Camila Pitanga sobre sua mãe: ‘Entendi a história dela estudando o feminismo negro’

Artista falou sobre a trajetória de Vera Manhães, que também foi atriz até os anos 1980: ‘Passou por coisas muito difíceis’

Do Gshow

Camila Pitanga participou do Altas Horas e comentou a história de vida de sua mãe, Vera Manhães, que foi atriz até os anos 80. Ela revelou que atualmente Vera está fazendo musicoterapia e cantando.

Camila falou sobre a trajetória de Vera e as dificuldades que ela enfrentou: “Minha mãe passou por coisas muito difíceis. Mamãe também era atriz e, na época dela, uma mulher negra ficava invisível, à margem.”

“Quando fui estudar o feminismo negro, entendi muito mais a história da minha mãe.”

Camila Pitanga participa do ‘Altas Horas’ — Foto: TV Globo

Vera fez tratamento por muitos anos, e Camila diz que hoje em dia compreende melhor o que ela passou: “Entendi muito mais essa questão de ela fazer tratamento psiquiátrico. Parecia que era um problema dela. E foi muito importante entender que o problema não era ela. Era um problema também da sociedade que não a acolhia, que não dava chance de trabalho, não respeitava, que queria ela num lugar de objeto sexual, que queria ela em um lugar que ela não se identificava e que ela não suportou ficar.”

“É com muito orgulho que falo de Vera Manhães, tanto quanto eu gosto de falar de Antonio Pitanga. São duas referências muito importantes na minha vida.”

Camila também falou sobre a série Aruanas, seu papel como embaixadora da ONU Mulher e comentou que em 2019 também voltará ao teatro com uma peça de Tchekov.

+ sobre o tema

Passeio pela mostra “Um defeito de cor”, inspirada no livro de Ana Maria Gonçalves

"Eu era muito diferente do que imaginava, e durante...

Taís faz um debate sobre feminismo negro em Mister Brau

Fiquei muito feliz em poder trazer o feminismo negro...

Conheça a história de Shirley Chisholm, primeira mulher a ingressar na política americana

Tentativas de assassinato e preconceito marcaram a carreira da...

Roda de Conversa: Mulher, raça e afetividades

O grupo de pesquisa Corpus Dissidente promove a roda...

para lembrar

Eu quero o país que não tá no retrato

O Brasil excluído dos livros vai passar em verde...

Autora de ‘Um Defeito de Cor’, Ana Maria Gonçalves fala de adaptação da obra para TV

A autora esteve no II Seminário Internacional Arte, Palavra...

Saberes subalternos e decolonialidade: os sindicatos das trabalhadoras domésticas no Brasil.

Autor: Joaze Bernardino Costa Editora: EDU - UNB No UNB Sinopse Neste livro, o...
spot_imgspot_img

Medo de gênero afeta de conservadores a feministas, afirma Judith Butler

A primeira coisa que fiz ao ler o novo livro de Judith Butler, "Quem Tem Medo de Gênero?", foi procurar a palavra "fantasma", que aparece 41...

Comida mofada e banana de presente: diretora de escola denuncia caso de racismo após colegas pedirem saída dela sem justificativa em MG

Gladys Roberta Silva Evangelista alega ter sido vítima de racismo na escola municipal onde atua como diretora, em Uberaba. Segundo a servidora, ela está...

Uma mulher negra pode desistir?

Quando recebi o convite para escrever esta coluna em alusão ao Dia Internacional da Mulher, me veio à mente a série de reportagens "Eu Desisto",...
-+=