Brasil: Uma história inconveniente

Portugal, Brasil e diversas nações africanas foram responsáveis pela maior emigração forçada da história da humanidade.

Brazil: An Inconvenient History  (Brasil: Uma história inconveniente) é um documentário dedicado ao passado colonial do Brasil, realizado em 2000 por Phil Grabsky, para a BBC/History Channel. Ganhou um Gold Remi Award no Houston International Film  Festival em 2001.

A “história inconveniente do Brasil” é uma história inconveniente de Portugal até 1808 (invasões francesas e fuga da corte para o Brasil) e do Brasil até 1888 (abolição oficial da escravatura) e dos diversos reinos africanos (capturavam e vendiam escravos aos traficantes). Uma história inconveniente para todos (à excepção dos próprios escravos).

CONTEXTO HISTÓRICO: ESTIMATIVAS GROSSEIRAS:

40% dos escravos capturados não sobreviviam ao percurso no interior do continente africano (até ao litoral onde eram vendidos)

15% dos escravos embarcados não sobrevivia à travessia do Atlântico

40% de todos os escravos que sobreviviam à travessia do Atlântico eram destinados ao Brasil.

4% e todos os escravos iam para os EUA.

Vindos de Angola, chegaram ao Brasil 10 vezes mais escravos do que os destinados aos EUA.

Chegou uma época em que a metade da população brasileira era constituída por escravos.

O Brasil teve o maior comércio de escravos.

O Brasil foi o último país a abolir a escravidão, em 1888.

CONTEXTO HISTÓRICO: TRÁFICO DE ESCRAVOS PARA O BRASIL:

Portugueses, brasileiros e mais tarde holandeses dominaram um comércio que envolveu a movimentação de milhares de pessoas.

O comércio de escravos estava solidamente implantado no continente Africano e existiu durante milhares de anos. Nações Africanas como os Ashanti do Gana e os Yoruba da Nigéria tinham as suas economias assentes no comércio de escravos.

Quando Catarina de Áustria (1559) autoriza o tráfico de escravos para o Brasil o comércio de escravos oriundos da África, que antes era dominado pelos Africanos, passa a ser também dominado por Europeus.

O tráfico de escravos para o Brasil não era exclusivo de comerciantes brancos europeus e brasileiros, mas era uma actividade em que os pumbeiros, que eram mestiços, negros livres e também ex-escravos e não só se dedicavam ao tráfico de escravos como controlavam o comércio costeiro — no caso de Angola, também parte do comércio interior — para além de fazerem o papel de mediadores no comércio de escravos da África Atlântica. Refira-se Francisco Félix de Sousa, alforriado aos 17 anos, foi considerado o maior traficante de escravos brasileiro.

CONTEXTO HISTÓRICO: OS PRIMEIROS ESCRAVOS E A LEGALIZAÇÃO DA ESCRAVATURA:

A coroa Portuguesa autorizou a escravatura com a bênção papal, documentada nas bulas de Nicolau V, Dum e Divino Amorecommuniti, ambas de 1452, que autorizavam os portugueses a reduzirem os africanos à condição de escravos com o intuito de os cristianizar.

A regulamentação da escravatura era legislada nas ordenações manuelinas, a adopção da escravatura vinha assim tentar ultrapassar a grande falta de mão de obra, que também se verificava por toda a Europa, devido à recorrência de epidemias muitas provenientes de África e do Oriente. até a primeira metade do século XV a população portuguesa apresentou queda demográfica constante.

Diversas nações africanas tinham as suas economias dependentes do tráfico de escravos e viam o comércio de escravos com os europeus como mais uma oportunidade de negócio.

O mais antigo registro de envio de escravos africanos para o Brasil data de 1533 quando Pero de Góis, Capitão-Mor da Costa do Brasil, solicitou ao Rei a remessa de 17 negros para a sua capitania de São Tomé (Paraíba do Sul/Macaé)

Seguidamente, por Alvará de 29 de Março de 1559, D. Catarina de Áustria, regente de Portugal, autorizou cada senhor de engenho do Brasil, mediante certidão passada pelo governador-geral, a importar até 120 escravos.

CONTEXTO HISTÓRICO: COMO O AFRICANO SE TORNAVA ESCRAVO

Quando os portugueses chegaram a África encontraram um mercado africano de escravos largamente implementado e bastante extenso.

Os africanos eram escravizados por diversos motivos antes de serem adquiridos:

– prisioneiro de guerra

– punição para quem fosse condenado por roubo, assassinato, feitiçaria e, às vezes, adultério

– penhora, as pessoas eram penhoradas como garantia para o pagamento de dívidas.

– rapto individual ou de um grupo pequeno de pessoas no ataque a pequenas vilas,

– troca de um membro da comunidade por comida

– como pagamento de tributo a outro chefe tribal

A taxa de mortalidade dos africanos no percurso que faziam desde o local em que eram capturados até ao litoral onde eram vendidos ou embarcados estima-se em 40/%. Durante a travessia do Atlantico a taxa de mortalidade era menor e situa-se em cerca de 15%.

Fonte: Geografismos

+ sobre o tema

Marcelo D’Salete é convidado para o XII Festival Internacional de Banda Desenhada de Beja

Marcelo D’ Salete é um dos convidados do XII Festival...

Onde estão os negros da Argentina?

Fonte: Viagem de carro ao Uruguai e à Argentina...

Samantha Buglione : Consciência Negra

Em 1789, os franceses declararam os direitos universais do...

para lembrar

Idris Elba considerado o homem mais sexy de 2018 pela People

A revista já deu a conhecer o nome do...

CineB Solar faz sessões gratuitas de Galeria Futuro

Com os atores Marcelo Serrado, Otavio Muller e Ailton...

Game: Elza Soares e Negra Li se transformam em Campeãs de Wild Rift

O universo de League of Legends: Wild Rift, jogo MOBA mobile da Riot...
spot_imgspot_img

6 brasileiros que lutaram pelo fim da escravidão no Brasil

O fim da escravidão no Brasil completa 136 anos em 13 de maio deste ano. Em 1888, a princesa Isabel, filha do imperador do Brasil Pedro 2º,...

Mostra Competitiva Adélia Sampaio recebe inscrições de filmes de mulheres negras até 16 de junho

A 6ª edição da Mostra Competitiva de Cinema Negro Adélia Sampaio está com inscrições abertas para filmes dirigidos por mulheres negras de todo o...

14 de maio e a Revolta dos Malês

Quem passa pelo Campo da Pólvora, em Salvador, nem imagina que aquela praça, onde ironicamente hoje se encontra o Fórum Ruy Barbosa, foi palco...
-+=