Sexo e pensa uma filosofia da condição feminina. É incrível o fato de ter escrito o livro Djamila Boupacha, relatando os horrores que essa argelina passou ao ser violentada pelo exército francês à época da invasão francesa na Argélia.

Não dá para transformar Beauvoir em broches, mas não se empenhar em ler Por Uma Moral da Ambiguidade. Muito se fala de O Segundo Sexo, e com razão trata-se de um livro monumental, mas é também necessário ler outras obras dela, além de conhecer sua literatura e seus diários.

No emocionante Cartas a Nelson Algren, baseado em correspondências trocadas pelos amantes por décadas, vemos ali uma Beauvoir apaixonada, humanizada, muito longe da mitificação que lhe impuseram.

É preciso conhecer o magistral As Belas Imagens, publicado no Brasil em 1961, que nos instiga a ver para além das imagens que as pessoas criam de si mesmas. A Mulher Desiludida e A Convidada são igualmente indispensáveis, assim como Os Mandarins, que lhe rendeu o Prêmio Goncourt.

Não tenho a pretensão de me julgar uma grande especialista em Beauvoir e ditar como as pessoas devem ou não ler, mas é importante que se tenha em mente o quão é prejudicial para se manter vivo o pensamento dela esse esvaziamento. Adoro memes, mas é muito importante as pessoas saberem minimamente quem essa importante autora é.

Meu ponto é a importância de não se ficar só nisso ou em discussões de quem pensa que inventou a roda, pelo fato de não conhecer as bases de pensamentos importantes e os caminhos já percorridos.

Tenho uma grande biblioteca de livros da autora, todos comprados em sebos a preços acessíveis. Entendo que a maioria não tem acesso, mas quem tem deveria se comprometer com mais responsabilidade com a criticidade da autora.

É fundamental ressignificar ou reapropriar o sentido de conceitos importantes de seu pensamento, para não cairmos numa espécie de “ti-ti-ti da filosofia”, focado nos casos que ela teve ou como era o seu relacionamento com Sartre. Tratá-la como “modinha” nega a força de seu pensamento, tão atual para pensar a condição feminina. Simone de Beauvoir merece mais.

+ sobre o tema

Nota de preocupação e repúdio

Carta Aberta à Drª Gilda Carvalho Ministério Público Federal NOTA DE...

Dia de Luta pela Saúde da Mulher e de Redução da Morte Materna

A deputada Inês Pandeló, Presidente da Comissão de Defesa...

para lembrar

Sessão extraordinária na Câmara vai colocar em votação 7 projetos de Marielle

Na próxima quarta-feira (2) será realizada uma sessão extraordinária...

Pela primeira vez uma mulher negra venceu no Massachusetts. Reagiu assim

Ayanna Pressley está a caminho de ser a primeira...

Mulheres ainda se dividem entre a casa e o trabalho, aponta o IBGE

Mesmo cada vez mais inseridas no mercado de trabalho,...

Uma negra na capa da Playboy

Quando era criança, o mês de maio era celebrado...
spot_imgspot_img

“Dispositivo de Racialidade”: O trabalho imensurável de Sueli Carneiro

Sueli Carneiro é um nome que deveria dispensar apresentações. Filósofa e ativista do movimento negro — tendo cofundado o Geledés – Instituto da Mulher Negra,...

Comida mofada e banana de presente: diretora de escola denuncia caso de racismo após colegas pedirem saída dela sem justificativa em MG

Gladys Roberta Silva Evangelista alega ter sido vítima de racismo na escola municipal onde atua como diretora, em Uberaba. Segundo a servidora, ela está...

O atraso do atraso

A semana apenas começava, quando a boa-nova vinda do outro lado do Atlântico se espalhou. A França, em votação maiúscula no Parlamento (780 votos em...
-+=