Oxford admite mais mulheres que homens pela 1ª vez na história

LONDRES, 26 JAN (ANSA) – Pela primeira vez em seus mais de 900 anos de história, a Universidade de Oxford, no Reino Unido, admitiu mais mulheres do que homens.

Da Istoé 

Divulgação

De acordo com dados publicados pela UCAS, organização que se ocupa dos procedimentos de acesso às universidade do Reino Unido, em 2017, a instituição aceitou a inscrição de 1,275 mil mulheres. Já aquelas feitas pelos homens contabilizam 1,165 mil.

Com relação as admissões, há 1,070 mil de mulheres e 1,025 mil de homens. Apesar de ter sido inaugurada em 1096, a universidade só passou a aceitar mulheres a partir de 1920, quando elas receberam o mesmo estatuto de estudantes que os homens. Mas, em 1927 foi criada uma “cota”, que limitava o número de alunas, para ¼ do número total de homens. O limite foi abolido em 1957. Somente em 1974, algumas faculdades – até então somente masculinas – passaram a aceitar mulheres, como a Brasenose, Jesus, Wadham, Hertford e St Catherine. Em 2017, a Universidade de Oxford entrou em uma polêmica envolvendo o gênero feminino, quando anunciou que o Departamento de História permitiria que as mulheres fizessem seus exames em casa para acabar com as diferenças entre os sexos, já que elas estavam em menor número na graduação. (ANSA)

+ sobre o tema

Para Anistia Internacional, Nobel da Paz encorajará mulheres de todo o mundo

A organização humanitária Anistia Internacional (AI) destacou nesta sexta-feira...

Educação e PEC241: retrocesso de mais de 80 anos

Garantia de percentual dos impostos para ensino foi estabelecida...

Jogadoras inglesas ganham direito à licença maternidade

Jogadoras dos 24 clubes da Super Liga de futebol...

Lia Vieira – Só as mulheres sangram por Ricardo Riso

Alguns aspectos de uma escrita negro-brasileira de autoria feminina...

para lembrar

Homens e mulheres têm visões diferentes do processo eleitoral, por Fátima Pacheco Jordão

Há muitas novidades influenciando o cenário das eleições deste...

Leandro Karnal: professor que festejou ataque a estudante é “co-autor da violência”

O limite da liberdade de expressão Por Leandro Karnal Do DCM Conquistamos...

As indígenas nos mostram 305 novas maneiras (ou mais) de ser mãe

O som estridente das Kayapó corta a poeira e...

Santo André adere à luta contra o câncer de mama

Santo André ganha nova cor em outubro. De hoje...
spot_imgspot_img

Geledés participa de audiência sobre Educação das meninas e mulheres negras na Câmara dos Deputados

Geledés – Instituto da Mulher Negra participou, nesta quinta-feira 21, de audiência da Comissão de Educação da Câmara dos Deputados, em Brasília, da qual...

Unilab, universidade pública mais preta do Brasil, pede ajuda e atenção

A Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab) surgiu com a proposta de fazer a integração de alunos de países africanos de língua...

Cotas, sozinhas, não acabam com a desigualdade

Há uma demanda crescente para que as universidades de alto prestígio (ou de elite) aumentem a diversidade étnico-racial e socioeconômica de seus alunos. Nessa...
-+=